Suplemento alimentar de vitamina C: fiscalização durante o período de adequação à nova legislação

Autores

  • Lucile Abe-Matsumoto Núcleo de Química, Física e Sensorial, Centro de Alimentos, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-0579-9870
  • Nelson Dias Núcleo de Química, Física e Sensorial, Centro de Alimentos, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil
  • Viviane Iglesia Núcleo de Química, Física e Sensorial, Centro de Alimentos, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8537-085X
  • Mahyara Kus-Yamashita Núcleo de Química, Física e Sensorial, Centro de Alimentos, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3631-3968

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2022.v81.36985

Palavras-chave:

Ácido Ascórbico, Suplemento Alimentar, Titulação, Vitamina, Rotulagem de Produtos

Resumo

Os suplementos à base de vitamina C são amplamente consumidos pela população, evidenciando a importância da fiscalização desses produtos. Em julho de 2018, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou as novas regulamentações sobre suplementos alimentares, estabelecendo-se o prazo de 60 meses para as empresas se adequarem a essas normas. O presente trabalho teve como objetivo determinar os teores de vitamina C, comparar os valores analisados com os declarados na informação nutricional e avaliar os dizeres de rotulagem em produtos à base dessa vitamina. Os teores de vitamina C foram determinados por titulação potenciométrica e as análises de rotulagem foram realizadas com base nas legislações da ANVISA em doze amostras de suplementos colhidos pelas Vigilâncias Sanitárias do Estado de São Paulo. Os teores de vitamina C avaliados estavam de acordo com os declarados na informação nutricional do rótulo, com exceção de uma amostra que apresentou teor abaixo do valor declarado. Em relação aos dizeres de rotulagem, sete amostras (58%) apresentaram um ou mais itens em desacordo com a legislação, mostrando a necessidade de monitoramento constante desse tipo de produto. O trabalho representa um estudo preliminar de avaliação dos suplementos no período de adequação às novas regulamentações.

Referências

1. FAO/WHO. Food and Agriculture Organization of the United Nation/World Health Organization. Vitamin and mineral requirements in human nutrition: Report of a joint FAO/WHO expert consultation. Bangkok, Thailand, Second Edition, 2004.

2. Brauchla M, Dekker MJ, Rehm CD. Trends in vitamin C consumption in the United States: 1999–2018. Nutrients. 2021;13(2):420. https://doi.org/10.3390/nu13020420

3. Centro de Vigilância Sanitária (CVS) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Programas e Projetos. Programa Paulista de Alimentos. [acesso 2021 Ago 09]. Disponível em: http://www.cvs.saude.sp.gov.br/prog_det.asp?te_codigo=1&pr_codigo=6

4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n° 32, de 13 de janeiro de 1998. Aprova o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Suplementos Vitamínicos e ou de Minerais. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 15 jan 1998. Seção 1(10-E):9-10.

5. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 243, de 26 de julho de 2018. Dispõe sobre os requisitos sanitários dos suplementos alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 27 jul 2018. Seção 1(144):100-1.

6. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 40, de 13 de janeiro de 1998. Regulamento que estabelece normas para níveis de dosagens diárias de vitaminas e minerais em medicamentos. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 16 jan 1998. Seção 1(11-E):11-2.

7. Abe-Matsumoto LT, Sampaio GR, Bastos DHM. Do the labels of vitamin A, C, and E supplements reflect actual vitamin content in commercial supplements? J Food Comp Anal. 2018;72:141-9. https://doi.org/10.1016/j.jfca.2018.07.001

8. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 set 2002. Seção 1(184):33-4.

9. Brasil. Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969. Institui normas básicas de alimentos. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 21 out 1969. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=DEL&numero=986&ano=1969&ato=cdeETUU1UMjRVT87f

10. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informe Técnico nº 26, de 14 de junho de 2007. Procedimentos para a indicação do uso de aroma na rotulagem de alimentos. Brasília, DF. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-denormas-vinhos-e-bebidas/informe-tecnico-no-26-de-14-de-junho-de-2007_anvisa.pdf/view

11. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa nº 28, de 26 de julho de 2018. Estabelece as listas de constituintes, de limites de uso, de alegações e de rotulagem complementar dos suplementos alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 27 jul 2018. Seção 1(144):141-54.

12. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa nº 76, de 05 de novembro de 2020. Dispõe sobre a atualização das listas de constituintes, de limites de uso, de alegações e de rotulagem complementar dos suplementos alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 11 nov 2020. Seção 1(215):75-7.

13. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 239, de 26 de julho de 2018. Estabelece os aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia autorizados para uso em suplementos alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 27 jul 2018. Seção 1(144):90-7.

14. Brasil. Lei nº 10.674, de 16 de maio de 2003. Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 19 mai 2003. Seção 1(94):1.

15. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 26, de 2 de julho de 2015. Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 03 jul 2015. Seção 1(125):52-3.

16. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 136, de 08 de fevereiro de 2017. Estabelece os requisitos para declaração obrigatória da presença de lactose nos rótulos dos alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 09 fev 2017. Seção 1(29):44.

17. Brasil. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, 12 set 1990. Seção 1(176 Supl):1-8.

18. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial União. Brasília, DF, 26 dez 2003. Seção 1(251):33-4.

19. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasília – DF – Brasil). Farmacopeia Brasileira. 6. ed. Brasília (DF): ANVISA; 2019. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br

20. USP. The United States Pharmacopeia (Rockville – MD - United Stated of America). The United States Pharmacopeial Convention. 42nd. Rockville (USA); 2019.

21. Abe-Matsumoto LT, Sampaio GR, Bastos DHM. Stability of antioxidant vitamins in commercial vitamin supplements. Braz J Pharm Sci. 2018;54(4):1-11,e17700. https://doi.org/10.1590/s2175-97902018000417700

22. Gregory JF. Vitamins. In: Damodaran S, Parkin KL, Fennema OR, editor. Fennema’s Food Chemistry. 4. ed. Boca Raton: CRC Press; 2007. p. 439-522.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Abe-Matsumoto, L., Dias, N., Iglesia, V., & Kus-Yamashita, M. (2022). Suplemento alimentar de vitamina C: fiscalização durante o período de adequação à nova legislação. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 81, 1–12,e36985. https://doi.org/10.53393/rial.2022.v81.36985

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL