Identidade e qualidade da própolis proveniente de quatro regiões do Brasil

Autores

  • Adriane Alexandre Machado de Melo Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP
  • Adriana Hitomi Matsuda Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP
  • Ligia Bicudo de Almeida-Muradian Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Laboratório de Análise de Alimentos, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2012.v71.32462

Palavras-chave:

própolis, índice de oxidação, fenóis, flavonoides, qualidade

Resumo

A própolis, substância produzida pelas abelhas a partir de partes das plantas, tem sido consumida para fins terapêuticos. Dada a escassez de dados sobre a própolis comercializada no Brasil, este estudo avaliou os parâmetros de identidade e qualidade de própolis: umidade, resíduo mineral fixo, cera, massa mecânica, fenólicos totais, flavonoides totais, substâncias solúveis em etanol, índice de oxidação e espectro de absorção de radiações ultravioleta e visível, em amostras coletadas nas regiões Nordeste (NE), Sudeste (SE), Sul (SU) e Centro-Oeste (CO) do país. Os resultados obtidos foram comparados com os padrões estabelecidos na legislação brasileira, e foi realizada uma comparação entre as quatro regiões. As 12 amostras coletadas na região SE e as três da região CO atenderam a todos os requisitos previstos em legislação. Porém, resultados desconformes foram detectados em uma das dez amostras da região SU e em cinco das oito da região NE. As médias nas amostras da região NE foram estatisticamente semelhantes nas amostras da região SU em cinco dos oito parâmetros quantitativos: teor de umidade, massa mecânica, índice de oxidação, fenólicos totais e flavonoides totais. O teor de fenólicos foi o único parâmetro cuja média foi estatisticamente igual nas amostras das quatro regiões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Instrução Normativa nº 3, de 19 de janeiro de 2001. Aprova os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade de Apitoxina, Cera de Abelha, Geléia Real, Geléia Real Liofilizada, Pólen Apícola, Própolis e Extrato de Própolis. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 jan 2001. Seção 1, p. 18-23.

2. Salatino A, Teixeira EW, Negri G, Message D. Origin and Chemical Variation of Brazilian Propolis. Evid Based Complement Alternat Med. 2005;2(1):33-8.

3. Bankova V. Chemical diversity of propolis and the problem of standardization. J Ethnopharmacol. 2005;100(1-2):114-7.

4. Silva BB, Rosalen PL, Cury JA, Ikegali M, Souza VC, Esteves A, et al. Chemical composition and botanical origin of red propolis, a new type of Brazilian propolis. Evid Based Complement Alternat Med. 2008;5(3):313-6.

5. Ghisalberti VQ. Propolis: a review. Bee World. 1979;60(2):59-84.

6. Marcucci MC, Ferreres F, García-Viguera C, Bankova VS, De Castro SL, Dantas AP, et al. Phenolic compounds from Brazilian propolis with pharmacological activities. J Ethnopharmacol. 2001;74(2):105-12.

7. Kumazawa S, Hamasaka T, Nakayama T. Antioxidant activity of propolis of various geographic origins. Food Chem. 2004; 84(3):329-39.

8. Montpied P. Caffeic acid phenethyl ester (CAPE) prevents inflammatory stress in organotypic hippocampal slice cultures. Mol Brain Res. 2003;115(2):111-20.

9. Sawaya ACHF, Cunha IBS, Marcucci, MC. Analytical methods applied to diverse types of Brazilian propolis. Chem Central J. 2011;5(27):1-10.

10. Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE. Exportação de cera de abelha (própolis), em bruto. [acesso 2011 nov 30]. Disponível em: [http://www.sebrae.com.br/setor/apicultura/sobre-apicultura/mercado/exportacoes/Exportacoes%20Julho.pdf ].

11. Park YK, Koo MH, Sato HH, Contado JL. Estudos de alguns componentes da própolis coletada por Apis mellifera no Brasil. Arq Biol Tecnol. 1995;38(4):1253-9.

12. Matsuda AH. Caracterização e Controle de Qualidade de própolis proveniente de diversas regiões do Brasil. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2006.

13. Garcia-Amoedo lH, Almeida-Muradian LB. Comparação demetodologias para determinação de umidade em geleia real. Quím Nova. 2002;25(4):676-9.

14. Melo ILP, Almeida-Muradian LB. Comparison of methodologies for moisture determination on dried bee pollen samples. Cienc Tecnol Aliment. 2011;31(1):194-7.

15. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo-Brasil). Métodos físico-químicos para análise de alimentos: normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz.4. ed. Brasília (DF): Anvisa; 2005.

16. Brasil. Ministério da Saúde. Decreto nº 78.840, de 25 de novembro de 1976. Aprova a Terceira Edição da Farmacopeia Brasileira e da Outras Providências. Brasília, DF, 6 jan 1977. Seção 1, Suplemento, p. 1.

17. Matsuda AH. Aplicação da técnica de irradiação gama para preservação de própolis. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Instituto de Pesquisa Energéticas e Nucleares; 2002.

18. Park YK, Ikegaki M, Alencar SM, Moura FF. Evaluation of Brazilian propolis by both physicochemical methods and biological activity. Honey Bee Sci. 2000;21(2):85-90.

19. Woisky RG. Métodos químicos para controle de amostras de própolis. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Faculdade de Ciências Farmacêuticas; 1996.

20. Marcucci MC. Apostila de análise de própolis. Pindamonhangaba (SP): Instituto de Zootecnia; 1998.

21. Ikegaki M. Determinação de qualidade de própolis de Apis mellifera africanizada da região sul do Brasil: avaliação de algumas propriedades físico-químicas e biológicas da própolis. [tese de doutorado]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2001.

22. Costa Neto PLO. Estatística. São Paulo: Edgard Blücher; 1977.

23. Franco SL, Bruschi ML, Moura LPA, Bueno JHF. Avaliação farmacognóstica da própolis da região de Maringá. Rev Bras Farmacogn. 2000;9-10(1):1-10.

24. Funari CS, Ferro VO. Análise de própolis. Cienc Tecnol Aliment. 2006;26(1):171-8.

25. Cunha IBS, Awaya ACH, Caetano FM, Shimizu MT, Marcucci MC, Drezza TF, et al. Factors that influence the yield and composition of Brazilian propolis extracts. J Braz Chem Soc. 2004;15(6):964-70.

26. Silva RA, Rodrigues AE, Ribeiro MCM, Custódio AR, Andrade NED, Pereira WE. Características físico-químicas e atividade antimicrobiana de extratos de própolis da Paraíba, Brasil. Cienc Rural. 2006;36(6):1842-8.

27. Gregório L.E. Influência da sazonalidade na composição polínica, no perfil químico e na atividade antimicrobiana da própolis produzida em Cajuru-SP. [dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2003.

28. Bastos EMAF. Origem botânica e indicadores de qualidade da “própolis verde” produzida no Estado de Minas Gerais. [tese de doutorado]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2001.

29. Bastos EMAF, Galbiati C, Loureiro EM, Scoaris DO. Indicadores físico-químicos e atividade antibacteriana de própolis marrom frente à Escherichia coli. Arq Bras Med Vet Zootec.2011;63(5):1255-9.

30. Warakomska Z, Maciejewicz W. Microscopic analysis of propolis from Polish regions. Apidologie. 1992;23:277-83.

31. Marston A, Hostettmann K. Separation and quantification of flavonoids In: Andersen OM, Markham KR, organizador. Flavonoids Chemistry, Biochemistry and Applications. Londres: Taylor and Francis, 2006. p. 1-36.

32. Alencar SM. Estudo fitoquímico da origem botânica da própolis e avaliação da composição química de mel de Apis melliferaafricanizada de diferentes regiões do Brasil. [tese de doutorado]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2002.

33. Asis, M. Propóleo, el oro púrpura de las abejas. La Havana: Centro de Información y Documentación Agropecuária; 1989.

34. Carratu E, Sanzini E. Sostanze biologicamente attive presenti negli alimenti di origine vegetable. Annali dell’ Instituto Superiore di Sanitá. 2005;41(1):7-16.

35. Horst MA, Lajolo FM. Biodisponibilidade de compostos bioativos de alimentos. [acesso 2011 abr 12]. Disponível em: [http://www.fcf.usp.br/Ensino/Graduacao/Disciplinas/Exclusivo/Inserir/Anexos/LinkAnexos/Biodisponibilidade.pdf].

36. Zuanazzi JAS. Flavonoides. In: Simões, CMO, Shenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR, organizadores. Farmacognosia: da planta ao medicamento. Porto Alegre (RS): UFRG; 1999. p. 489-516.

37. Markham KR. Ultraviolet and visible absorption spectroscopy. In: Harborne JB, Mabry TJ, Mabry H. The flavonoids. Nova York: Academic Press; 1975. p. 47-61.

38. Alencar SM, Aguiar CL, Paredes-Guzmán J, Park YK. Composição química de Baccharis dracunculifolia, fonte botânica das própolis dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Cienc Rural. 2005;35(4):909-15.

Downloads

Publicado

2012-03-01

Como Citar

1.
Melo AAM de, Matsuda AH, Almeida-Muradian LB de. Identidade e qualidade da própolis proveniente de quatro regiões do Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de março de 2012 [citado 28º de fevereiro de 2024];71(3):540-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32462

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL