Avaliação físico-química e microscópica de extrato, purê e polpa de tomate
pdf

Palavras-chave

tomate, extrato, purê e polpa
análise físico-química
análise microscópica
legislação

Como Citar

1.
Minazzi-Rodrigues RS, Mello MRP do A, Zamboni C de Q, Spiteri N. Avaliação físico-química e microscópica de extrato, purê e polpa de tomate. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 27º de dezembro de 1991 [citado 13º de julho de 2024];51(1-2):53-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/35253

Resumo

Foram analisadas 122 amostras de extrato, purê e polpa de tomate, comercializadas na região metropolitana de São Paulo, no período de fevereiro de 1988 a fevereiro de 1990, para averiguar o cumprimento da legislação com relação às características físico-químicas e microscópicas. Observou-se que 67,7% dos extratos e 100% dos purês de tomate, encontravam-se de acordo com a legislação vigente, quanto às características físico-químicas. Os resultados da análise microscópica, quanto à contagem de filamentos micelianos, mostraram que 48,41% dos extratos e 46,7% dos purês de tomate estavam em desacordo com a legislação. Se as polpas de tomate forem enquadradas nos mesmos limites estabelecidos para o purê, 33,3% e 60% das amostras estariam em desacordo com a legislação, quanto às características microscópicas, com relação à contagem de filamentos micelianos pelo método de Howard e físico-químicas, respectivamente. A identificação de elementos histológicos de vegetais dos produtos, revelou que tanto os purês como as polpas continham epicarpo (pele) e sementes de tomate, além da presença de material estranho como areia, nematóides, leveduras e esporos.

https://doi.org/10.53393/rial.1991.51.35253
pdf

Referências

1. ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS - Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 12th ed. Washington, D.C., A.O.A.C., 1975. p.883 (Tecn. 44.092).

2. BRASIL. Leis, decretos, etc. - Resolução n? 12/78 da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Diário Oficial, Brasília, 24 jul. 1978. Seção I, pt. I, p. 11506. Aprova Normas Técnicas Especiais, do Estado de São Paulo, relativas a alimentos (e bebidas) ...

3. INSTITUTO ADOLFO LUTZ (São Paulo) – Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: 3ª.ed. São Paulo, IMESPE, 1985. V.l: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. p. 25.

4. Id., ibid., p. 27-28.

5. Id., ibid., p. 36-37.

6. Id., ibid., p. 107.

7. MINANI, K. & FONSECA, H. - Tomate: produção, pré-processamento e transformação agroindustrial. São Paulo, Secretaria da Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia, s.d. 92 p. (Série Extensão Agroindustrial, 8).

8. SÃO PAULO. Leis, decretos, etc. - Decreto n? 12.486, de 20 de outubro de 1978. Diário Oficial, São Paulo, 21 out. 1978. p.16 (NTA 32). Aprova Normas Técnicas Especiais Relativas a Alimentos e Bebidas.

9. ZAMBONI, C.Q., coord. - Manual de análise microscópica de alimentos. São Paulo, 1986. p. 30 (apostila mimeografada).

10. Id., Ibid., p. 60.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1991 Regina Sorrentino Minazzi-Rodrigues, Marcia Regina Pennacino do Amaral Mello, Claydes de Quadros Zamboni, Nazareth Spiteri

Downloads

Não há dados estatísticos.