Detecção de Leishmania (Viannia) braziliensis por PCR em amostras coletadas por raspagem de bordas de lesões de pacientes de uma área endêmica

Autores

  • Aparecida Helena de Souza Gomes Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Sorocaba, São Paulo, SP
  • Izabel Madornado Armelin Instituto Adolfo Lutz, Centro de Laboratório Regional de Sorocaba, São Paulo, SP
  • Vera Lucia Pereira-Chioccola Instituto Adolfo Lutz, Centro de Parasitologia e Micologia, Laboratório de Biologia Molecular de Parasitas, São Paulo, SP

Palavras-chave:

Leishmaniose cutânea americana, Leishmania (Viannia) braziliensis, PCR

Resumo

Leishmaniose tegumentar americana (LTA) é uma doença infecciosa causada por Leishmania. O diagnóstico é realizado em material de biópsias das lesões, cuja coleta é feita por médicos. Para simplificar a coleta de amostra, este estudo propõe um procedimento minimamente invasivo, realizando-se a raspagem das bordas da lesão. O diagnóstico por PCR foi comparado com o exame microscópico,analisando-se 28 amostras coletadas de pacientes com suspeita de LTA. Cada amostra, coletada da borda da lesão com um palito estéril, foi dividida em duas alíquotas. Uma foi analisada pelo exame microscópico direto e a outra pela técnica de PCR, utilizando-se dois pares de oligonucleotídeos (um específico para gênero Leishmania, e outro para L. (V.) braziliensis). Das 28 amostras, 27 (96,43 %) apresentaram resultados concordantes em ambas as metodologias (oito positivas e 20 negativas). A PCR em material de raspado da borda de lesões foi mais sensível quando comparado com o exame direto. A metodologia de PCR apresenta vantagens para: (i) determinar as espécies de Leishmania; (ii) oferecer um meio alternativo de coleta de amostras, quando os serviços de saúde não têm o profissional autorizado para coletar o material de biópsia; (iii) propor um procedimento minimamente invasivo de coleta de amostra biológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. World Health Organization - WHO. Leishmaniasis: Fact sheet N° 375, updated January 2014. WHO; 2015. [Accessed September 2015]. Available at: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs375/en/index.html.

2. World Health Organization – WHO. Technical Report series. Control of the leishmaniases. Report of a meeting of the WHO. Expert Committee on the Control of Leishmaniases, Geneva, 22–26 March 2010; 949: 1–186. [Accessed September 2015]. Available at: http://whqlibdoc.who.int/trs/WHO_TRS_949_eng.pdf

3. Ministério da Saúde - MS. Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar americana. 2. ed., Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. [Accessed September 2015]. Available at: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_leishmaniose_tegumentar_americana.pdf

4. Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo – CVE. [Accessed September 2015]. Available at: ftp://ftp.cve.saude.sp.gov.br/doc_tec/zoo/LTA9806_SH.pdf

5. Silva RA, Mercado VT, Henriques LF, Ciaravolo RM, Wanderley DM. Magnitude and trend of American tegumentary leishmaniasis in the State of São Paulo, Brazil, 1975 to 2008. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(3):617-26. [DOI:10.1590/S1415.790X2012000300015].

6. Goto H, Lauletta Lindoso JA. Cutaneous and mucocutaneous leishmaniasis. Infect Dis Clin North Am.2012;26(2):293-307. [DOI: 10.1016/j.idc.2012.03.001].

7. Gomes AHS, Ferreira IM, Lima ML, Cunha EA, Garcia AS, Araujo MF, et al. PCR identification of Leishmania in diagnosis and control of canine leishmaniasis. Vet Parasitol. 2007;144(3-4):23441. [DOI:10.1016/j.vetpar.2006.10.008]

8. Gomes AHS, Armelin IM, Menon SZ, Pereira-Chioccola VL. Leishmania (V.) braziliensis: detection by PCR in biopsies from patients with cutaneous leishmaniasis. Exp Parasitol. 2008;119(3):319-24. [DOI: 10.1016/j.exppara.2008.02.014].

9. Passos VM, Fernandes O, Lacerda PA, Volpini AC, Gontijo CM, Degrave W, et al. Leishmania (Viannia) braziliensis is the predominant species infecting patients with American cutaneous leishmaniasis in the state of Minas Gerais, Southeast Brazil. Acta Trop. 1999;72(3):251–8. [DOI:10.1016/S0001-706X998000100-4].

10. Harris E, Kropp G, Belli A, Rodriguez B, Agabian N. Single-step multiplex PCR assay for characterization of New World Leishmania complexes. J Clin Microbiol.1998;36(7):1989–95.

11. Lee CN, Cavanagh HM, Lo ST, Ng CS. Human papillomavirus infection in non-neoplastic uterine cervical disease in Hong Kong. Br J Biomed Sci. 2001;58 (2):85-91.

12. Isaza DM, Arboleda M, Restrepo M, McCann SH, Barker DC. Validation of the polymerase chain reaction for the diagnosis of human cutaneous leishmaniasis in north-west Colombia. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2002;96Suppl1:S165-8. [DOI: 10.1016/S0035-9203(02)90043-X].

13. Venazzi EA, Roberto AC, Barbosa-Tessmann IP, Zanzarini PD, Lonardoni MV, Silveira TG. Polymerase chain reaction with lesion scrapping for the diagnosis of human American tegumentary leishmaniasis. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2006;101(4):427-30. [DOI: 10.1590/S0074-02762006000400014].

Downloads

Publicado

2016-08-26

Como Citar

Gomes, A. H. de S., Armelin, I. M., & Pereira-Chioccola, V. L. (2016). Detecção de Leishmania (Viannia) braziliensis por PCR em amostras coletadas por raspagem de bordas de lesões de pacientes de uma área endêmica. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 74(4), 437–441. Recuperado de https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/33497

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO BREVE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)