Reação reversa com vasculites granulomatosas e lesões cutâneas necrosantes e ulcerativa

Autores

  • Consuelo Maria Santos de Albuquerque Nascimento Médica Residente em Dermatologia do 2.º ano do Programa de Residência Médica do Instituto “Lauro de Souza Lima”, Bauru, SP.
  • Raul Negrão Fleury Médico Patologista e Pesquisador Emérito do Instituto “Lauro de Souza Lima”. Doutor em Patologia.
  • Jaison Antônio Barreto Médico Dermatologista e Diretor Técnico do Serviço de Epidemiologia do Instituto Lauro de Souza Lima. Bauru, SP. Mestre em Pesquisas Laboratoriais em Saúde Pública.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2006.v31.35215

Palavras-chave:

Hanseníase, reação reversa, vasculites granulomatosas

Resumo

Um indivíduo com 49 anos de idade recebe o diagnóstico de Hanseníase Virchoviana sub-polar. Ele referiu, durante os prévios 11 anos, sintomas, principalmente neurológicos, característicos de hanseníase, mas este diagnóstico não foi definido nos serviços médicos que freqüentou. Após 6 meses de poliquimioterapia passou a apresentar neurites que foram tratadas como reação tipo 2. Em um último episódio apresentou febre, mal estar, mialgias e lesões necróticas e ulcerativas nos membros, nádegas, dorso, pavilhão auricular esquerdo. O aspecto clínico destas lesões era semelhante as lesões observadas no fenômeno de Lúcio e no Eritema nodoso necrosante. As biópsias mostram alterações da microvasculatura superficial, necrose epidérmica e dérmica, similares a estas reações, mas as alterações básicas são vasculites granulomatosas no derma profundo e tecido celular subcutâneo. Estes aspectos clínicos e histopatológicos são interpretados e discutidos como reação tipo 1 (reação reversa) com envolvimento vascular predominante.

Referências

1. AZULAY RD. Doença auto-agressiva hansênica. An Bras Dermatol 1981; 56(3):159-64, 1981.
2. LATAPI F, CHEVEZ ZAMORA A. The “spotted” leprosy of Lucio (la lepra manchada de Lucio): an introduction of its clinical histological study. Int J Lepr 1948; 16:421-9.
3. HARTER P, TRINK-KIN-MONG-KLON. Formes escariotiques d’erythema nodosum leprosum et leur relations avec le phenomene de Lucio. Bulletin de la societe de pathologie exotique 55 1962; 55:993-1024.
4. CALUX MJF. Contribuição ao estudo do Eritema necrosante (Fenômeno de Lúcio) na hanseníase. [Tese] São Paulo: Universidade de São Paulo: Faculdade de Medicina, 1989.
5. JOPLING WH. Handbook of leprosy. London: William Heinemann Medical Books, 1971.
6. FLEURY RN, URA S, BORGES, MB, GHIDELLA CC, OPROMOLLA DVA. Panarterites cutâneas como manifestações tardias do eritema nodoso hansênico. Hansen int 1999;24(2):109-14.
7. FLEURY RN, URA S, MARTELLI AC, DELANINA WFB, OPROMOLLA DVA. Manifestação tardia do Eritema nodoso hansênico, com arterites necrosantes e exsudativas, arterites cicatriciais, livedo reticular, nódulos e placas reacionais com focos de necrose. Hansen int 2001;26(1):37-42.
8. FLEURY RN, ZORZETO V, TONELLO CS, PERNAMBUCO JCA. Surto de pseudoexacerbação em paciente dimorfo com vasculites granulomatosas específicas disseminadas. Hansen int 1980;5(1), 44-52.

Downloads

Publicado

30-06-2006

Como Citar

1.
Nascimento CMS de A, Fleury RN, Barreto JA. Reação reversa com vasculites granulomatosas e lesões cutâneas necrosantes e ulcerativa. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2006 [citado 7º de dezembro de 2022];31(1):41-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35215

Edição

Seção

Seção anátomo-clínica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>