Perfil clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase atendidos no hospital universitário em campo Grande, Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1994 a julho de 2005.

Autores

  • Joaquim Dias da Mota Longo Professor Adjunto do Departamento de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Programa Multiinstitucional de Pós-Graduação em Ciências da Saúde – convênio Rede Centro-Oeste.
  • Rivaldo Venâncio da Cunha Professor Adjunto do Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2006.v31.35210

Palavras-chave:

hanseníase, epidemiologia, classificação

Resumo

Estudo descritivo, realizado a partir da coleta de dados de 192 fichas de notificação e controle da hanseníase, do total de pacientes atendidos no período de janeiro de 1994 a julho de 2005, no Ambulatório do Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, com o objetivo de traçar o perfil epidemiológico da hanseníase no grupo de pacientes estudados e gerar subsídios à política de controle da hanseníase. As variáveis estudadas constam da ficha de notificação e controle da hanseníase. Observou-se a predominância de casos no sexo masculino (62,5%); na faixa etária de 40 a 59 anos (45,8%); multibacilares (67,2%); da forma clinica dimorfa (35,9%) e virchowiana (27,6%). Setenta e três (73%) por cento dos casos foram avaliados em relação à incapacidade ao inicio do tratamento, encontrando-se 66,7% desses casos sem nenhum problema com as mãos, pés ou olhos e 33,3% com incapacidade ou deformidade ao início do tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 World Health Organization. Leprosy Elimination Project: Status Report. 2003 Dec. [on line]. Available from: http://www.cefpas.it/leprosy/s20042.pdf.
2 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Detecção da Hanseníase no Brasil, Macrorregiões e Estados, 1985-2003. [página na Internet]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/svs/epi/hanseniase/hansen_00.htm.
3 Munhoz-Júnior S, Fernandes Fontes CJ, Meirelles SMP. Avaliação do Programa de Controle da Hanseníase em Municípios
Mato-grossenses. Rev Saúde Pública 1997; 31(3):282-7.
4 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Carta de eliminação da hanseníase de Mato Grosso do Sul,
1a e 2a versão. De 21 de outubro de 2004 e 26 de janeiro de 2005. [página na Internet]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/carta_MS.pdf e http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/matogrossodosul2.pdf.
5 Campo Grande (MS). Secretaria Municipal de Saúde. Relatório Anual. [mimeo]. Gerência Municipal do Programa de Controle da Hanseníase e Tuberculose. Campo Grande (MS); 2003.
6 Opromolla DVA, Nóbrega RC, Gonçalves NNS, Padovani SHP, Padovani CR, Gonçalves A. Estimativa da prevalência da hanseníase pela investigação em demanda inespecífica de agências de saúde. Rev Saúde Pública 1990; 24(3):178-85.
7 Lana FCF, Lima RF, Araújo MG, Fonseca PT. Situação epidemiológica da hanseníase no município de Belo Horizonte/MG - Período 92/97. Hansen int 2000; 25(2):121-32.
8 Roquete AFO, Feitosa DB, Diniz LVG, Madalena M, Lins, MD. Avaliação das incapacidades em pacientes hansênicos atendidos nos serviços públicos de saúde do Distrito Federal, com alta em 1995. Rev Saúde Dist Fed 1997; 8(1):27-40.
9 Aquino DM, Caldas AJ, Silva AA, Costa JM. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop 2003; 36(1):57-64.
10 Chisi JE, Nkhoma A, Zverev Y, Misiri H, Komolafe O. Leprosy in Nkhotakota District Hospital. East Afr Med J 2003; 80(12):635-9.
11 Figueiredo IA, da Silva AA. Aumento na detecção de casos de hanseníase em São Luís, Maranhão, Brasil, de 1993 a 1998: a endemia está em expansão? Cad Saúde Publica 2003; 19(2):439-45.
12 Bakker MI, Hatta M, Kwenang A, Klatser PR, Oskam L. Epidemiology of leprosy on five isolated islands in the Flores Sea, Indonesia. Trop Med Int Health Sep 2002; 7(9):780-7.
13 Lana FC, Lanza FM, Velasquez-Melendez G, Branco AC, Teixeira S, Malaquias, LC. Distribuição da hanseníase segundo sexo no Município de Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Hansen int 2003; 28(2):131-37.
14 Oliveira SN, Hennemann GV, Ferreira FL, Azevedo AS, Forster AC. Avaliação epidemiológica da hanseníase e dos serviços
responsáveis por seu atendimento em Ribeirão Preto-SP no ano de 1992. Medicina (Ribeirão Preto) 1996; 29(1):114-22.
15 Aquino DM, Santos JS, Costa JM. Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil, 1991-1995. Cad Saúde Pública 2003; 19(1):119-25.
16 Ignotti E, Rodrigues AM, Andrade VLG, Valente JG. Aplicação de métodos de estimativa da prevalência de hanseníase no Estado de Mato Grosso. Rev bras epidemiol. 2004 Jun [citado 08 Fevereiro 2006]; 7(2):155-66. Disponível em: http://test.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415.
17 Organización Panamericana de La Salud. Definiciones de Caso: hepatitis vírica aguda; lepra. Boletim Epidemiológico jun 2002; 23(2):15-6. Disponível em: http://www.paho.org/spanish/sha/EB_v23n2.pdf.

Downloads

Publicado

30-06-2006

Como Citar

1.
Longo JD da M, Cunha RV da. Perfil clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase atendidos no hospital universitário em campo Grande, Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1994 a julho de 2005. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2006 [citado 21º de abril de 2024];31(1):9-14. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35210

Edição

Seção

Artigos de investigação científica