Salmonella Enteritidis: importância do inquérito epidemiológico, análise de alimentos e coprocultura na elucidação de 167 surtos alimentares

Autores

  • Marisa Simões Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Campinas, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Laboratório de Microbiologia de Alimentos, Campinas, SP
  • Marilu Mendes Moscardini Rocha Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Campinas, Núcleo de Ciências Biomédicas, Laboratório de Bacteriologia Médica, Campinas, SP
  • Beatriz Pisani Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Campinas, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Laboratório de Microbiologia de Alimentos, Campinas, SP
  • Maria Ângela Garnica Prandi Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Campinas, Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Laboratório de Microbiologia de Alimentos, Campinas, SP
  • Eneida Gonçalves Lemes-Marques Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Campinas, Núcleo de Ciências Biomédicas, Laboratório de Bacteriologia Médica, Campinas, SP

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32607

Palavras-chave:

Salmonella Enteritidis, inquérito epidemiológico, salmonelose, diarreia, surtos

Resumo

A infecção humana por Salmonella Enteritidis está associada ao consumo de ovos crus ou mal cozidos e seus derivados e, a partir de 1993, emergiu como um problema de saúde pública no Brasil. Neste trabalho foram analisados os surtos por S. Enteritidis ocorridos entre os anos de 1995 e 2008 na região sudeste do Estado de São Paulo, bem como a importância da elaboração do inquérito epidemiológico para a sua elucidação. A análise conjunta de dados resultantes de análises de alimentos, coprocultura e dos inquéritos recebidos pelo laboratório mostrou a ocorrência de 167 surtos positivos para S. Enteritidis, dos quais foram obtidos 59 (35,3%) inquéritos epidemiológicos. Do total de surtos, 48 (28,7%) foram elucidados somente pela análise de alimentos; 25 (15%) pela análise de alimentos e coprocultura, e 94 (56,3%) somente por coprocultura. Dentre os alimentos envolvidos nos surtos, o mais frequente foi a maionese caseira (58,2%). Verifica-se a continuidade no desconhecimento da população em relação ao consumo de alimentos que contenham ovos crus ou mal cozidos e a necessidade de introduzir melhorias na investigação epidemiológica dos surtos, para que se possa identificar a fonte de infecção no maior número possível dessas ocorrências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Centers for Disease Control and Prevention (US); National Center for Zoonotic, Vector-Borne, and Enteric Diseases (ZVED). Salmonellosis; 2008. [acesso em 08 out 2008]. Disponível em: [http://www.cdc.gov/nczved/dfbmd/disease_listing/salmonellosis_gi.html].

2. Bruins MJ, Fernandes TMA, Ruijs GJHM, Wolfhagen MJHM, Rijn-van Berkel JM, Schenk BE et al. Detection of a nosocomial outbreak of salmonellosis may be delayed by application of a protocol for rejection of stool cultures. J Hosp Infect. 2003;54:93-8.

3. Rodrigue DC, Tauxe RV, Rowe B. International increase in Samonella enteritidis: a new pandemic? Epidemiol Infect. 1990; 105: 21-7.

4. Guard-Petter J. Minireview – The chicken, the egg and Salmonella enteritidis. Environm Microbiol. 2001; 3(7): 421-30.

5. Hedberg CW, David MJ, White KE, Mac Donald KL, Osterholm MT. Role of egg consumption in sporadic Salmonella enteritidisand Salmonella typhimurium infections in Minnesota. J Infect Dis. 1993; 167(1): 107-11.

6. Rocha PT, Mesquita AJ, Andrade MA, Louly PR, Nascimento MN. Salmonella spp em forros de caixa de transporte e órgãos de pintos de um dia. Arq Bras Med Vet Zootec. 2003; 55(6): 672-6.

7. Silva EN. Salmonella enteritidis em aves e saúde pública. Hig Aliment. 1995; 9(37): 7-12.

8. Silva EN, Duarte A. Salmonella Enteritidis em aves: retrospectiva no Brasil. Rev Bras Cienc Avic. 2002; 4(2): 85-100.

9. Irino K, Fernandes AS, Tavechio AT, Neves BC, Dias AMG. Progression of Salmonella Enteritidisphage type 4 strains in São Paulo State, Brazil. Rev Inst Med Trop S Paulo. 1996; 38(3): 193-6.

10. Tavechio AT, Fernandes SA, Neves BC, Dias AMG, Irino K. Changing patterns of Salmonella serovars: increase of SalmonellaEnteritidis in São Paulo, Brazil. Rev Inst Med Trop S Paulo. 1996; 38(5): 315-22.

11. Matsuoka DM, Costa SF, Mangini C, Almeida GMD, Bento CN, Van Der Heijden IM et al. A nosocomial outbreak of Salmonellaenteritidis associated with lyophilized enteral nutrition. J Hosp Infect. 2004; 58: 122-7.

12. Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo. Informações gerais. Abrangências geográficas; 2009. [acesso em 20 mai 2009]. Disponível em: [http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/nive/mapa_info.html].

13. Flowers RS, D’Aoust JY, Andrews WH, Bailey JS. Salmonella. In: Vanderzant C, Don F. Splittstoesser editors. Compendium of methods for the microbiology examination of foods (APHA) 3 ed. Washington, DC; 1992. p. 371-422.

14. Pessoa GVA, Silva EM. Milieu pour l’identification présuntive rapide des enterobactéries, des Aeromonas et vibrion. Ann Microbiol. (Inst. Pasteur). 1974; 125 A(1): 341-7.

15. Pessoa GVA, Irino K, Calzada CT, Melles CEA, Kano E. Ocorrência de bactérias enteropatogênicas em São Paulo, no septênio 1970-1976. I- Sorotipos de Salmonella isolados e identificados. Rev Inst Adolfo Lutz. 1978; 38: 87-105.

16. Popoff MY, Le Minor L. Formules antigéniques des sérovars de Salmonella. Paris, Centre Collaborateur OMS de Réference et de Recherche pour les Salmonella. 1997.

17. Popoff MY. Antigenic formulas of the Salmonella serovars. WHO collaborating centre for reference and research on Salmonella. 8 ed. Paris, Pasteur Institute; 2001.

18. Popoff MY, Le Minor LE. The genus Salmonella. In: Brenner DJ, Krieg NR, Staley JT. ed. Bergey’s manual of systematic Bacteriology. 2 ed. New York, Springer; 2005. v. 2, p. 764-99.

19. Kottwitz LBM, Oliveira TCRM, Alcocer I, Farah SMSS, Abrahão WSM, Rodrigues DP. Avaliação epidemiológica de surtos de salmonelose ocorridos no período de 1999 a 2008 no Estado do Paraná, Brasil. Acta Sci Health Sci. 2010; 32(1): 9-15.

20. Tavechio AT, Ghilardi AC, Peresi JT, Fuzihara TO, Yonamine EK, Jakabi M et al. Salmonella serotypes isolated from nonhuman sources in São Paulo, Brasil, from 1996 through 2000. J Food Prot. 2002; 65(6): 1041-4.

21. Peresi JTM, Almeida IAZC, Lima SI, Marques DF, Rodrigues ECA, Fernandes AS et al. Surtos de enfermidades transmitidas por alimentos causados por Salmonella Enteritidis. Rev Saude Publica. 1998; 32(5): 477-83.

22. Eduardo MBP, Katsuya EM, Bassit NP, Mello MLR. SalmonellaEnteritidis – Uma importante causa de surtos bacterianos veiculados por alimentos e a necessidade de uma nova regulamentação sanitária para os alimentos implicados, São Paulo, Brasil, 1999-2003. BEPA. 2004; 1(8): 6-11.

23. Costalunga S, Tondo EC. Salmonellosis in Rio Grande do Sul, Brazil, 1997 to 1999. Braz J Microbiol. 2002; 33: 342-6.

24. Patrick ME, Adcock PM, Gomez TM, Altekruse SF, Holland BH, Tauxe RV et al. Salmonella Enteritidis infections, United States, 1985-1999. Emerg Infect Dis. 2004; 10(1): 1-7.

25. Chávez-de la Peña ME, Iglesias AJH, Jiménez MAH, Martinez RB, León JM, Cabello FA et al. Brote por Salmonella Enteritidis en trabajadores de un hospital. Salud pública Méx; 2001; 43(3):211-16. [acesso 20 mai 2009]. Disponível em: [http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342001000300006&Ing=pt doi:10.1590/S0036-36342001000300006].

26. Betancor L, Pereira M, Martinez A, Giossa G, Fookes M, Flores K et al. Prevalence of Salmonella enterica in poultry and eggs in Uruguay during an epidemic due to Salmonellaenterica Serovar Enteritidis. J Clin Microbiol. 2010; 48(7): 2413-23.

27. Fica A, Alexandre M, Prat S, Fernandez J, Heitmann I. Cambios epidemiológicos de las salmonelosis en Chile: desde Salmonella typhi a Salmonella enteritidis. Rev Chil Infectol. 2001; 18 (2): 85-93.

28.Collard JM, Bertrand S, Dierick K, Godard C, Wildemauwe C, Vermeersch K et al. Drastic decrease of Salmonella Enteritidis isolated from humans in Belgium in 2005, shift in phage types and influence on foodborne outbreaks. Epidemiol Infect. 2008; 136: 771-81.

29. Nadvorny A, Figueiredo DMS, Schmidt V. Ocorrência de Salmonella spp em surtos de doenças transmitidas por alimentos no Rio Grande do Sul em 2000. Acta Sci Vet. 2004; 32: 47-51.

30. Cardoso ALSP, Tessari ENC. Salmonella na segurança dos alimentos. Biológico. 2008; 70(1): 11-3.

31. Brasil. Portaria nº 1.461, de 22 de dezembro de 1999 do Ministério da Saúde. Dispõe sobre notificação compulsória de doenças, em todo o território nacional. Diário Oficial da União, Brasil, Brasília, DF, 23 dez 1999. Seção I, 3: 87 (245-E), p. 34.

32.Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar. Análise epidemiológica dos surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil. [acesso em 12 fev 2011]. Disponível em: [http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/surtos.dta.pdf].

33. Kaku M, Peresi JTM, Tavechio AT, Fernandes AS, Batista AB, Castanheira IAZ et al. Surto alimentar por Salmonella Enteritidis no noroeste do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública. 1995; 29 (2): 127-31.

34. Barros MR, Andreatti Filho RL, Lima ET, Sampaio HM, Crocci AJ. Sobrevivência de Salmonella enteritidis em ovos contaminados artificialmente, após desinfecção e armazenados em diferentes temperaturas.Rev Bras Cienc Avic. 2001; 3(3):219-23.

Downloads

Publicado

2010-04-01

Como Citar

1.
Simões M, Rocha MMM, Pisani B, Prandi M Ângela G, Lemes-Marques EG. Salmonella Enteritidis: importância do inquérito epidemiológico, análise de alimentos e coprocultura na elucidação de 167 surtos alimentares. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de abril de 2010 [citado 1º de março de 2024];69(4):497-502. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32607

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)