Elevados teores de sódio em alimentos industrializados consumidos pela população brasileira

Autores

  • Márcia Liane Buzzo Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Maria de Fátima Henriques Carvalho Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Edna Emy Kumagai Arakaki Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Richard Matsuzaki Instituto Adolfo Lutz, Centro de Contaminantes, Núcleo de Contaminantes Inorgânicos, São Paulo, SP
  • Daniel Granato Instituto Adolfo Lutz, Centro de Materiais de Referência, Núcleo de Análise e Tratamento de Dados, São Paulo, SP
  • Carmen Silvia Kira Instituto Adolfo Lutz, Centro de Alimentos, Núcleo de Química, Física e Sensorial, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.18241/0073-98552014731587

Palavras-chave:

sódio, alimentos industrializados, espectrometria de emissão atômica com plasma de argônio acoplado indutivamente (ICP OES)

Resumo

O sódio é um mineral essencial para a regulação dos fluidos intra e extracelulares, e atua na manutenção da pressão sanguínea. Dieta inadequada com ingestão de sal em grande quantidade pode causar doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) como hipertensão arterial, enfermidades cardiovasculares, acidentes cerebrovasculares, entre outras; portanto, diminuir o consumo desse mineral pode reduzir os fatores de riscos de tais enfermidades. No presente estudo foi determinado o teor de sódio em diferentes tipos de alimentos industrializados consumidos pela população brasileira: salgadinho à base de milho, biscoito, hambúrguer, salsicha e macarrão instantâneo, utilizando-se a técnica de espectrometria de emissão atômica com plasma de argônio acoplado indutivamente (ICP OES). Os elevados teores de sódio detectados nos produtos revelaram a importância de efetuar a implementação e manutenção de programas de monitoramento de alimentos no país, com o fornecimento de ferramenta para auxiliar as indústrias produtoras no controle de adição de sódio nos produtos industrializados. Ademais, este recurso poderá dispor de dados para recomendar às autoridades competentes o estabelecimento em dispositivo legal de valores restritivos de adição de sódio nos processamentos desses alimentos, para garantir a oferta de alimentos mais saudáveis à população, com vistas à promoção de adequada saúde pública.

Referências

1. Costa FP, Machado SH. O consumo de as e de alimentos ricos em sódio pode influenciar na pressão arterial das crianças? Cienc Saúde Coletiva.2010;15(Supl. 1):1383-9.

2. Neumann AICP, Shirassu MM, Fisberg RM. Consumo de alimentos de risco e proteção para doenças cardiovasculares entre funcionários públicos. Rev Nutr.2006;19(1):19-28.

3. Nishimura RY, Damião R, Gimeno SGA, Ferreira SRG, Sartorelli DS. Grupos de alimentos para investigação de risco para diabetes tipo 2 e doenças associadas. Rev Bras Epidemiol.2011;14(3):531-6.

4. Fernandes PS, Bernardo CO, Campos RMMB, Vasconcelos FAG. Evaluating the effect of nutritional education on the prevalence of overweight/obesity and on foods eaten at primary schools. J Pediat. 2009;85(4):315-21.

5. Dishchekenian VRM, Escrivão MAMS, Palma D, Ancona-Lopez F, Araujo EAC, Taddei JAAC. Padrões alimentares de adolescentes obesos e diferentes repercussões metabólicas. Rev Nutr.2011;24(1):17-29.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Doenças crônicas não transmissíveis. [acesso 2013 Jun 21]. Disponível em: [http://www.portal.saude.gov.br/portal/saúde/profissional/visualizar_texto.cmf ?idtxt=31877&janela=1].

7. Espriela MC, Palma GM. Fuentes Alimentarias de sal/sodio en mujeres, Costa Rica. Rev Costarric Salud Publica.2011;20:90-6.

8. Nilson EAF, Jaime PC, Resende DO. Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados. Rev Panam Salud Publica.2012;32(4):287-92.

9. Levings J, Cogswell M, Curtis CJ, Gunn J, Neiman A, Angell SY. Progress toward sodium reduction in the United States. Rev Panam Salud Publica.2012;32(4):301-6.

10. Organização Mundial da Saúde - OMS. Ingesta de sodio en adultos y niños. [acesso 2013 Jun 21]. Disponível em: [http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85224/1/WHO_NMH_NHD_13.2_spa.pdf].

11. Bureau of Nutritional Sciences. Guidance for the Food Industry on reducing sodium in processed foods. Guidance for the food industry on reducing sodium in processed foods, 2012. Canadá. [acesso 2013 Jun 26]. Disponível em: [http://www.gftc.ca/knowledge-library/file.aspx?id=5895745d-8ea5-47b2-9bf1-e41e3b20b570].

12. Araujo MC, Bezerra IN, Barbosa FS, Junger WL, Yokoo EM, Pereira RA, et al. Consumo de macronutrientes e ingestão inadequada de micronutrientes em adultos. Rev Saúde Pública.2013;47(1 Supl):177S-89S.

13. Godoy FC, Andrade SC, Morimoto JM, Carandina L, Goldbaum M, Barros MBA, et al. Índice de qualidade da dieta de adolescentes residentes no distrito do Butantã, município de São Paulo, Brasil. Rev Nutr.2006;19(6):663-71.

14. Veiga GV, Costa RS, Araujo MC, Souza AM, Bezerra IN, Barbosa FS. Inadequação do consumo de nutrientes entre adolescentes brasileiros. Rev Saúde Pública. 2013;47(1 Supl):212S-21S.

15. Landeta MC, Pighín AF, Marchesich C, Cabrera MM, Marchini M. Composición centesimal y contenido de minerales en comidas rápidas: hamburguesas y salchichas de viena de primeras marcas crudas y cocidas. Diaeta.2012;30(139)18-24.

16. Pereira RA, Andrade RG, Sichieri R. Mudanças no consumo alimentar de mulheres do Município do Rio de Janeiro, Brasil, 1995-2005. Cad Saúde Pública 2009;5(11):2419-32.

17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares. [acesso 2013 Jun 21]. Disponível em: [http://www.ibge.gov.br/home/xml/pof_2008_2009.shtm].

18. Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação – ABIA. Cenário do consumo de sódio no Brasil. [acesso 2013 Set 19]. Disponível em: [http://www.abia.org.br/sodio/perspectivaindustria.asp].

19. Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias e Pão e Bolos Industrializados. – ABIMA. [acesso 2013 Set 19]. Disponível em: [http://www.abima.com.br/estatistica_massa.php].

20. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de limentação e Nutrição – PNAN. [acesso 2013 Jun 21]. Disponível em: [http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/2d_081111.pdf ].

21. Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – INMETRO. Orientação sobre validação de método analítico. DOQ-CGCRE-008 – revisão 04. 2011. Disponível em: [http://www.inmetro.gov.br/sidoq/arquivos/Cgcre/DOQ/DOQ-Cgcre-8_04.pdf ].

22. Philippi ST. Tabela de Composição de Alimentos-Suporte para decisão nutricional. 3ª ed. Barueri: Manole; 2012.

23. Franco G. Tabela de composição química dos alimentos. 9ª ed. Ed. Atheneu, 2012.

24. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. 4ª ed. 2011. [acesso 2013 Jul 10]. Disponível em: [http://www.unicamp.br/nepa/taco/tabela.php?ativo=tabela].

25. Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge – INSA. 2006. [acesso 2013 Jul 10]. Disponível em: [http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/Paginas/TabelaAlimentos.aspx].

26. Tavares BM, Veiga GV, Yuyama LKO, Bueno MB, Fisberg RM, Fisberg M. Estado nutricional e consumo de energia e nutrientes de pré-escolares que frequentam creches no município de Manaus, Amazonas: existem diferenças entre creches públicas e privadas? Rev Paul Pediatr.2012;30(1):42-50.

27. Matuk TT, Stancari PCS, Bueno MB, Zaccarelli EM. Composição de lancheiras de alunos de escolas particulares de São Paulo. Rev Paul Pediatr.2011;29(2):157-63.

28. Assumpção D, Marilisa Barros BA, Fisberg RM, Carandina L, Goldbaum M, Cesar CLG. Qualidade da dieta de adolescentes: estudo de base populacional em Campinas, SP. Rev Bras Epidemiol.2012;15(3):605-16.

29. Marques AA, Camara SAV. Fator de risco para hipertensão: teor de sódio nos alimentos. [acesso 2013 Jul 10]. Disponível em: [http:/www.portal.estacio.br/media/4036280/fator de risco para hipertensão_teor de sódio nos alimentos. pdf ].

30. He FJ, MacGregor GA. A comprehensive review on salt and health and current experience of worldwide salt reduction programmes. J Hum Hypertens.2009;23:363-84.

31. Sanz-Valero J, Sebastián-Ponce MI, Wanden-Berghe C. Intervenciones para reducir el consumo de sal a través del etiquetado. Rev Panam Salud Publica.2012;31(4):332-7.

32. Crovetto MM, Durán TM, Guzmán RM, Miranda CH. Estudio descriptivo de la frecuencis y duración de a publicidade alimentaria emitida em la programación de canales de televisión associados a Anatel. Rev Chil Nutr.2011;38(30):290-9.

33. Ferrante D, Apro N, Ferreira V, Virgolini M, Aguilar V, Sosa M, et al. Feasibility of salt reduction in processed foods in Argentina. Rev Panam Salud Publica.2011;29(2):69-75.

34. Barquera S, Appel LJ. Reduction of sodium intake in the Americas: a public health imperative. Rev Panam Salud Publica.2012;32(4):253-4.

35. Levings J, Cogswell M, Curtis CJ, Gunn J, Neiman A, Angell SY. Progress toward sodium reduction in the United States. Rev Panam Salud Publica.2012;32(4):301-6.

36. Blanco-Metzler A, Montero-Campos MÁ, Núñez-Rivas H, Gamboa-Cerda C, Sánchez G. Avances en la reducción del consumo de sal y sodio en Costa Rica. Rev Panam Salud Publica.2012;32(4):316-20.

37. Nilson EAF, Jaime PC, Resende DO. Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados. Rev Panam Salud Publica.2012;34(4):287-92.

Publicado

2015-10-01

Como Citar

Buzzo, M. L., Carvalho, M. de F. H., Arakaki, E. E. K., Matsuzaki, R., Granato, D., & Kira, C. S. (2015). Elevados teores de sódio em alimentos industrializados consumidos pela população brasileira. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 73(1), 32–39. https://doi.org/10.18241/0073-98552014731587

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>