Análise das proteínas e estudo reológico dos isolados proteicos das amêndoas da faveleira (Cnidosculus phyllacanthus (Mart.) Pax. et K. Hoffm.) com e sem espinhos

Autores

  • Mônica Tejo Cavalcanti Universidade Federal de Campina Grande, Departamento de Pós-Graduação de Engenharia de Processos, Campina Grande; PB
  • Pushkar Singh Bora Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Tecnologia Química e de Alimentos, Centro de Tecnologia, João Pessoa, PB

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32663

Palavras-chave:

faveleira, classificação proteica, isolado proteico, eletroforese, viscosidade

Resumo

A faveleira possui amêndoas com potencial em óleos e proteínas alimentares e é encontrada no Nordeste brasileiro, principalmente nas regiões do sertão e caatinga. As proteínas contidas nas amêndoas das variedades da faveleira com (FCE) e sem (FSE) espinhos foram isoladas, classificadas e estudadas quanto à viscosidade para o seu possível uso como alternativo ingrediente alimentar. As sementes de ambas variedades apresentaram elevadas concentrações proteicas com, respectivamente, 26,20% e 30,70%. Quando desengorduradas, estas passaram a 57,55 e 63,00%. A fração de globulina apresentou-se mais expressiva (63,37 e 63,91%). O isolado proteico apresentou teores de proteínas solúveis de 81,08% e 90,02%. Quando analisadas por eletroforese, apareceram quatro subunidades na faixa de PM de 40,8 a 20,2 kDa para a amêndoa da FCE e sete subunidades na faixa de 60,5 a 21,1 kDa para a da FSE. Quanto à viscosidade, foram analisadas as concentrações de 1, 3, 5 e 7% de isolado proteico e observou-se uma relação de dependência positiva da viscosidade com a concentração de proteína. O isolado proteico da FSE mostrou maior viscosidade que a de FCE. Como a faveleira possui alto teor de proteína, independentemente da sua variedade, sugere-se a sua possível utilização como ingrediente em formulações alimentícias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. El Nasri NA, El Tinay AH. Functional properties of fenugreek (Trigonella foenum graecum) protein concentrate. Food Chemistry. 2007;103:582–9.

2. Osborne TB. The vegetable proteins, 2nd ed. London: Longsman-Green; 1924.

3. Bartolomé B, Mendez JD, Armentia A, Vallverd A, Palacios R. Allergens from Brazil nut: immunochemical characterization. Allergol Immunopathol. 1997;25:135-44.

4. Higgins TSV. Synthesis and regulation of major protein in seeds. Ann Review Plant Physiology. 1994;35:191-21.

5. Shewry PR, Tatham AS. The prolamin storage proteins of cereal seeds: structure and evolution. J Bioch. 1990;267:1-12.

6. Duque JG. O Nordeste e as lavouras xerófilas. 3a ed., Mossoró- RN: ESAM – Fundação Guimarães Duque, Vol. CXLIII; 1980.

7. Braga R. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2ª Ed. Imprensa Oficial do Ceará. v. VIII; 1960.

8. Moreira JAN, Silva FP, Costa JTA, Kokay L. Ocorrência de faveleira sem espinho no Estado do Ceará, Brasil. Ciência Agronômica, Fortaleza-CE. 1974;4:51-5.

9. Arriel EF, Bakke AO, Silva APB. Estimativa da herdabilidade em jurema-preta (Mimosa hostilis) para a característica acúleos. In:41º Congresso Nacional de Genética; Caxambu/MG. Rev Bras de Genética. 1995;18:129.

10. Lorenzi H. Arvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2. ed. Nova Odessa: Editora Plantarum; 1998.

11. Morais EA. Proteínas da Semente de Favela (Cnidosculus phyllacanthus, Pax & K. Hoffm) [dissertação de mestrado]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará; 1978.

12. FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAO Estatistical Data base2006. Disponível em: www.fao.org/. Acesso em 12/02/2007.

13. AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis. Washington; 2000.

14. Gornall AG, Bordawill CS, David MM. The determination of protein by the biuret reaction. J Biology Chem. 1949;177:751-80.

15. McWatters KH, Holmes MR. Influence of moist heat on solubility and emulsification properties of soy and peanut flours. J Food Sci. 1979;44:774-6.

16. Laemmli UK. Cleavage of structural proteins during the assembly of the head of the bacteriophage t4. Nature. 1970;227:689-95.

17. Dua S, Mahajan A, Mahajan A. Improvement of functional properties of rapeseed (Brassica campestris Var. Toria) preparations by chemical modification. J Agric Food Chem. 1996;44:706-10.

18. SPSS. Inc. 11.0 for Windows [Computer program]; LEAD Technologies SPSS Inc.; Chicago, EUA, 2001.

19. Moura Fé JA, Holanda LFF, Martins CB, Maia GA. Estudos tecnológicos da faveleira (Cnidoscolus phyllacanthus (Mart) Pax et Hoffm). Ciência Agronômica, Fortaleza–CE. 1977;7:33-7.

20. Lourenço KDS. Estudo comparativo parcial das características lipídica, e protéicas, determinação de fatores antinutricionais em sementes de duas cultivares de canola (Brassica napus, L). 2004. [dissertação de mestrado]. João Pessoa (PB): Universidade Federal da Paraíba; 2004.

21. Ramos CMP, Bora PS. Functional characterization of acetylated brazil nut (bertholletia excelsa hbk) kernel globulin. Ciênc Tecnol Alim. 2004;24:134-8.

22. Sze-Tao KWC, Sathe SK. Functional properties and in vitro digestibility of almond (Prunus dulcis L.) protein isolate. Food Chem. 2000;69:153.

Downloads

Publicado

2010-02-01

Como Citar

1.
Cavalcanti MT, Bora PS. Análise das proteínas e estudo reológico dos isolados proteicos das amêndoas da faveleira (Cnidosculus phyllacanthus (Mart.) Pax. et K. Hoffm.) com e sem espinhos. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de fevereiro de 2010 [citado 28º de fevereiro de 2024];69(2):243-51. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32663

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL