Avaliação das reações de Hemaglutinação Indireta (HI) e Aglutinação Modificada (MAT) na detecção de anticorpos IgG anti-T. gondii em exsudatos cárneos bovinos

Autores

  • Maria Aparecida Moraes Marciano Núcleo de Morfologia e Microscopia, Centro de Alimentos,Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP, Brasil
  • Heitor Franco de Andrade Junior Laboratório de Protozoologia do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, Universidade de São Paulo
  • Luciana Regina Meirelles Laboratório de Protozoologia do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2019.v78.35890

Palavras-chave:

toxoplasmose, exsudato cárneo, segurança alimentar, testes de aglutinação

Resumo

Toxoplasmose é uma zoonose parasitária com ampla distribuição mundial provocada pelo
Toxoplasma gondii, considerado um dos protozoários mais bem sucedidos do planeta, pois
infecta cerca de um terço da população mundial. Dentre as formas de transmissão, o consumo
de carne mal cozida, contendo cistos, tem sido considerado um fator de risco para aquisição
desta zoonose. Uma abordagem alternativa para o controle da toxoplasmose pela ingestão
de carne bovina seria a sorologia dos bovinos, já que animais soropositivos albergam cistos
teciduais. Contudo, a obtenção de soro para esta avaliação, nem sempre é factível, dada a
dificuldade de coleta de sangue durante a linha de abate e sua ausência em cortes comerciais.
O exsudato cárneo é uma alternativa para detecção de anticorpos anti - T. gondii em cortes
comerciais de carne, que foi a proposta deste estudo para avaliar o desempenho dos testes de
Hemaglutinação Indireta (HI) e Aglutinação Modificada (MAT) quando comparados ao ELISA
usando exsudato cárneo. Este estudo mostrou que a acurácia dos testes de aglutinação não
foi viável devido aos baixos índices de sensibilidade e especificidade quando comparados ao
ELISA. Estes dados demonstram a importância da escolha de testes eficientes como ELISA para
aplicação no controle da qualidade e inocuidade de cortes comerciais de carne bovina.

Referências

1. Assolini JP, Concato VM, Gonçalves MD,
Carloto ACM, Conchon-Costa I, Pavanelli WR
et al. “Nanomedicine advances in toxoplasmosis:
diagnostic, treatment, and vaccine applications”.
Parasitol Res. 2017;116(6):1603-1615. https://dx.doi.
org/10.1007/s00436-017-5458-2

2. Djurković-Djaković O, Dupouy-Camet J, Giessen
JV, Dubey JP. Toxoplasmosis: overview from a One
Health perspective. Food Waterborne Parasitol.
2019;15:e00054. https://dx.doi.org/10.1016/j.
fawpar.2019.e00054

3. Verma SK, Sweeny AR, Lovallo MJ, Calero-Bernal
R, Kwok OC, Jiang T et al. Seroprevalence, isolation
and co-infection of multiple Toxoplasma gondii
strains in individual bobcats (Lynx rufus) from
Mississippi, USA. Int J Parasitol. 2017;47(5):297-
303. https://dx.doi.org/ 10.1016/j.ijpara.2016.12.007

4. Hill DE, Dubey JP. Toxoplasma gondii: transmission,
diagnosis and prevention. Clin Microbiol Infect.
2002;8(10):634–40. https://dx.doi.org/10.1046/
j.1469-0691.2002.00485.x

5. Kijlstra A, Jongert E. Control of the risk of human
toxoplasmosis transmitted by meat. Int J Parasitol.
2008;38(12):1359-70.https://dx.doi.org/10.1016/j.
ijpara.2008.06.002

6. Tenter AM, Heckeroth AR, Weiss LM. Toxoplasma
gondii: from animals to humans. Int J Parasitol.
2000;30(12-13):1217-58. https://dx.doi.org/10.1016/
s0020-7519(00)00124-7

7. McAllister MM. A decade of discoveries in veterinary
protozoology changes our concept of “subclinical”
toxoplasmosis. Vet Parasitol. 2005;132:241-7.
https://dx.doi.org/10.1016/j.vetpar.2005.07.003

8. Tenter AM. Toxoplasma gondii in animals used for
human consumption. Mem Inst Oswaldo Cruz.
2009;104(2):364-9. https://dx.doi.org/ 10.1590/
s0074-02762009000200033

9. Dubey JP, Lindsay DS, Speer CA. Structures of
Toxoplasma gondii tachyzoites, bradyzoites, and
sporozoites and biology and development of tissue
cysts. Clin Microbiol Rev.1998;11(2):267–99.

10. Dubey JP, Thulliez P. Persistence of tissue cysts
in edible tissues of cattle fed Toxoplasma gondii
oocysts. Am J Vet Res. 1993;54(2):270-3.

11. Schlüter D, Däubener W, Schares G, Groß U, Pleyer
U, Lüder C. Animals are key to human toxoplasmosis.
Int J Med Microbiol. 2014;304(7):917-29. https://
dx.doi.org/10.1016/j.ijmm.2014.09.002

12. Marciano MAM. Pesquisa de IgG anti-Toxoplasma
gondii em exsudato cárneo para monitoramento da
qualidade da carne bovina. [dissertação de mestrado].
São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2013.
[resumo]. Disponível em: http://www.imt.usp.br/wpcontent/uploads/bib/Catalogo_Dis_Tes_IMTSP_v1.pdf

13. Mecca JN, Meireles LR, de Andrade Jr HF. Quality
control of Toxoplama gondii in meat packages:
standardization of an ELISA test and its use for
detection in rabbit meat cuts. Meat Sci. 2011;88(3):584–
9. https://dx.doi.org/10.1016/j.meatsci.2011.01.016

14. Desmonts G, Remington JS. Direct agglutination
test for diagnosis of Toxoplasma infection:
method for increasing sensitivity and specificity.
J Clin Microbiol. 1980;11(6):562–8. https://dx.doi.
org/ 10.1128/JCM.11.6.562-568.1980

15. Stelzer S, Basso W, Benavides J, Ortega-Mora LM,
Maksimov P, Gethmann J et al. Toxoplasma gondii
infection and toxoplasmosis in farm animals:
risk factors and economic impact. Food
Waterborne Parasitol. 2019;15:e00037. https://
doi.org/10.1016/j.fawpar.2019.e00037

16. Dubey JP. Isolation of Toxoplasma gondii
from a naturally infected beef cow. J Parasitol.
1992;78(1):151-3.

Publicado

2019-03-29

Como Citar

Marciano, M. A. M. ., Andrade Junior, H. F. de ., & Meirelles, L. R. . (2019). Avaliação das reações de Hemaglutinação Indireta (HI) e Aglutinação Modificada (MAT) na detecção de anticorpos IgG anti-T. gondii em exsudatos cárneos bovinos. Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 78(1), 1–6. https://doi.org/10.53393/rial.2019.v78.35890

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO BREVE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)