Estudo das condições de preparo da merenda escolar em creches
PDF

Palavras-chave

escola
merenda escolar
condições microbiológicas

Como Citar

1.
Werle CH, Pereira APM, Gonçalves TMV, Hoffmann FL. Estudo das condições de preparo da merenda escolar em creches. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de dezembro de 2012 [citado 18º de abril de 2024];71(4):741-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32493

Resumo

Os alimentos são passíveis de contaminação por diferentes agentes etiológicos que podem levar ao desenvolvimento de doenças desencadeadas por micro-organismos patogênicos ou suas toxinas. O alimento preparado e armazenado de forma inadequada pode ser veículo de doenças. Este estudo avaliou as condições higiênico-sanitárias de preparo da merenda escolar. Para esta avaliação, foi realizada a análise microbiológica das amostras coletadas das mãos dos manipuladores, da água utilizada no preparo e higienização dos alimentos; e um check-list foi utilizado para analisar as condições físicas, estruturais e de limpeza das cozinhas. Foram analisadas 31 amostras obtidas de swab de mão, 21 amostras de água e as condições das cozinhas foram avaliadas por meio de um questionário. Este estudo aponta a necessidade de realizar treinamento dos manipuladores de alimento e de efetuar implementação de controle mais rigoroso da água utilizada no preparo dos alimentos. A presente investigação mostrou também que as escolas avaliadas mantêm bom padrão quanto à conservação e limpeza das cozinhas.
https://doi.org/10.53393/rial.2012.71.32493
PDF

Referências

1. Tulane D. Intervenções para reduzir a insegurança alimentar: uma síntese dos atuais conceitos e abordagens para a América Latina. Rev Nutr. 2008;21:159-73.

2. Neto Cunha A, Silva CMG, Stamford TML. Staphylococcus enterotoxigênicos em alimentos in natura e processados no estado de Pernambuco, Brasil. Ciênc Tecnol Alim. 2002;22(3):263-71.

3. Oliveira ACB, Germano PML, Germano MIS. Avaliação dos alimentos cárneos servidos no programa de alimentação escolar de um município da Grande São Paulo: ênfase nos aspectos de tempo e temperatura. Hig Alim. 2004;18(124):24-9.

4. Fawell J, Nieuwenhuijsen MJ. Contaminants in drinking water. Braz Med Bull. 2003;68:199-208.

5. Brasil. Portal da Saúde. Doenças Transmitidas por Alimentos − Aspectos epidemiológicos. Disponível em: [http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=31760].

6. Mello AG, Gama MP, Marin VA, Colares LGT. Conhecimento dos manipuladores de alimentos sobre boas práticas nos restaurantes públicos populares do Estado do Rio de Janeiro. Braz J Food Technol. 2010;13(1):60-8.

7. Brasil. Resolução ANVISA. RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 16 set 2004.

8. Silva N, Junqueira VCA, Silveira NFA, Taniwaki MH, Santos RFS, Gomes RA. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos. São Paulo: Varela; 2010.

9. Silva N, Cantusio NR, Amstalden VC, Arruda, NF. Manual de métodos de análise microbiológica da água. São Paulo: Varela; 2005.

10. Brasil. Resolução ANVISA. RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico de procedimentos operacionais padronizados aplicados aos estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos e a lista de verificação das boas práticas de fabricação em estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. DiárioOficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 6 nov 2002; Seção 1:4-21.

11. Campos AKC, Cardonha AMS, Pinheiro LBG, Ferreira NR, Azevedo PRM, Stamfor TLM. Assessment of personal hygiene and practices of food handlers in municipal public schools of Natal, Brazil. Food Control. 2009;20:807-10.

12. Acco M, Ferreira FS, Henriques JAP, Tondo EC. Identification of multiple strains of Staphylococcus aureus colonizing nasal mucosa of food handlers. Food Microbiol. 2003;20:489-93.

13. Santana NG, Almeida RCC, Ferreira JS, Almeida PF. Microbiological quality and safety of meals served to children and adoption of good manufacturing practices in public school catering in Brazil. Food Control. 2009;20:255-61.

14. Brasil. Portaria ANVISA nº 518, de 25 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 26 mar 2004.

15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de Vigilância Epidemiológica. Série A. Normas e Manuais Técnicos. 6.ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 Catierine Hirsch Werle, Ana Paula Maciel Pereira, Tânia Maria Vinturim Gonçalves, Fernando Leite Hoffmann

Downloads

Não há dados estatísticos.