Folder de exercícios terapêuticos para pessoas com incapacidades físicas causadas por hanseníase

Autores

  • Terezinha de Jesus Carvalho Araújo Filha Mestre em Patologia das Doenças Tropicais pelo Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Federal do Pará- NMT/UFPA - (Fisioterapeuta).

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2014.v39.36179

Resumo

O objetivo deste estudo foi elaborar, com a colaboração dos pacientes, um folder que auxiliasse a prescrição de exercícios terapêuticos, a pessoas com incapacidades físicas causadas pela hanseníase. A pesquisa foi descritiva, qualitativa e observacional. A amostra total correspondeu a 148 pacientes com indicação de fisioterapia que participaram do estudo em três etapas. Na primeira etapa, foram avaliados 118 sujeitos para definir o perfil clínico epidemiológico, identificar incapacidades físicas e verificar a indicação de exercícios terapêuticos. Destes, 21 foram acompanhados durante as sessões de fisioterapia, sendo, colhidos dados referentes ao desempenho durante a realização dos exercícios prescritos. Ao final, foram elaborados dois modelos iniciais de folders com exercícios para mãos e pés. Na segunda etapa, 23 sujeitos, dos quais 18 provenientes da 1ª etapa e 5 incluídos, testaram a viabilidade dos folders. Após esta fase, os modelos iniciais de folders foram modificados quanto ao texto, ilustrações e diagramação. Na terceira etapa, 42 sujeitos, destes 17 faziam parte da amostra da 1ª etapa e 25 incluídos, testaram os modelos de folders resultantes na 2ª etapa. Ao término, elaboraram-se dois modelos finais de folders: um com exercícios para face/mãos/pés e o outro somente com exercícios para mãos. Na confecção dos folders finais, foram utilizadas linguagem verbal e não verbal -desenhos- para demonstrar a execução dos exercícios, associadas ao sistema numérico arábico para facilitar a compreensão da prescrição. Os folders permitiram a escolha de programas de exercícios diferentes de acordo com o nível de comprometimento neural; independente da idade e instrução dos pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 World Health Organization. Global leprosy update, 2013.Wkly Epidemiol Rec. 2014;89(36):389–400.
2 Ministério da Saúde (BR), Sistema de Vigilância Sanitária, Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Percentual de grau de incapacidade 2 entre os casos novos de hanseníase. Estados e regiões, Brasil, 2001 a 2013 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde;2014. [citado em 2014 Maio 02]. Disponível em:<http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/01/Grau-de-incapacidade-2.pdf>
3 Nardi SMT, Paschoal VDA, Chiaravalloti-Neto F, Zanetta DMT. Deficiências após a alta medicamentosa da hanseníase: prevalência e distribuição espacial. Rev Saúde Pública. 2012;46(6):969-77.
4 Monteiro LD, Alencar CHM, Barbosa JC, Braga KP, Castro MD, Heukelbach J. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. CadSaúdePública. 2013;29(5):909-205 Castro EC, Cunha AJLA, Fontana AP, Halfoun VLRC, Gomes MK. Physical disability and social participation in patients affected by leprosy after discontinuation of multidrug therapy. Lepr Rev. 2014 Set; 85(3):208-17.
6 Organização Mundial de Saúde. Estratégia global aprimorada para redução adicional da carga da hanseníase: 2011-2015: diretrizes operacionais (atualizadas). Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2010.
7 Virmond MCL. Alguns apontamentos sobre a história da prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase no brasil. Hansen Int. 2008;33(2 Suppl 1):13-8.
8 Brandsma JW. Prevention of disability in leprosy: the different levels. Indian J Lepr. 2011 Jan-Mar;83(1):1-8.
9 Duerksen F. Reabilitação. In: Opromolla DVA, Baccarelli R, organizadores. Prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase. Bauru: Instituto Lauro de Souza Lima; 2003. p.3-4.
10 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de prevenção de incapacidades. 3a edrev e ampl. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.
11 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica. Hanseníase: cuidados para evitar complicações. 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.
12 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Autocuidado em hanseníase: face, mãos e pés.Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
13 Kisner C. Exercícios terapêuticos: conceitos básicos. In: Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5a ed. São Paulo: Manole; 2009.p.1-37.
14 Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CMF. Fatores preditivos de incapacidades em pacientes com hanseníase. Rev Saúde Pública. 2009;43(2):267-74.
15 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Serviços especializados: serviço de fisioterapia. [Internet]. 2015.[citado em: 14 Jul 2015] Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/Mod_Ind_Especialidades_Listar.asp?VTipo=126&VListar=1&VEstado=15&VMun=&VComp=00&VTerc=00&VServico=126&VClassificacao=&VAmbu=&VAmbuSUS=&VHosp=&VHospSus=
16 BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 3125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 out. 2010. Seção 1, p.55.
17 Mccormick CA, Rath S, Patra PN, Pereira J, Wilkinson M. A qualitative study of common functional problems experienced by people with complete ulnar nerve paralysis. Lepr Rev. 2008 Jun;79(2):154–61.
18 Miranzi1 SSC, LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop. 2010 Jan-Fev;43(1):62-7.
19 Baldan SS, Santos BMOS. Hanseníase: uma abordagem na perspectiva de promoção de saúde. Hansen Int. 2012;37(2):11-21.
20 Pieri FM, Ramos ACV, Crispim JA, Pitiá ACA, Rodrigues, LBB, Silveira, TRS, et al. Fatores associados às incapacidades em pacientes diagnosticados de hanseníase: um estudo transversal. Hansen Int.2012;37(2):22-30.
21 Santos AK, Ribeiro APG, Monteiro S. Hanseníase e práticas da comunicação: estudo da recepção de materiais educativos em um serviço de saúde no Rio de Janeiro. Interface. 2012 Jan-Mar;16(40):205-18.
22 Santos MF, Arruda B,Cervenka FV, Assunção K. A confecção de folder informativo para prevenção de incapacidades de pessoas com hanseníase: uma experiência da terapia ocupacional.Hansen Int. 2012;37(2 Suppl.1):89.
23 Kelly-Santos A, Monteiro SS, Ribeiro APG. Acervo de materiais educativos Sobre hanseníase: um dispositivo da memória e das práticas comunicativas. Interface. 2010 Jan-Mar;14(32):37-5.
24 Ministério da Saúde (BR). O HumanizaSUS na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Downloads

Publicado

30-11-2014

Como Citar

1.
Araújo Filha T de JC. Folder de exercícios terapêuticos para pessoas com incapacidades físicas causadas por hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2014 [citado 25º de abril de 2024];39(2):3-18. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36179

Edição

Seção

Artigos originais