Queijo Minas Frescal: avaliação da Qualidade e Conformidade com a Legislação
pdf

Palavras-chave

queijo Minas Frescal
qualidade
análise microbiológica
análise físico-química
legislação

Como Citar

1.
Brigido BM, Freitas VP, Mazon EM, Pisani B, Prandi M Ângela G, Passos MHC. Queijo Minas Frescal: avaliação da Qualidade e Conformidade com a Legislação. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 2004 [citado 14º de julho de 2024];63(2):177-85. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/34845

Resumo

O queijo Minas Frescal é um dos produtos de laticínios mais populares do Brasil. Este trabalho teve como objetivo avaliar os resultados obtidos nas análises de amostras de queijos Minas Frescal, verificando sua conformidade com a legislação, antes e após a publicação da Instrução Normativa nº 4/2004. Foram avaliadas 22 amostras, de diferentes marcas comerciais, com registro no Serviço de Inspeção Federal (SIF). As amostras foram colhidas pelas equipes de Vigilância Sanitária em estabelecimentos varejistas de municípios abrangidos pela Direção Regional de Saúde (DIR) de Campinas, de Piracicaba e de São João da Boa Vista, em atendimento ao Programa Paulista 2002 e Programa Paulista Biênio 2003-2004. A determinação do teor de umidade e de gordura no extrato seco foi realizada segundo metodologia descrita pelo IAL (1985), as análises microbiológicas (coliformes a 45°C, estafilococos coagulase positiva, Salmonella sp e Listeria monocytogenes) foram efetuadas conforme preconizado pela APHA (1992) e a análise da rotulagem foi realizada com base na Portaria nº 371/1997, do MAA, verificando se constava na lista de ingredientes a presença de aditivos não permitidos (ácido lático). Os resultados obtidos, considerando-se a legislação em vigor no período de realização do Programa Paulista, demonstraram que 68,2% das amostras foram  condenadas...

https://doi.org/10.53393/rial.2004.63.34845
pdf

Referências

1. American Public Health Association (APHA). Compendium for the microbiological examination of foods. Vanderzant, C., Splittstoesser, D.F. (Ed.), 3 ed. Washington, DC., 1992.

2. Araújo, V.S. et al. Isolamento e identificação de enteropatógenos e Staphylococcus aureus em queijo Minas frescal. Pesquisa de sorogrupos de Escherichia coli enteropatogênica clássica e perfil de resistência a

antimicrobianos. In: XX Congresso Brasileiro de Microbiologia, 1999, p.378.

3. Ávila, C.R.; Gallo, C.R. Pesquisa de Salmonella spp. em leite cru, leite pasteurizado tipo C e queijo Minas Frescal comercializados no município de Piracicaba - SP. Scientia Agricola. [http://www.scielo.br]. 18 jun. 2004.

4. Bille, J. Epidemiology of human listeriosis in Europe with special reference to the Swiss outbreak. In: Miller, A.J.L.; Somkuti, G.A. Foodborne Listeriosis. New York: Elsevier, 1990. Chap. 12, p.71-4.

5. Brasil, Leis, decretos, etc. Portaria nº 146/96 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Aprova os regulamentos técnicos de identidade e qualidade dos produtos lácteos. [http://oc4j.agricultura.gov.br/agrolegis/do/consultaLei?op=viewTextual&código=1218]. 21 jun. 2004.

6. Brasil, Leis, decretos, etc. Portaria nº 352/97 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Aprova o regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade de queijo Minas Frescal. [http://oc4j.agricultura.gov.br/agrolegis/do/consultaLei?op=viewTextual&código=1220]. 21 jun. 2004.

7. Brasil, Leis, decretos, etc. Portaria nº 371/97 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Aprova o regulamento técnico para rotulagem de alimentos embalados. [http://oc4j.agricultura.gov.br/

agrolegis/do/consultaLei?op=viewTextual&codigo=3195]. 27 jun. 2004.

8. Brasil, Leis, decretos, etc. Resolução RDC nº 12/2001 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Aprova o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. [http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=144]. 21 jun. 2004.

9. Brasil, Leis, decretos, etc. Instrução Normativa nº 4/2004 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Inclui o termo “Muito” na expressão “Alto Umidade” nos itens 2.2 (Classificação), 4.2.3 (Requisitos Físico-Químicos) e 5.1 (Aditivos), no regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade do queijo Minas frescal. [http://oc4j.agricultura.gov.br/agrolegis/do/consultaLei?op=viewTextual&código=5974]. 21 jun. 2004.

10. Campos, A.C. Efeito do uso combinado de ácido lático com diferentes proporções de fermento lático mesofílico no rendimento, proteólise, qualidade microbiológica e propriedades mecânicas do queijo Minas Frescal. Campinas, 2000. [Dissertação de Mestrado – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas].

11. Carvalho, J.D.G. Avaliação da qualidade de queijos tipo Minas Frescal elaborados por diferentes processos tecnológicos e comercializados em Campinas-SP. Campinas, 2003. [Dissertação de Mestrado – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas].

12. Casarotti, V.T.; Gallo, C.R.; Camargo, R. Ocorrência de Listeria monocytogenes em leite cru, leite pasteurizado tipo C e queijo Minas Frescal comercializados em Piracicaba-SP. Archivos LatinoAmericanos de Nutricion, 44(3): 158-63, 1994.

13. Center for Disease Control and Prevention (CDC). Epidemiologic notes and reports listeriosis outbreak associated with Mexican-style cheese - California. Morbidity and Mortality Weekly Report, 34(24): 357-59, 1985.

14. Cerqueira, M.M.O.P. et al. Surto epidêmico de toxinfecção alimentar envolvendo queijo tipo Minas frescal em Pará de Minas/MG. In: XIII Congresso Nacional de Laticínios, 1995, p.95-7.

15. Destro, M.T.; Serrano, A.M.; Kabuki, D.Y. Isolation of Listeria species from some brazilian meat and dairy products. Food Control, 2(2): 110-2, 1991.

16. Dias, R.S. et al. Surtos de toxinfecção alimentar provocados por queijos comercializados em Minas Gerais, no período de 1992 a 1994. In: XIII Congresso Nacional de Laticínios, 1995, p.143-4.

17. Dornellas, J.R. Efeito do tipo de coagulante e acidificante no rendimento, proteólise e “shelf life” do queijo Minas Frescal. Campinas, 1997. [Dissertação de Mestrado – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas].

18. Furtado, M.M.; Lourenço Neto, J.P.M. Queijo Minas Frescal. In: Tecnologia de Queijos. Manual Técnico para a Produção Industrial de Queijos. 1ª ed. São Paulo: Editora Dipemar; 1994. p.73-5.

19. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO). Leite Tipo “B”, Tipo “C”, UHT e Queijo Minas Frescal e Prato. 1999. [http//www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/leitequeijo.asp]. 06 ago. 2004.

20. Instituto Adolfo Lutz (IAL). Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v.1: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3ª ed. São Paulo, IMESP, 1985.

21. Isepon, J.S.; Santos, P.A.; Silva, M.A.P. Avaliação microbiológica de queijos Minas Frescal comercializados na cidade de Ilha Solteira-SP. Hig. Aliment., 17(106): 89-94, 2003.

22. Magalhães, N.A. et. al. Avaliação físico-química e microbiológica do leite pasteurizado integral/fazenda comercializado em Viçosa. Rev.a Inst. Latic. “Cândido Tostes”, 50: 3-8, 1995.

23. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa Gado de Leite. Tabela 04.04. Produção brasileira de queijos sob inspeção federal – 1993/2000. [http://www.cnpgl.embrapa.br/produção/04industria/tabela04.04.php]. 01 jul. 2004.

24. Naldini, M.C.M. Comportamento diferencial de Listeria monocytogenes em queijos Minas frescal elaborados pelo método convencional e por acidificação direta. Campinas, 2002. [Dissertação de Mestrado – Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas].

25. Oliveira, A.N. Bactérias do gênero Listeria em leite e derivados no comércio varejista de Goiânia - Goiás. Belo Horizonte, 1993. [Dissertação de Mestrado - Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais].

26. Oliveira, C.A.F. et al. Características físico-químicas e microbiológicas de queijos Minas Frescal e mussarela, produzidos em algumas fábricas de laticínios do Estado de São Paulo. Hig. Aliment., 12(55): 31-5, 1998.

27. Omairi, L. Avaliação da qualidade e identidade do queijo Minas frescal comercializado na cidade de Campinas-SP. Campinas, 2002. [Dissertação de Mestrado – Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas].

28. Peresi, J.T.M. et al. Queijo Minas tipo Frescal artesanal e industrial: qualidade microscópica, microbiológica e teste de sensibilidade aos agentes antimicrobianos. Hig. Aliment., 15(83): 63-70, 2001.

29. Pereira, M.L. et al. Enumeração de coliformes fecais e presença de Salmonella sp. em queijo Minas. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., 51(5): 427-31, 1999.

30. Pinto, P.S.A.; Germano, M.I.S.; Germano, P.M.L. Queijo Minas: problema emergente da Vigilância Sanitária, Hig. Aliment., 10(44): 22-7, 1996.

31. Sá, M.A.R. et al. Perfil microbiológico do queijo Minas Frescal comercializado no município de Uberlândia - MG. Hig. Aliment., 17(104/105): 169-70, 2003.

32. Sabioni, J.G. Intoxicação alimentar por queijo Minas contaminado com Staphylococcus aureus. Rev. Saúde Pública, 22(5): 458-61, 1988.

33. São Paulo, Leis, decretos, etc. Portaria CVS 7/2002 do Centro de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde. Torna público o Programa de Análise Fiscal de Alimentos – Programa Paulista 2002. Diário Oficial, São Paulo, 15 maio 2002. Seção I, p. 17-20.

34. São Paulo, Leis, decretos, etc. Portaria Conjunta CVS-IAL 1/2003 do Centro de Vigilância Sanitária e Instituto Adolfo Lutz da Secretaria de Estado da Saúde. Institui o Programa de Análise Fiscal de Alimentos do Estado de São Paulo, denominado Programa Paulista Biênio 2003-2004 (PP0304). Diário Oficial, São Paulo, 29 nov. 2003. Seção I, p. 36-49.

35. Silva, N.; Junqueira, V.C.A.; Silveira, N.F.A. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos, 2ª ed. São Paulo: Livraria Varela, 2001, 317p.

36. Tadini,C.C; Curi,F.; Cardoso, A. M. Queso Minas Frescal com caseinato de cálcio: uma elaboracion alternativa de producion de queso com menos grasa. Alimentaria, 35:83-8,1997.

37. Tamada, R.Y. et al. Estudo microbiológico comparativo entre queijos do tipo Minas frescal industrializados e artesanais, comercializados na região de Botucatu, SP. In: V Congresso Latino-Americano de Microbiologia e Higiene de Alimentos, 1998, p.116.

38. Van Dender, A.G.F. ; Moreno, I. Estudos de processos alternativos para fabricação de queijo Minas Frescal . Rev. Inst. Lat. Cândido Tostes, Juiz de Fora, v.47, n.279/281, p.76-77, 1992.

39. Vieira, M.A.S.V. Controle de Listeria monocytogenes Scott A em queijo Minas Frescal através de tratamento termoquímico. Campinas, 2000. [Tese de Doutorado - Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2004 Berenice M. Brigido, Valéria P.S. Freitas, Elaine M.A. Mazon, Beatriz Pisani, Maria Ângela G. Prandi, Maria Helena C.R. Passos

Downloads

Não há dados estatísticos.