Composição química e estudo anatômico dos frutos de buriti do Município de Buritizal, Estado de São Paulo

Autores

  • Mário Tavares Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Central, Divisão de Bromatologia e Química
  • Sabria Aued-Pimentel Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Central, Divisão de Bromatologia e Química
  • Leda C. A. Lamardo Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Central, Divisão de Bromatologia e Química
  • Norberto C. Campos Instituto Adolfo Lutz, Laboratório Central, Divisão de Bromatologia e Química
  • Luzia I. F. Jorge Instituto Adolfo Lutz, Laboratório I, Seção de Bromatologia e Química
  • Eduardo Gonzalez Instituto Adolfo Lutz, Laboratório I, Seção de Bromatologia e Química

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2003.62.34904

Palavras-chave:

palmae, buriti, Mauritia flexuosa L., composição química, histologia, ácidos graxos

Resumo

A palmeira buriti é uma das mais importantes espécies nativas com potencial econômico na América Latina, porém pouco pesquisada no Brasil. Assim sendo, foi realizado um estudo histológico de frutos de buriti nativo do município de Buritizal, estado de São Paulo, e a determinação da composição química de sua polpa. O estudo morfo-anatômico foi suficiente para identificar a variedade estudada como Mauritia vinifera Mart., distinguindo-a de outras espécies do mesmo gênero devido ao formato estrobiliforme de seus frutos, muito peculiar. Do ponto-de-vista nutricional, destacaram-se os carboidratos (10,6 a 13,2 g/100 g). A fração oleosa, apesar do baixo teor lipídico (2,7 a 4,7 g/100g), revelou um significativo conteúdo de ácido oléico (72,6 a 74,6% do total de ácidos graxos), semelhante ao azeite de oliva. Os valores obtidos para a vitamina C e cálcio foram compatíveis com os dados da literatura , enquanto que os de pH os superaram. Sugere-se, então, uma exploração racional dessa palmeira na região de origem, devido ao potencial de seus frutos, em especial da polpa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. A biblioteca virtual do estudante brasileiro. Acervo-Frutas no Brasil:buriti. [http://www.bibrvit/buriti.futuro.usp.br/acervo/paradidat/frutas/buriti/buriti.html] 9 janeiro 2001.

2. Aguiar, J. Tabela de composição de alimentos da Amazônia. INPA/CNCS, Manaus, 1998. 4p.

3. American Oil Chemists’ Society. Official methods and recommended practices of the American Oil Chemists’ Society. 4th ed. Champaingn, AOCS, 1990. (AOCS Recommended Practice Cd 1c-85).

4. Brinquedos de miriti. [http://www.cpgp.ufpa.br/gibi/bm.htm] 11 setembro 2003.

5. Base de dados tropical. Municípios do Estado de São Paulo: Buritizal.[http://www.bdt.org.Br/iScan]. 9 janeiro 2001.

6. Brasil. Ministério da Indústria e do Comércio. Secretaria de Tecnologia Industrial. Produção de combustíveis líquidos a partir de óleos vegetais. Brasília, STI/CIT, 1985. cap. 5, p. 135-60. ( Documentos, 16 ).

7. Brasil. Leis, decretos, etc. Portaria n° 33/98 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Diário Oficial, Brasília, 30 mar. 1998. Seç. I, n° 60-E, p. 5-6. Adota os valores constantes das tabelas do anexo desta portaria como níveis de IDR (Ingestão Diária Recomendada) para as vitaminas, minerais e proteínas.

8. Brasil. Leis, decretos, etc. Resolução n° 482/99da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial, Brasília, 13 out. 1999. Seç. I, n° 196-E, p. 82-7. Aprova o regulamento Técnico referente a Óleos e Gorduras Vegetais, constante do anexo desta Resolução. (Anexo 13 – Azeite de oliva).

9. Brazmazon.Buriti.[http://www.brasmazon.com.br/ingles/produtos/oleos/buriti.htm]. 9 janeiro 2001. Tavares, M. et al. - Composição química e estudo anatômico dos frutos de buriti do Município de Buritizal, Estado de São Paulo. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 62(3): 227 - 232, 2003.

10. Cavalcante, P. B. Frutos comestíveis da Amazônia.II. Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, 1974. p. 37-39. ( Publicações avulsas no 27 ).

11. Citybrazil. Números gerais Buritizal. [http://www.citybrasil.com.br/sp/buritizal/]. 15 janeiro 2001.

12. Codex Alimentarius Commission. Fats, oils and related products. 2nd ed. Rome: FAO/WHO, 1993. v. 8, p. 41-7.

13. Contreras-Guzman, E. Determinação de ácido ascórbico (vitamina C ), por redução de íons cúpricos. Quím. Nova,7(2): 60-4, 1984.

14. Corrêa, M. P. Dicionário das plantas úteis do Brasil. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1984. p. 338-40.

15. Cruz, G.L. Dicionário de plantas úteis do Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 3ª ed. 1985. p. 122.

16. Franco, G. Tabela de composição química de alimentos. 8a ed. Rio de Janeiro, São Paulo, Atheneu, 1989. p. 75, 118.

17. Godoy, H.T.; RODRIGUEZ-AMAYA, D.B. Occurence of cisisomers of provitamin A in Brazilian fruits. J. Agric. Food Chem.,42:1306-13, 1994.

18. Gomes, R. P. Fruticultura brasileira. São Paulo, Nobel, 1973. p. 128-9.

19. Hiane, P. A. et al. Composição centesimal e perfil de ácidos graxos de alguns frutos nativos do Estado de Mato Grosso do Sul. Bol. CEPPA, 10(1): 35-42, 1992.

20. Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 3a ed. São Paulo, IMESP, 1985. v.1, p. 21-54, 266.

21. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. Buriti. [http:www.plantarum.com.br/buriti.html]. 9 janeiro 2003.

22. Lognay, G. Investigationes sobre el aceite de Mauritia flexuosa L. Grasas y aceites, 38(5): 303-7, 1987.

23. Lorenzi, H. Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa, Plantarum, 1992. p. 281.

24. Lorenzi, H. Palmeiras no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa, Plantarum, 1996. p. 112.

25. Mariath, J.G.R et al. Vitamin A activity of buriti (Mauritia vinifera Mart.) and its effectiveness in the treatment and prevention of xerophtalmia. Am. J. Clin.Nutr., 49:849-53,

26. Peixoto, A. R. Plantas oleaginosas arbóreas. São Paulo, Nobel, 1973. p. 155-167.

27. Serruya, H.; Bentes, M. H. S. Chemometrics classification of Palmae family fruit oils. In: INTERNATIONAL MEETING ON FATS & OILS TECHOLOGY, SYMPOSIUM AND EXHIBITION, Campinas-SP, 1991. p. 206-8.

28. Silva, S. Frutas-Brasil. São Paulo, Empresa das Artes, 1991. p. 46-47.

29. Soares, E.F. et al. Caracterização do óleo da polpa de buriti (M. vinifera). In: XIV Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, São Paulo-SP, 1994. Programa e Comunicações Científicas. [poster 7.51]. p. 192.

30. Souza, M. do C. P. et al. Amadurecimento natural e artificial do buriti. Pesq. Agropec. Bras., 19(7):891-6, 1984.

31. Stansby, M.E.; Lemon, J.M. Quantitative determination of oil in fish flesh. Ind. Eng. Chem., 9(7):341-3, 1937.

32. Tratado de Cooperación Amazónica. In: Secretaria ProTempore – TCA, ed. Frutales. Frutales y hortalizas promisorios de la Amazonia. Lima, Secretaria Pro-Tempore - TCA, s.p. [http://amazonas.rds.org.co/libros/44/texto.htm]. 9 janeiro 2001.

33. Vallilo, M.I. et al. Composição química e o perfil de ácidos graxos das sementes de quatro espécies de palmeiras cultivadas no Estado de São Paulo. Rev. Inst. Flor., São Paulo, 13:147-54, dez. 2001.

Downloads

Publicado

2003-12-30

Como Citar

1.
Tavares M, Aued-Pimentel S, Lamardo LCA, Campos NC, Jorge LIF, Gonzalez E. Composição química e estudo anatômico dos frutos de buriti do Município de Buritizal, Estado de São Paulo. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 2003 [citado 3º de março de 2024];62(3):227-32. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/34904

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>