Azeite de oliva: incidência de adulterações entre os anos de 1993 a 2000
pdf

Palavras-chave

azeite de oliva
adulteração
parâmetros de qualidade e identidade

Como Citar

1.
Aued-Pimentel S, Takemoto E, Minazzi-Rodrigues RS, Badolato ESG. Azeite de oliva: incidência de adulterações entre os anos de 1993 a 2000. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 2002 [citado 24º de julho de 2024];61(2):69-75. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/34982

Resumo

No período de janeiro de 1993 a setembro de 2000 foram analisadas no Instituto Adolfo Lutz 236 amostras de azeites de oliva sendo que em todas as amostras foi verificada a pureza através da análise do perfil de ácidos graxos. Em 136 amostras foi também verificado se a qualidade do produto era condizente com a classificação da rotulagem. As medidas de absorção no espectro ultravioleta, em 232 e 270 nm foram os parâmetros empregados nesta avaliação. Foram observadas adulterações em 43 amostras (18,2%) sendo que o principal tipo de fraude foi adição de óleos vegetais de menor valor comercial, principalmente soja. Quanto a classificação da rotulagem, 7  amostras, das 136 analisadas (5,1%), apresentaram classificação não condizente com a qualidade declarada. Verificou-se que do total de amostras 77 foram colhidas pela Vigilância Sanitária, sendo que destas 67 foram colhidas entre os anos de 1997 a 2000, em decorrência dos programas conjuntos estabelecidos entre o Instituto Adolfo Lutz e o Centro de Vigilância Sanitária.

https://doi.org/10.53393/rial.2002.61.34982
pdf

Referências

1. Antoniassi , R. et al. Avaliação das características de identidade e qualidade de amostras de azeite de oliva. Braz. J. Food Technol., 1(1/2): 32-43, 1998.

2. Aued, S. Adulteração de azeite de oliva. Bol. Inst. Adolfo Lutz, 1(1).:8, 1991.

3. Aued-Pimentel, S. et al.- Avaliação de parâmetros físicos e químicos no estudo da adulteração do azeite de oliva. Rev.Inst. Adolfo Lutz, 54 (2): 69-77, 1994.

4. Aued-Pimentel, S. et al. Monitoramento da qualidade de azeite de oliva comercializados na cidade de São Paulo. In: 6o Congresso e Exposição Latinoamericano sobre Processamento de Óleos e Gorduras , Campinas, 1995.

5. Aued-Pimentel, S. et al. Multivariate analysis applied to quality assessment of olive oil commercialized in São Paulo, Brazil. In: World Conference on Oilseed and Edible Oils. Processing, 1996 Istambul. The Proceedings of World Conference on oilseed and Edible Oils Processing. Champaign, Illinóis, AOCS Press, 1998. v.II. p.205 – 211.

6. Badolato, E.S.G. et al. Óleo de oliva - Avaliação de sua qualidade. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 41(1):63- 70, 1981.

7. Boskou, D. Olive oil: chemistry and technology. AOCS Press, Champaign, IL,1996. 161p.

8. Brasil, Leis, decretos, etc. Resolução n° 482/99 da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial, Brasília, 13 out. 1999. Seç. I, nº196-E, p. 82-87. Aprova o Regulamento Técnico referente a Óleos e Gorduras Vegetais, constante do anexo desta Resolução (Anexo 13: Azeite de oliva).

9. Codex Alimentarius Commission. In: Fats, Oils and Related Product. Rome, FAO/WHO, vol. 8, p. 41-47, 1993. ( Codex Stan 33-1981).

10. Codex Alimentarius Commission. Codex standards for edible fats and oils. Rome,FAO/WHO, 1987, p. 46-75, (CAC -vol. 17).

11. Dionisi, F.; Prodolliet, J.; Tagliaferri. Assessment of olive oil adulteration by reversed phase high performance liquid chrometography/ amperometric detection of tocopherols and tocotrienols. J. Am. Oil Chem.Soc., 72(12):1505-1511, 1995.

12. Fellat-Zarrouck, K.; Boutellier, J.C.; Maurin, R. – HPLC detection of adulterations of olive oil by seed oils. Rev. Fran.Corps Gras, 35(10):383-385, 1995.

13. Firestone, D. et al. Detection of adulterates and misbranded olive oil products. J. Am. Oil. Chem.Soc, Champaign, 62: 1558-1562, 1985.

14. Flor, R.V.; Tiet, L.T.- Development of HPLC criteria for determination of purity of commercial olive oils. U.S.Customs Serv. Tech.Bull., 18(.3): 75-90, 1994.

15. Gracian, J. The chemistry and analysis of olive oil. In: BOEKENOOGEN, H.A. Analysis and Characterization of oils, fats and fat products, Interscience Publishing, London, 1968, vol. 2, p.317-591.

16. Instituto Adolfo Lutz (São Paulo).Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. . v.1: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3º ed. São Paulo, IMESP, 1985, p. 245-66.

17. International Olive Oil Council. Trade Standard Applying to Olive Oil and Olive-Pomace Oil. Resolution nº Res-2/80-IV/99 .COI/T.15/NC nº2/Rev.9, 10 june 1999.

18. Kapoulas, V.M.; Andrikopoulos, N.K. Detections of olive oil adulteration with linoleic acid-rich oils by reversed-phase highperformance liquid chromatography. J.Chromatogr., 366:311-20,

19. Kapoulas, V.M.; Passloglou-Emmanouilidou, S. Detections of adulterations of olive oil with seed oils by a combination of column and gas liquid chromatography. J. Am. Oil Chem.Soc, 586:694-7,1981.

20. Kiritsakis, A.; Markakis, P. Olive oil: a review. Adv. Food Res., 31:453-82, 1987.

21. Morita, A. Tempero no azeite. Supermercado Moderno. Janeiro: 24-31, 2000.

22. Soares, L.V.; Rodrigues-Amaya, D. Identificação e quantificação de adulterantes em óleo de oliva por cromatografia gasosa. Bol SBCTA, 15(1):1-17, 1981.

23. Szpiz, R.R.; Pereira, D.A.; Jabloonka, F.H. Avaliação de óleos comestíveis comercializadas no Rio de Janeiro, Boletim de Pesquisa,13, EMBRAPA-CTAA, 1985. 11p.

24. Tsimidou, M.; Macrae, R.; Wilson, I. Authentication of virgen olive oil using principal component analysis of triglyceride profiles: Part 2-Selection of adulteration with other vegetable oils. Food Chem., 25:.251-8, 1987.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2002 Sabria Aued-Pimentel, Emy Takemoto, Regina S. Minazzi-Rodrigues, Elza S. G. Badolato

Downloads

Não há dados estatísticos.