Tendência secular da detecção da hanseníase no município de Maringa - PR, 1977/1986

Autores

  • Clovis Lombardi Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo / Secretaria de Saúde de São Paulo.
  • Thaís B. Junqueira Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Enfermagem/Área de Saúde Pública.
  • Marta Rita de A. Garcia Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Enfermagem/Área de Saúde Pública.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.1988.v13.35523

Palavras-chave:

Hanseníase, Epidemiologia, Maringá, Estado do Paraná, Brasil

Resumo

Estudo dedicado a analisar o comportamento da hanseníase no município de Maringá – PR. Foram estudadas 348 fichas clínico-epidemiológicas de pacientes portadores de hanseníase no período compreendido entre 1977 e 1986. Verificou - se um maior percentual das formas clínicas Virchowiana + Dimorfa, prevalecendo na faixa etária economicamente ativa, o que não difere de estudos anteriormente realizados por Belda & Lombardi2,3, por Asseis at al1. São apresentadas tabelas e figuras da distribuição da doença segundo sexo, naturalidade, ano de detecção, forma clínica, idade na ocasião do diagnóstico, tempo do início dos sintomas até diagnóstico com breves comentários, e sua importância para a avaliação epidemiológica da hanseníase neste município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 ASSEIS, E. A.; TORNERO, N.; MAGALHAES, LB.; PRISCINOTTI, T.; BARTH, Y.L.; CASAGRADE, N.A. Alguns aspectos sobre a hanseníase na região de Londrina - PR, 1968-1978 - 1 Características gerais. Hansen. Int. 6 (1): 55-62, 1981.
2 BELDA, W. & LOMBARDI, C. Situação da hanseníase no Estado de São Paulo em 1978. Hansen Int. 4(1): 15-25, 1979.
3 BELDA, W. & LOMBARDI, C. A incidância da hanseníase no Estado de São Paulo em 1978. Hansen Int. 4(2): 98-112, 1979.
4 CUNHA, F. M. B., et al Hanseníase no município de Crato - CE 1981-1985. Rev. Med. HGS - (INAMPS) 2(2): 67-74, 1985.
5 GONÇALVES, A. Epidemiologia e Controle da Hanseníase no Brasil. Brasília, Ministério da Saúde, 1983. 42 p. (Apresentado à Oficina de Trabalho para o Controle da Hanseníase no Brasil,OPS/OMS-DNS/MS, 1983).
6 LIVAROTO, F. ET AL, Aspectos Epidemiológicos da hanseníase em Uberlândia, Minas Gerais. (1973-1983) Rev. Ass. Med. Brasil 33,. (6/5), 1987.
7 MINISTÉRIO DA SAÚDE, SECRETARIA NACIONAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS DE SAÚDE. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Portaria nº 01, de 11 de agosto de 1988. Brasilia, 1988.
8 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------, Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária.
Relatório da Reunião do Grupo Assessor em Registro de dados da DNS. Rio de Janeiro, abril, 1984 (mimeo).
9 SECRETARIA DE SAÚDE E DO BEM ESTAR SOCIAL - FUNDAÇÃO DE SAÚDE CAETANO MUNHOZ DA ROCHA - FSCMR - Boletins Informativos. Curitiba, v.6, n° 4, dezembro de 1986.
10 SECRETARIA DE SAÚDE E BEM ESTAR SOCIAL. Prefeitura do Município de Maringá - Proposta de Municipalização dos Serviços de Saúde, Maringá - PR, 1987. 52p. (mimeo).
11 WORLD HEALTH ORGANIZATION, WHO. Expert Comitee on Leprosy. Geneva, novembro, 1987. 54p. (mimeo).

Downloads

Publicado

30-06-1988

Como Citar

1.
Lombardi C, Junqueira TB, Garcia MR de A. Tendência secular da detecção da hanseníase no município de Maringa - PR, 1977/1986. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 1988 [citado 21º de fevereiro de 2024];13(1):1-12. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35523

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)