Potencial reprodutivo, em condições de laboratório, de BiomphalariaglabrataSay (1818) e de Biomphalafiatenagophila D'Orbigny (1835), originárias do Município de Londrina, Estado do Paraná, Brasil
pdf

Palavras-chave

Biomphalaria glabrata
Biomphalaria tenagophila
planorbídeos, potencial reprodutivo
Schietosoma mansoni

Como Citar

1.
Chieffi PP, Moretti IG, Tornero MTT. Potencial reprodutivo, em condições de laboratório, de BiomphalariaglabrataSay (1818) e de Biomphalafiatenagophila D’Orbigny (1835), originárias do Município de Londrina, Estado do Paraná, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1977 [citado 24º de maio de 2024];37(1-2):65-70. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/37102

Resumo

Para avaliar o potencial reprodutivo de cepas de Biomphalaria olabrata e Biomphalaria tenagophila, de Londrina, observaram-se, em condições de laboratório, 60 exemplares adultos de cada espécie, durante 184 e 192 dias, respectivamente. Diariamente anotou-se o número de desovas e a quantidade de ovos por desova; acompanhou-se, também, o desenvolvimento embrionário de ambas as espécies. Os
60 exemplares de Biomphalaria glabrata produziram 2318 cápsulas ovígeras, contendo em média 24,15 ovos por cápsula; a porcentagem de eclosão foi de 89,58% e o tempo mediano de evolução, 14 dias. Os 60 exemplares de Biomphalaria. tenagophila produziram 1233 cápsulas ovígeras com 27,10 ovos por cápsula; eclodi ram
72,30% dos ovos, com um tempo mediano de evolução de 22 dias. A análise estatística
dos dados mostrou diferença significativa entre o número de cápsulas ovígeras produzidas (fecundidade), a porcentagem de eclosão da, desovas (fertilidade) e· o tempo de evolução embrionária das duas espécies, indicando maior potencial reprodutivo de Biomphalaria glabrata, em relação à cepa simpátrica de Biomphalaria tenagophila.

https://doi.org/10.53393/rial.1977.37.37102
pdf

Referências

1. CHIEFFI, P.P. - Resistência de cepa deBiomphalario: tenaçophila, originária de Londrina (Paraná, Brasil) à infecção por duas cepas de Schietoeoma mansoni. Rev, Soc. Bras. Med. trop., 9: 209-12. 1975.

2. CHIEFFI, P. P. - Suscetibilidade à infecção por Scbietoeoma mansoni de cepas de Biomphalaria. tenaçophila originárias dos Estados de São Paulo e Paraná.
Rev. Inst; Med. trop. São Paulo, 17:
9-6, 1975.

3. CORREA, R.R.; PIZA, J.T.; RAMOS, A. S. & CAMARGO, L.V. - Planorbídeos do Estado de São Paulo. Sua relação com a esquistossomose. Arq. Rig. Saúde
Públ., 27: 139-59, 1962.

4. KAWAZOE, U. ~ Alguns aspectos da biologia de Biomphalaria glabrata (Say, 1818) e Biomphalaria tenagophila
(D'Orbigny, 1835) (Pulmonata, Planorbidae). Rev. Saúde Públ., São Paulo, 10: 57-64, 1976.

5. LIMA, E. C. - Esquistossomose mansoni no Estado do Paraná. Curitiba, 1965. [Tese - Faculdade de Medicina da Universidade
do Paraná]

6. MAGALHÃES, L.A. & CARVALHO, J.F. - Estudo da postura de duas populações de planorbídeos. Rev. Soco bras. Med. trop., 3: 245-7, 1969.

7. MAGALHÃES, L.A. & DE LUCCA, O. - Determinação do período de desenvolvimento e da viabilidade de desovas de duas populações de Biomphalaria glabratae Biomphalaria tenagophila
(Mol/usca, Planorbidae). Rev. Soco bras. Metl. trop., 5: 307-13, 1971.

8. PARAENSE, W.L. & CORRÊA, L.R. - Susceptibility of Australorbis tenagophilus to infection with Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. São Paulo, 5: 23-9, 1963.

9. PERLOWAGORA-SZUMLEWICZ, A. - Studies on the biology of Australorbis glabratus,
schistosome-bearing brazilian
snai!. Rev. bras. Malar., 10: 459-529, 1958.

10. PIZA, J.T.; RAMOS, A.S.; BRANDÃO, C.S.R. & FIGUEIREDO, C.G. - A esquistossomose no Vale do Paraíba (Estado de São Paulo Brasil). Observações sobre a doença em alguns de seus municípios e a fauna planorhidica
da região. Rev, Inst. Atiolf o Lutz,
19: 97-143, 1959.

11. RAMOS, A.S.; PIZA, J.T.; PINTO, G.H.; TION, T.; FLEURY, G.C.; MORAES, L.V.C. & CAMPOS, L.L. - Focos ativos de esquistossomose no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Públ., São Paulo, 3': 59-65, 1969.

12. REY, L. - Contribuição para o conhecimento da morfologia, biologia e ecologiados planorbídeos brasileiros transmissores da esquistossomose. Rio de Janeiro,
Ser. Nac. de Educ. Saní t., 1956.

13. SIEGEL, S. - Nonparametric statietics, Tokio, McGraw-Hill, 1956.

14. STURROCK, R. F. - The influence of temperature
on the biology of Biomphalaria
pfeifferi (Krauss), an intermediate
host of Schistosoma mansoni. Ann.
trop. Med. Parasit., 60: 100-5, 1966.

15. STURROCK, R.F. & STURROCK, B.M. The influence of temperature on lhe biolagy of Biomphalaria g labrata (Say), intermediate host of Schistosoma mansoni on St. Lucia, West Indies. Ann. trop. Med, Parasit., 66: 385-90, 1972.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1977 Pedro Paulo Chieffi, Itagiba Geraldo Moretti, Maria Terezinha T. Tornero

Downloads

Não há dados estatísticos.