Incidência de aflatoxinas em amendoim e produtos consumidos na cidade de São Paulo, no período de 1980 a 1987

Autores

  • Myrna Sabino Instituto Adolfo Lutz
  • M. Ângela P. Zorzetto Instituto Adolfo Lutz
  • Marcelo O. Pedroso Instituto Adolfo Lutz
  • Thais V. Milanez Instituto Adolfo Lutz

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.1989.49.36929

Palavras-chave:

aflatoxinas em amendoim e produtos de, determinação, ameindoim, aflatoxinas em, determinação, cromatografia em camada delgada

Resumo

Aflatoxinas foram identificadas por cromatografia em camada delgada em 1.374 amostras de amendoim e derivados, expostas ao consumo na cidade de São Paulo. Os níveis de contaminação variaram de ano para ano, onde se observou que em 576 das amostras analisadas foram detectadas aflatoxinas. Destas, 68,75% apresentaram níveis superiores a 30 u.g/kg, que é o máximo tolerado pela legislação brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. AMENDOIM: perspectivas internacionais. Cacex: informação semanal, 20 (960):3, 1985.

2. BRASIL. Leis, decretos, etc. - Resolução nº 34/76 da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Diário Oficial, Brasilia, 19 jan. 1977. Seção I, pt. I, p. 710. Fixa padrões de tolerância para as aflatoxinas em alimentos.

3. lAR C Working Group on the Evaluation of the Carcinogenic Risk of Chemical to Man. Lyon, 1975. Some naturally occurring substances. Lyon, IARC, 1976. p. 51-72 (IARC Monographs,IO).

4. JARVIS, B. - Factors affeting the production of mycotoxins. J. appl. Bacteriol., 34(1):192-213, 1971.

5. JOINT FAO/WHO/UNEP CONFERENCE ON MYCOTOXINS, Nairobi, 1977. Perspective on Mycotoxins. Rome, FAO, 1979.p.19 (FAO Food and Nutrition Paper, 13).

6. PRADO, G. - Incidência de aflatoxina B1 em alimentos. Rev. Fann. Bioquim, Belo Horizonte, 5(2): 147-57,1983.

7. PREGNOLATTO, W. & SABINO, M. - Pesquisa e dosagem de aflatoxina em amendoim e derivados e outros cereais. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 29/30: 65-71,1969/70.

8. SABINO, M. - Variações de níveis de aflatoxina BI em alimentos e rações animais no período de 1971 a 1979. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 40 (2):153-8,1980.

9. SABINO, M.; INOMATA, E.I. & LAMARDO, L.C.A. - Variação dos níveis de aflatoxina B1 em pasta de amendoim e paçoca consumidos no Estado de São Paulo. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 42(1/2):39-44, 1982.

10. SÃO PAULO. Instituto Adolfo Lutz - Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v.I: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 2ª ed. São Paulo, 1976. p. 323-5.

11. SCUSSEL, V.M. & RODRIGUES-AMAYA, D.Teores de aflatoxinas em amendoim e seus produtos comercializados em Campinas em
1980/82. Bol. Soc. Bras. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 19 (2): 109-19, 1985.

12. STOLOFF, L. & SCOTT, P.M. - Natural poisons. In: ASSCCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS - Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 14 th ed. Arlington, Virginia, A.O.A.C., 1984.p,481-3.

13. WORLD HEALTH ORGANIZATION - Mycotoxins. Geneva, WHO, 1979. 127 p. (Environmental Health Criteria, 11).

Downloads

Publicado

1989-06-30

Como Citar

1.
Sabino M, Zorzetto M Ângela P, Pedroso MO, Milanez TV. Incidência de aflatoxinas em amendoim e produtos consumidos na cidade de São Paulo, no período de 1980 a 1987. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de junho de 1989 [citado 3º de março de 2024];49(1):41-4. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/36929

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>