Avaliação da concentração de flúor nas águas de abastecimento público: estudo retrospectivo e de heterocontrole

Autores

  • Cecilia Cristina Marques dos Santos Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de São José do Rio Preto, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, São José do Rio Preto, SP
  • Júlio César da Silva Rodrigues Centro Universitário de Rio Preto, São José do Rio Preto, SP
  • Maria do Rosário Vigeta Lopes Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de São José do Rio Preto, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, São José de Rio Preto, SP
  • Rodrigo Friozi Povinelli Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de São José do Rio Preto, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, São José de Rio Preto, SP
  • André Luiz Marçal Terreri União de Ensino do Sudoeste do Paraná, Francisco Beltrão, PR

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2012.v71.32458

Palavras-chave:

água de abastecimento, fluoretação, cárie dentária, vigilância sanitária, controle interno-externo, heterocontrole

Resumo

Neste estudo, foram feitas retrospectivamente três análises: (1) avaliação da concentração de flúor, na forma de fluoreto (F-), nas águas de abastecimento público de São José do Rio Preto (SJRP) (SP), de janeiro de 2003 a agosto de 2011, cuja análise foi efetuada por potenciometria com íon seletivo; (2) avaliação da concentração de flúor nas águas provenientes dos bebedouros das escolas municipais de Nova Aliança (NA) (SP), de agosto de 2010 a agosto de 2011, utilizando-se os princípios do heterocontrole; e (3) avaliação da variabilidade da fluoretação sob a óptica do benefício (máxima redução da cárie dentária) e do risco (ocorrência de fluorose dental). Os resultados obtidos apontaram que houve falhas na fluoretação. Em SJRP e em NA, respectivamente, apenas 53% e 23% das amostras apresentaram níveis de F- legalmente aceitos. Considerando-se a combinação de benefício máximo e risco baixo, enquadraram-se 56% das amostras de SJRP e 32% das amostras de NA. Este estudo apontou que os princípios do heterocontrole foram fundamentais para efetuar a identificação de falhas na fluoretação, pois, para que se tenha máxima eficiência, o nível de flúor deve manter-se no denominado “nível ótimo” e de forma ininterrupta por longos períodos.

Referências

1. Scott DB. The dawn of a new era. J Public Health Dent. 1996;56:235-8.

2. Stevens RE. Fluoridation and the private practice of dentistry. J Public Health Dent. 1996;56:239-41.

3. Motter J, Moyses ST, França BHS, Carvalho ML, Moysés SJ. Análise da concentração de flúor na água em Curitiba, Brasil: comparação entre técnicas. Rev Panam Salud Publica. 2011;29(2):120-5.

4. Gillcrist JA, Brumley DE , Blackford JU . Community fluoridation status and caries experience in children . J Public Health Dent. 2001;61:168-71.

5. American Dietic Association. Position of the American Dental Association – ADA: The impact of fluoride health. J Am Diet Assoc. 2001;101(1):126-32.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília; 2004.

7. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2010. Pesquisa nacional de saúde bucal: resultados principais. Brasília; 2011.

8. Buzalaf MAR, Kobayashi CAK, Philippi ST. Fontes de ingestão de fluoretos. In: Buzalaf MAR. Fluoretos e saúde bucal. São Paulo (SP): Santos, 2008. p. 11-44.

9. Schneider Filho DA, Prado IT, Narvai PC, Barbosa SE. Fluoretação da água. Como fazer a vigilância sanitária?. Rio de Janeiro (RJ): Rede CEDROS; 1992. (Série Cadernos de Saúde Bucal 2).

10. Calvo MCM. Situação da fluoretação de águas de abastecimento público no estado de São Paulo-Brasil [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 1996.

11. Narvai PC. Cárie dentária e flúor: uma relação do século XX. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5:381-92.

12. Narvai PC. Fluoretação da água: heterocontrole no Município de São Paulo no período 1990-1999. Rev Bras Odontol Saúde Coletiva. 2000;2:50-6.

13. Toassi RFC, Kuhnen M, Cislaghi GA. Heterocontrole da fluoretação da água de abastecimento público de Lages, Santa Catarina, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(3):727-32.

14. Maia LC, Valenca AMG, Soares EL. Operational control of water fluoridation in Niterói, Rio de Janeiro, Brazil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):61-7.

15. Correia RP, Ferreira Jr CD, Maia LC, Análise da fluoretação da água de abastecimento público na zona sul do município do Rio de Janeiro. Pesq Bras Odontoped Clín Integr. 2001;1:17-22.

16. Centro de Vigilância Sanitária – CVS. Promoção e Qualidade de Vida: Fluoretação das Águas de Abastecimento Público. [acesso 2011 dez 13]. Disponível em: [http://www.cvs.saude.sp.gov.br/not_ler.asp?gt_codigo=&nt_codigo=363].

17. Centro de Vigilância Sanitária – CVS.Água Para Consumo Humano– PROÁGUA. [acesso 2011 dez 13]. Disponível em: [http://www.cvs.saude.sp.gov.br/achumano.asp].

18. Buzalaf MAR, Granjeiro JM, Damante CA, Ornelas F. Fluctuations in public water fluoride level in Bauru, Brazil. J Public Health Dent. 2002;62:173-6.

19. Ramires I, Maia LP, Rigolizzo DS, Lauris JRP, Buzalaf, MAR. Heterocontrole da fluoretação da água de abastecimento público em Bauru, SP, Brasil. Rev Saúde Pública. 2006;40(5):883-9.

20. São Paulo. Secretaria de Estado da Saúde. Resolução SS-250, de 15 de agosto de 1995. Define teores de concentração do íon fluoreto nas águas para consumo humano, fornecidas por sistemas públicos de abastecimento. Diário Oficial [do] Estado de São Paulo.São Paulo, SP, 26 ago 1995, Seção 1, p. 11.

21. Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal. CECOL-USP- Consenso técnico sobre classificação de águas de abastecimento público segundo o teor de flúor. São Paulo (SP): Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2011.

22. Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas a Agricultura – CEPAGRI Meteorologia Unicamp. [acesso em 2012 jul 10]. Disponível em: [http://www.cpa.unicamp.br/outras-informacoes/clima_muni_559.html].

23. Portal Rio Preto- ETA – Estação de Tratamento de Água. [acesso em 2012 jul 2]. Disponível em: [http://www.riopreto.sp.gov.br/PortalGOV/do/subportais_Show?c=3945].

24. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Dados Gerais: Dados Gerais do município. [acesso em 2012 jul 12]. Disponível em: [http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=354980].

25. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo, Brasil). Métodos Físico-Químicos para Análise de Alimentos; normas analíticas. 4. ed. São Paulo (SP): Instituto Adolfo Lutz; 2008. Disponível em: [http://www.ial.sp.gov.br/index.php?option=com_remository&Itemid=7&func=select&orderby=1&Itemid=7].

26. Freitas VPS, Brígido BM, Alge ME, Silva CL, Zenebon O, Antunes JLF. Fluoreto em água: Estudo de metodologia analítica e níveis encontrados na região de Campinas. Rev Inst Adolfo Lutz. 1996;56:29-36.

27. Instituto Adolfo Lutz. Laboratório Central e Laboratório I de Campinas. CVS. SAMA. Curso de treinamento dos Laboratórios de Saúde Pública em análise de Flúor nas águas de abastecimento público. São Paulo: CVS; 1996.

28. Lopes MRV, Santos CCM, Rigo KM. Estudo comparativo entre os procedimentos potenciométrico com eletrodo íon-seletivo para determinação de fluoreto em águas de abastecimento público segundo os métodos físico-químicos para análise de alimentos e com utilização minimizada de reagentes. BIAL. 2005;15(2):7-9.

29. American Public Health Association – APHA. Standard Methods for the Examination Of Water and Wastewater. Washington (DC): APHA; 1995.

30. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – INMETRO. Orientações sobre validação de métodos de ensaios químicos. Brasília (DF); 2005. p. 31.

31. Carvalho RB, Medeiros UV, Santos KT, Pacheco Filho AC. Influência de diferentes concentrações de flúor na água em indicadores epidemiológicos de saúde/doença bucal. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(8):3509-18.

Publicado

2012-03-01

Como Citar

Santos, C. C. M. dos, Rodrigues, J. C. da S., Lopes, M. do R. V., Povinelli, R. F., & Terreri, A. L. M. (2012). Avaliação da concentração de flúor nas águas de abastecimento público: estudo retrospectivo e de heterocontrole. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 71(3), 507–513. https://doi.org/10.53393/rial.2012.v71.32458

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)