Variáveis relacionadas ao desenvolvimento de Triatoma infestans Klug, 1834 em condições de laboratório. 1. Relação entre o repasto sangüíneo e o desenvolvimento
pdf

Palavras-chave

Triatoma infestans, repasto sangüíneo, desenvolvimento ninfal
T. infestans, criação em laboratório

Como Citar

1.
Tolezano JE, Chieffi PP, Araújo M de FL de, Valentim AM, Ribeiro SS. Variáveis relacionadas ao desenvolvimento de Triatoma infestans Klug, 1834 em condições de laboratório. 1. Relação entre o repasto sangüíneo e o desenvolvimento. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 29º de junho de 1984 [citado 17º de julho de 2024];44(1):73-9. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36830

Resumo

Em continuação a estudos iniciados anteriormente, visando padronização de parâmetros envolvidos na realização de xenodiagnóstico, procurou-se observar neste experimento as relações existentes entre as manipulações em laboratório, a quantidade de sangue ingerido no repasto sangüíneo e o desenvolvimento ninfal de Triatoma infestans. Foram utilizados dois grupos, formados por 180 ninfas de 1.0 estádio cada um. Um destes grupos constituiu a amostra testada para as manipulações diárias de pesagem, enquanto o outro grupo foi mantido sem manipulação, servindo como controle. A manipulação interferiu na quantidade de sangue sugado, tendo o grupo manipulado sugado cerca de 35% menos sangue do que o controle.
A quantidade de sangue sugado pelas ninfas, no estádio em que morreram, correspondeu a valor sensivelmente menor do que O observado para a média do volume de sangue sugado pelos demais insetos de mesmo estádio, que sobreviveram à muda seguinte. A medida que os reduvídeos avançaram em seus estádios evolutivos, necessitaram mais repastos; assim, no 1.0 estádio 82,43% das ninfas precisaram um único repasto, enquanto no 5.° estádio 77,39% tiveram que se alimentar duas ou mais vezes. Nos estádios mais jovens, quando ocorreu necessidade de mais de um repasto, dentro do mesmo estádio, observou-se que a quase totalidade das ninfas sugaram quantidade de sangue maior do que em repasto anterior. Tais informações permitem
que os autores discutam sobre as formas e condições de criação de triatomíneos em laboratório e sobre as ninfas adequadas ao xenodiagnóstico.

https://doi.org/10.53393/rial.1984.44.36830
pdf

Referências

1, ALMEIDA, S. P.; MILES, M. A. & MARSDEN, P. D. - Verificação da suscetibilida de à infecção por TrypCLnosoma cruzi, dos estágios evolutivos de Rhodnius neglectus, Rev. bras. Biol., 33 :42-52, 1973.

2 ALMEIDA, S. P.; SHERLOCK, L A. & FAHEL, F. - Novo procedimento de xenodiagnóstico na forma crônica da doença de Chagas. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 74: 285-288, 1976.

3. BARRETTO, M. P. - Transmissores do TrypCLnosoma c1'uzi: os triatomíneos. In:
CANÇADO, J. R., ed. -' Doença de Chagas. Belo Horizonte, Fac. Med, Univ. Minas Gerais, 1968. p. 189-224.

4, CORRÊA, F. M. A. - Estudo comparativo do ciclo evolutivo do Triatoma infestans alimentado em diferentes animais (Hemiptera, Reduviidae). PCLp. Avulsos Dep. Zool., São Paulo, 15: 177-200, 1962.

5. DIAS, E. - Criação de triatomídeos em laboratório. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 33 :407-412, 1938.

6, DIAS, E. _ Notas sobre o tempo de evolução de algumas espécies de triatomíneos em laboratório. Rev. bras. Biol., 15:157-158, 1955.

7. DIAS, J. C. P. -Observações sobre o comportamento de triatomíneos brasileiros
frente ao jejum, em laboratório. Rev. bras. Malariol. Doenças trop., 17: -5563, 1965.

8. FREITAS, J. L. P. - Contribuição para o estudo da moléstia de Chagas por proces-
sos de laboratório. São Paulo, FMUSP, 1947. 160p.

9. FREITAS, J. L. P. - Observações sobre o tempo ótimo para o exame de triatomídeos empregados em xenodiagnóstico. Folia din. biol., 16: 180-185, 1950.
10. GOODCHILD, A. J. P. - Some observations on growth and egg production of blood-suckíng reduviids Rhodnius prolixus and Triatoma inf estane. Proc. R. entomol, Soc. Lond. (Ser. A Entomo!.), 30:127-36, 1955.

11. HACK, W. H. - Estudios sobre biologia del T'riatomainfestans (Klug, 1834) (Hem. Reduviidae ) . Ann. Lnsi: Med. Region., Corrientes, 4:125-147, 1955.

12. JUAREZ, E. - Observações sobre o ciclo evolutivo do T'riaioma arthurneivae, em condições de laboratório (Hemiptera, Reduviidae). Rev. Saúde públ., São Paulo, 4: 13-18, 1970.

13. JUAREZ, E .. - Comportamento do Triatoma infestans sob várias condições de laboratório. Rev. Saúde públ., São Paulo. 4:147166, 1970.

14. JURBERG, J. & RANGE L, E. F. - Observações sobre Rhodnius robustu8 Larrousse, 1927 e Rhodnius pallescens Barber, 1932 (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae). Rev. bras. Biol., 40:569-577, 1980.

15. NEIV A, A. - Informações sobre a biologia do Conorhinus megistus Burmeister. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 2 :206-212, 1910.

16. NUSSENZWEIG, V. & SONNTAG, R.Xenodiagnóstico artificial. Novo processo.
Primeiros resultados positivos. Re». paul. Med., 40:41-43, 1952.

17. PERLOWAGORA-SZUMLEWICZ, A. - Ciclo evolu tivo do Triatoma infestans em condições de laboratório. Rev. bras. Malariol. Doenças trop., 5 :35-47, 1953.

18. PERLOW AGORA-SZUMLEWICZ, A. - Estudo sobre a biologia do T. infestans o principal vetor da doença de Chagas no Brasil (importância de algumas de suas características biológicas no planejamento de esquemas de combate a esse veto r) . Rev. bras. Malarial. Doenças trop., 21:11759, 1969.

19. SIQUEIRA, A. F. - Diagnóstico Parasítológico da moléstia de Chagas. In: CANÇADO, J. R., ed. - Doença de Chagas. Belo Horizonte, Fac. Med. Univ, Minas Gerais, 1968. p. 261-78.

20. TOLEZANO, J. E.; ARAÚJO, M. F. L.; RIBEIRO, S. S. & ISHIDA, M. M. r. - Efeitos do jejum e da temperatura na infectividade de triatomíneos por Trypanosoma, cruzi. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 43 (1/2) :25-32, 1983.
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1984 José Eduardo Tolezano, Pedro Paulo Chieffi, Maria de Fátima Lereno de Araújo, Anna Maria Valentim, Suzel Scalon Ribeiro

Downloads

Não há dados estatísticos.