Anticorpos circulantes antinervo periférico na esquistossomose mansônica

Autores

  • Pedro Paulo Chieffi Instituto Adolfo Lutz
  • Roberto A. Pinto Paes Instituto Adolfo Lutz
  • Mirthes Ueda Instituto Adolfo Lutz
  • Paulo M. Nakamura Instituto Adolfo Lutz
  • Lilian B. Mello Instituto Adolfo Lutz

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.1982.42.36782

Palavras-chave:

esquistossomose mansônica, anticorpos antinervo periférico na esquistossomose mansônica

Resumo

Procurou-se determinar a existência de anticorpos antinervo periférico no soro de 35 pacientes comprovadamente infectados por Schistosoma mansoni, através de reação de imunofluorescência indireta em cortes de nervo ciá tico de camundongo. Como controles, utilizaram-se os soros de 30 pacientes com sorologia positiva para tripanosomíase americana, 30 pacientes com reações sorológicas positivas para toxoplasmose, 30 pacientes com sorologia positiva para lues, além de 20 soros de indivíduos negativos para todas estas entidades mórbidas, considerados como padrão de normalidade. Os resultados mostraram reações positivas em 83,3% dos soros de pacientes chagásicos, em 62,8% dos soros de pacientes esquistossomóticos, em 10% dos soros dos pacientes com reações sorológicas positivas para lues, em 6,6% dos soros de pacientes infectados por Toxoplasma gondii e em 20% dos soros considerados normais. Notou-se nítida diferença entre o padrão de reação ao se compararem os resultados obtidos nos soros de pacientes esquistossomóticos, com os verificados em pacientes chagásicos. No primeiro caso a fluorescência ocorreu ao redor dos axônios, na maioria das vezes e, no caso de pacientes chagásicos, em torno da bainha das células de Schwann. Tais achados sugerem que também na esquistossomose mansônica formam-se anticorpos antinervo periférico, como já fora demonstrado anteriormente para a tripanosomíase americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. COSSIO, P.M.; DIEZ, C.; SZARFMAN, A.; KREUTZER, E.; CANDIOLO, B. & ARANA, R.M. - Chagasic cardiopathy. Demontsartion of a serum gammaglobulin factor which reacts with endocardium and vascular structures. Circulation, 49: 13-21, 1974.

2. COSSIO, P.M.; LAGUENS, R.P.; DIEZ, C.; SZARFMAN, A.; SEGAL, A. & ARANA, R.M. - Chagasic cardiopathy. Antibodies reacting with plasma membrane of striated muscle and endothelial cells. Circulation, 50: 1252-9, 1974.

3. JOHNSON, G.D. & HOLBOROW, E.J. Immunofluorescence. In : WElR, D.M., ed, - Handbook of experimental immunology. 2nd ed. Oxford, Blackwell, 1973. p. 18.1-18.20.

4. KHOURY, E.L.; COSSIO, P.M.; SZARFMAN, A.; MARCOS, J.C.; MORTE O, O.G. & ARANA, R.M. - Immunofluorescent vascular pattern due to EVI antibody of Chagas' disease. Am. J. clin. Path., 69: 62-5, 1978.

5. KHOURY, E.L.; RITACCO, V.; COSSIO, P.M.; LAGUENS, R.; SZARFMAN, A.; DIEZ, C. & ARANA, R.M. - Circulating antibodies to peripheraI nerve in American trypanosomiasis (Chagas' disease). Clin. exp. Immunol., 36:8-15, 1979.


6. LENZI, J.G.A.; LENZI, H.L. & ANDRADE, Z.A. - Produção experimental do fator EVI. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL, 15. 0 Campinas, 1979. Resumos.

7. PAES, R.A.P.; UEDA, M. & GORDINHO, R.S. - Anticorpos an ti-reticulina em esquistossomose crônica. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 39: 121-5, 1979.

8. PERALTA, J.M.; GINEFRA, P.; DIAS, J.C.P.; MAGALHÁES, J.M.S. & SZARFMAN, A. - Autoantibodies and chronic Chagas' disease. Trans. R. Soco trop. Med. Hkg, 75 :568-9, 1981.

Downloads

Publicado

1982-12-30

Como Citar

1.
Chieffi PP, Paes RAP, Ueda M, Nakamura PM, Mello LB. Anticorpos circulantes antinervo periférico na esquistossomose mansônica. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1982 [citado 3º de março de 2024];42(1-2):67-70. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36782

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>