Estudo das incapacidades dos casos notificados de hanseníase em uma gerencia regional de saúde do Vale do Jequitinhonha entre 2001 e 2008

Autores

  • Thiago Augusto Pouzas de Oliveira Fisioterapeuta Graduado pela UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Diamantina) Pós Graduado em Saúde Coletiva com ênfase em Saúde da Família pela Fundação Oswaldo Aranha (UNIFOA)
  • Caroline Lopes Carvalho Fisioterapeuta Graduada pela UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Diamantina)
  • Raquel Galiciolli Fisioterapeuta Ref. Técnica de DST/Aids e Hanseníase EPIDEMIOLOGIA / GRSDTNA / SES / MG
  • Renato Aparecido de Souza Professores Adjuntos do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2010.v35.35122

Palavras-chave:

hanseníase, epidemiologia, grau de incapacidade física

Resumo

A hanseníase é doença infecciosa crônica causada pelo Mycobacterium leprae. O Brasil situa-se em segundo lugar no mundo em número de casos. O Vale do Jequitinhonha é região do estado de Minas Gerais que apresenta alta endemicidade e onde se situa a região de Diamantina. O presente estudo objetivou relacionar o grau de incapacidade no momento do diagnóstico, correlacionando-o com as seguintes variáveis: gênero, idade, zona de ocupação territorial e classificação em relação à forma clínica. Utilizou-se 542 fichas de notificação do SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) com os dados de hanseníase da Regional de Diamantina, no período entre os anos 2001 e 2008. Dos casos estudados 67,46% eram das formas multibacilares, 56,65% residentes na zona urbana, 51,29% do gênero feminino, 44,47% apresentavam algum grau de incapacidade física momento do diagnóstico, e a maioria tinha entre 20 e 50 anos. Como as incapacidades e os multibacilares revelam o  diagnóstico tardio da hanseníase, este estudo realça a necessidade de reformulação das estratégias assistenciais adotadas no controle da hanseníase na região.

Referências

1. Lana FCF, Amaral EP, Lanza FM, Lima PL, Carvalho ACM, Diniz LG. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Enferm 2007 Nov-Dez; 60(6): 696-700.
2. Ramos jr AR, Heukelbach J, Gomide M, Hinders DC, Schreyder PAM. Health systems research training as a tool for more effective Hansen’s disease control programmes in Brazil. Lepr Rev 2006 Set; 77: 175–188.
3. Rogazy MC, Cossio TML, Salazar SI, Fich SF, Pérez CC, González BS. Enfermedad de Hansen: Revisión a propósito de un caso. Rev Chil Infect 2008; 25 (1): 64-69.
4. World Health Organization [Homepage na Internet]. Estratégia global para aliviar a carga da hanseníase e manter as atividades de controle da hanseníase (Período do Plano: 2006-2010); [Acessado em 05 out. 2008] Disponível em: http://www.who.int/lep/Reports/GlobalStrategy-PDF--verison.pdf.
5. Lana FCF, Amaral EP, Franco, MS, Lanza FM. Detecção da Hanseníase no Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais: redução da tendência epidemiológica ou problemas operacionais para o diagnóstico?. Hansen Int 2004 Jan-Jun; 29(2): 118-123.
6. Gomes CCD, Pontes MAA, Gonçalves HS, Penna GO. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. An Bras Dermatol 2005; 80(Supl 3): S283-8.
7. Ministério da Saúde (BR). Guia de Vigilância Epidemiológica. 6ª edição, Brasília, 2005. Departamento de Atenção Básica.
8. Ministério da Saúde (BR). Hanseníase e Direitos Humanos – Direitos e Deveres dos Usuários do SUS. Brasília, 2008. Secretaria de Vigilância em Saúde.
9. Walker SL, Lockwood DNJ. Leprosy. Clinics in Dermatology 2007; 25: 165-172.
10. Ministério da Saúde (BR). Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Manual de Prevenção de Incapacidades. Brasília, 2001. Departamento de Atenção Básica.
11. Nardi SM, Paschoal VD, Zanetta DMT. Freqüência de avaliações e seu impacto na prevenção das incapacidades físicas durante o tratamento dos pacientes com hanseníase. Hansen Int 2005 Jul-Dez; 30(2):157-166.
12. Ministério da Saúde. Guia para Controle da Hanseníase. Brasília; 2002. (Cadernos de Atenção Básica nº 10).
13. World Health Organization SEARO [Homepage na Internet]. Informal Consultation on Innovative Approaches to further Reduce Leprosy Burden in Countries. [Acessado em 16 abr. 2009] Disponível em: http://www.searo.who.int/LinkFiles/Guidelines_3-Informal_Consultation.pdf.
14. World Health Organization [Homepage na Internet]. Leprosy Today. [Acessado em 3 jul. 2008] Disponível em: http://www.who.int/lep/en/.
15. World Health Organization [Homepage na Internet]. Leprosy: Global Situation. [Acessado em 3 jul. 2008] Disponível em: http://www.who.int/lep/situation/en/.
16. Grossi MAF, Andrade ARC, Miranda MCR, Pugedo AC, Silva EL, Alberto JAM, et al. Situação Epidemiológica da Hanseníase no Estado de Minas Gerais. Palestra proferida na: Coordenação Estadual de Dermatologia Sanitária. 2008 Maio 27; Secretaria de Estado de Saúde, Belo Horizonte.
17. Sobrinho RAS, Mathias TAF. Perspectivas de Eliminação da Hanseníase como Problema de Saúde Pública no Estado do Paraná, Brasil. Cad. Saúde Publica 2008 Fev; 24(2): 303-314.
18. Cunha MD, Cavaliere FAM, Hércules FM, Durães SMB, Oliveira MLD, Matos HJ. Os indicadores da hanseníase e as estratégias de eliminação da doença, em município endêmico do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública 2007 Maio; 23(5): 1187-1197.
19. Rede Interagencial de Informações para a Saúde [Homepage na Internet]. Ministério da Saúde. Indicadores e dados básicos para a saúde. [Acessado em 30 set. 2009] Disponível em: http://www.datasus.gov.br.
20. Lana FCF, Carvalho ACM, Saldanha ANSL, Amaral EP, Diniz LG. Análise da tendência epidemiológica da hanseníase na microrregião de Almenara/MG – período: 1998-2004. Rev Min Enf 2006 Abr-Jun; 10(2): 107-112.
21. Lana FCF, Amaral EP, Franco MS, Lanza FM. Estimativa da prevalência oculta da hanseníase no Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais. Rev Min Enf 2004 Abr-Jun; 8(2): 295-300.
22. Lana FCF; Lima RF, Araújo MG, Fonseca PTS. Situação epide- Situação epidemiológica da hanseníase no munícipio de Belo Horizonte/MG – Período 92/97. Hansen Int 2000 Jul-Dez; 25(2):121-132.
23. Corrêa CMJ, Ivo ML, Honer MR. Incapacidades em sujeitos com hanseníase em um centro de referência do Centro--Oeste brasileiro entre 2000-2002. Hansen Int 2006 Jul-Dez; 31(2):21-28.
24. Moreira MV, Waldman EA, Martins CL. Hanseníase no estado do Espírito Santo, Brasil: uma endemia em ascensão?. Cad. Saúde Pública 2008 Jul; 24(7): 1619-1630.
25. Lana FCF, Lanza FM, Meléndez GV, Branco AC, Teixeira S, Malaquias LCC. Distribuição da hanseníase segundo sexo no município de Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Hansen Int 2003 Jan-Jun; 28(2):131-137.
26. Oliveira MHP, Romanelli G. Os efeitos da hanseníase em homens e mulheres: um estudo de gênero. Cad. Saúde Pública 1998 Jan-Mar; 14(1):51-60.
27. Baialardi KS. O estigma da hanseníase: relato de experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int 2007 Jan--Jun; 32(1): 27-36.
28. Silva RCP, Lopes A, Guisard CLMP, Peixoto ES, Metello HN, Ito LS, et al. História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em serviços de saúde do estado de São Paulo. Hansen Int 2008 Jan-Jun; 33(1): 9-18.
29. Ferreira NI, Evangelista MSN, Alvarez RRA. Distribuição espacial da hanseníase na população escolar em Paracatu – Minas Gerais, realizada por meio da busca ativa (2004 a 2006). Rev Bras Epidemiol 2007 Jan; 10(4): 555-567.
30. Dias MCFS, Dias HG, Nobre ML. PP006 – Distribuição espacial da hanseníase no município de Mossoró/RN, utilizando o Sistema de Informação Geográfica - SIG. Na Bras Dermatol 2005 Nov-Dez; 80(Supl3):S289-94.
31. Carvalho GA, Alvarez RAR. Avaliação de incapacidades físicas neuro-músculo-esqueléticas em pacientes com hanseníase. Hansen Int 2000 Jan-Jun; 25(1):39-48.
32. Oliveira SN, Hennemann GV, Ferreira FFL, Azevedo AS, Fors N, Hennemann GV, Ferreira FFL, Azevedo AS, Forster AC. Avaliação epidemiológica da hanseníase e dos serviços responsáveis por seu atendimento em Ribeirão Preto – SP no ano de 1992. Medicina Ribeirão Preto 1996 Jan-Mar; 29: 114-122.
33. Ferreira NI, Alvarez RRA. Hanseníase em menores de quinze anos no município de Paracatu, MG (1994 a 2001). Ver Bras Epidemiol 2005 Fev; 8(1): 41-49.
34. Goulart IMB, Dias CM, Oliveira ACS, Silva AA, Alves RR, Quaresemin CR, et al. Grau de incapacidade: indicador de prevalência oculta e qualidade do programa de controle da hanseníase em um centro de saúde – escola no município de Uberlândia – MG. Hansen Int 2002 Jan-Jun; 27(1):5-13.
35. Opromolla DVA. Noções de Hansenologia. Bauru: Centro de Estudos “Dr. Reynaldo Quagliato”; 2000. 126p.
36. Escarabel CM, Alvarez RRA, Carvalho GA, Moreira D. Estudo comparativo do índice de incapacidades em pacientes tratados com 24 e 12 doses de poliquimioterapia padrão – OMS, pacientes atendidos no plano piloto de Brasília - DF. Hansen Int 2007 Jul-Dez; 32(2):163-174.
37. Trindade MAB, Nemes MIB. Incapacidades físicas em hanseníase no momento do diagnóstico: características epidemiológicas dos casos registrados de 1983 a 1988 no Estado de São Paulo. Hansen Int 1992; 17(1/2):8-14.

Downloads

Publicado

30-06-2010

Como Citar

1.
Oliveira TAP de, Carvalho CL, Galiciolli R, Souza RA de. Estudo das incapacidades dos casos notificados de hanseníase em uma gerencia regional de saúde do Vale do Jequitinhonha entre 2001 e 2008. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2010 [citado 28º de setembro de 2022];35(1):45-52. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35122

Edição

Seção

Artigos originais