Conformidade da rotulagem de repositores hidroeletrolíticos prontos para consumo de marcas nacionais em relação à legislação brasileira

Autores

  • Ângela Antunes Silva Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, MG
  • Carolina Gomes da Rocha Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, MG
  • Marcelo Antônio Morgano Instituto de Tecnologia de Alimentos, Centro de Ciência e Qualidade de Alimentos, Campinas, SP
  • Niurka Maritza Almeyda Haj-Isa Faculdade de Americana, Americana, SP
  • Késia Diego Quintaes Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Nutrição, Ouro Preto, MG

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2009.v68.32729

Palavras-chave:

sódio, hidratação, exercício, rotulagem nutricional

Resumo

O comércio de alimentos para praticantes de atividade física, incluindo os repositores hidroeletrolíticos (RHE),está em expansão, necessitando de fiscalização sobre sua composição e rotulagem nutricional. Este trabalho objetivou avaliar os rótulos de RHE nacionais prontos para consumo, comercializados em hipermercados de Belo Horizonte (MG) e de Campinas (SP), analisando sua conformidade em relação às legislações vigentes do Brasil. Foram determinados os teores de sódio e potássio por espectrometria de emissão e de cloreto pelo método de Mohr, em 44 amostras de RHE de 4 marcas. Todas as marcas apresentaram informação insuficiente, infringindo a RDC259/2003 e ausência da indicação quantitativa do conteúdo líquido em cor contrastante, contrapondo a Portaria157/2002. Os rótulos ilegíveis das marcas C e D apresentaram não conformidade às Portarias 222/98 e 29/98, respectivamente. Houve diferença estatisticamente significativa (p<0,05) entre o teor de pelo menos um eletrólito calculado e o valor declarado no rótulo, sendo que em 61,4% das amostras o teor mensurado diferiu em ± 20% do valor rotulado, não satisfazendo assim a RDC 360/2003 da ANVISA. Os teores dos eletrólitos variaram entre 33,3-102,7 mg/200mL para sódio; 21,6-101,4 mg/200mL para potássio e 49,8-125,12 mg/200mL para cloreto, valores que podem contribuir para hiponatremia. Concluiu ser necessária revisão das formulações e rótulos pelos fabricantes, assim como a fiscalização pelos órgãos competentes, visando garantir a funcionalidade dos RHE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Casa DJ, Armstrong LE, Hillman SK, Montain SJ, Reiff RV, Rich BS, et al. National Athletic Trainer’s Association Position Statement (NATA): Fluid replacement for athletes. J Athl Train. 2000; 35: 212-24.

2. Vimieiro-Gomes AC, Rodrigues LOC. Avaliação do estado de hidratação dos atletas, estresse térmico do ambiente e custo calórico do exercício durante sessões de treinamento em voleibol de alto nível. Rev Paulista Edu Física. 2001; 15:201-11.

3. Armstrong LE, Soto JAH, Hacker FT, Casa DJ, Kavouras SA, Maresh CM. Urinary indices during dehydration, exercise and rehydratation. Int J Sport Nutr. 1998; 8:345-55.

4. Machado-Moreira CA, Vimieiro-Gomes AC, Silami-Garcia E, Rodrigues LOC. Hidratação durante o exercício: a sede é sufi ciente? Rev Bras Med Esporte. 2006; 12:405-9.

5. Koulmann N, Melin B, Jimenez C, Charpenet A, Savourey G, Bittel J. Effects of different carbohydrate-electrolyte beverages on the appearance of ingested deuterium in body fl uids during moderate exercise by humans in the heat. Eur J Appl Physiol. 1997; 75:525-13.

6. Armstrong LE, Maresh CM, Gabaree CV, Hoffman JR, Kavouras SA, Kenefi ck RW, et al. Thermal and circulatory responses during exercise: effects of hypohydration, dehydration, and water intake. J Appl Physiol. 1997; 2: 2028-35.

7. Davis JM, Lamb DR, Pate RR, Slentz CA, Burgess WA, Bartoli WP. Carbohydrate-electrolyte drinks: effects on endurance cycling in the heat. Am J Clin Nutr. 1988; 48:1023-30.

8. Davis MJ, Burgess WA, Slentz CA, Bartoli WP. Fluid availability of sports drinks differing in carbohydrate type and concentration. Am J Clin Nutr. 1990; 51:1054-7.

9. Borges RF, Sarmento RM, Ferreira TAPC. Conformidade da rotulagem de alimentos para praticantes de atividade física segundo a legislação brasileira. Hig Aliment. 2005; 15:127-35.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n°.222 de 24 de março de 1998. Aprova o Regulamento Técnico referente a Alimentos para Praticantes de Atividade Física. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 1998 25 mar. Seção 1.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n°.27 de 13 de janeiro de 1998. Aprova o Regulamento Técnico referente à Informação Nutricional complementar. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 1998 16 jan; (11-E):1; Seção 1.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n°.29 de 13 de janeiro de 1998. Aprova o Regulamento Técnico referente a Alimentos para Fins Especiais. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 1998 15 jan; (10-E):8; Seção 1.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Resolução RDC n.340, de 13 de dezembro de 2002. Determina que as empresas fabricantes de alimentos que contenham na sua composição o corante tartrazina (INS 102) devem obrigatoriamente declarar na rotulagem, na lista de ingredientes, o nome do corante tartrazina por extenso. Diário Ofi cial[da] República Federativa do Brasil. 2002 18 dez; Seção 1.

14. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa Resolução RDC n° 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 2002 23 set; (184):33; Seção 1.

15. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa Resolução RDC n°.359, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fi ns de rotulagem nutricional. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 2003 26 dez; (251):28; Seção 1.

16. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa Resolução RDC n°.360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 2003 26 dez; (251):33; Seção 1.

17. Brasil. Congresso Nacional. Lei n.10.674, 16 de maio de 2003. Obriga que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 2003 19 maio; (94):1; Seção 1.

18. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – Inmetro. Portaria nº 157, de 19 de agosto de 2002. aprova o Regulamento Técnico Metrológico estabelecendo a forma de expressar o conteúdo líquido a ser utilizado nos produtos pré-medidos. Diário Ofi cial [da] República Federativa do Brasil. 2002 20 ago; (EI):161; Seção 1.

19. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. http://www.anvisa.gov.br/ [Acesso em 30 de julho de 12007].

20. Galeazzi MAM, Domene SMA, Sichieri, R. Estudo multicêntrico sobre consumo alimentar. Cad. Debate. 1997; Volume especial: 1-62.

21. Morgano MA, Queiroz SCN, Ferreira M. Determinação dos teores de minerais em sucos de frutas por espectrometria de emissão óptica em plasma indutivamente acoplado (ICP OES). Ciênc Tecnol Aliment. 1999; 19: 344-8.

22. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo - Brasil). Métodos físico-químicos para análise de alimentos: normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 4ª ed. Brasília (DF): ANVISA; 2005.

23. Ferreira AB, Lanfer-Marquez UM. Legislação brasileira referente à rotulagem nutricional de alimentos. Rev Nutr. 2007; 20: 83-93.

24. American College of Sports Medicine – Position Stand: exercise and fl uid replacement. Med Sci Sports Exerc. 1996; 29: 1-11.

25. Wouassi D, Mercier J, Ahmaidi S, Brun JF, Mercier B, Orsetti A, et al. Metabolic and hormonal responses during repeated buts of brief and intense exercise: effects of pre-exercise glucose ingestion. Eur J Appl Physiol. 1997; 76: 197-202.

26. Petrus RR, Faria JAF. Processamento e avaliação de estabilidade de bebida isotônica em garrafa plástica. Ciênc Tecnol Aliment. 2005; 25: 518-24.

27. Amendola C, Iannilli I, Restuccia D, Santini I, Vinci G. Multivariate statistical analysis comparing sport and energy drinks. Innovative Food Sci Emerging Technol. 2004; 5: 263-7.

28. Karremans JC, Stroebe W, Claus J. Beyond Vicary’s fantasies: The impact of subliminal priming and brand choice. J Experimen Social Psychol. 2006; 42: 792-8.

29. Hirschbruch MD, Fisberg M, Mochizuki L. Consumo de suplementos por jovens frequentadores de academias de ginástica em São Paulo. Rev Bras Med Esporte 2008; 14: 539-43.

30. Noakes DT. Overconsumption of fl uids by athletes. BMJ 2003; 327: 113-4.

31. ADA Reports. Position of the American Dietetic Association, Dietitians of Canada and American College of Sport Medicine: Nutrition and athletic performance. J Am Diet Ass. 2000; 100: 1543-56.

32. Sena LV, Maranhão HS, Morais MB. Avaliação do conhecimento de mães sobre terapia de reidratação oral e concentração de sódio em soluções sal-açúcar de preparo domiciliar. J Pediatr. 2001; 77: 481-6.

33. Hornung TS. Hyponatremia after rehydratation with sports drinks. Lancet 1995; 345: 1243.

Downloads

Publicado

2009-04-01

Como Citar

Silva, Ângela A., Rocha, C. G. da, Morgano, M. A., Haj-Isa, N. M. A., & Quintaes, K. D. (2009). Conformidade da rotulagem de repositores hidroeletrolíticos prontos para consumo de marcas nacionais em relação à legislação brasileira. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 68(2), 289–298. https://doi.org/10.53393/rial.2009.v68.32729

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)