Avaliação das deficiências físicas em pessoas com hanseníase empregando dois indicadores: Grau de Incapacidades e Eyes-Hands-Feet

Autores

  • Susilene Maria Toneli Nardi Mestre, Terapeuta Ocupacional, Pesquisadora Científica do Instituto Adolfo Lutz- São José do Rio Preto-SP.
  • Luciana Pianta da Cruz Especialista, Enfermeira do Trabalho Construtora Andrade Gutierrez SA. – Santos-SP.
  • Heloisa da Silveira Paro Pedro Mestre, Bióloga, Pesquisadora Científica do Instituto Adolfo Lutz – São José do Rio Preto-SP.
  • Lúcia Helena Soares Camargo Marciano Mestre, Terapeuta Ocupacional, Pesquisadora Científica do Instituto Lauro de Souza Lima.
  • Vânia Del’Arco Paschoal Doutora, Enfermeira, docente da FAMERP, Departamento de Enfermagem e Saúde Coletiva – DESCOP.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.36205

Palavras-chave:

hanseníase, pessoas com deficiência, incapacidades e saúde, morbidade, epidemiologia

Resumo

O objetivo foi avaliar e comparar o grau de deficiência física nos olhos, mãos e pés com as formas clínicas no diagnóstico e na alta medicamentosa, com base nos indicadores “ (GI-OMS)” e no escore (EHF). Trata-se de estudo retrospectivo descritivo e transversal. Com a utilização de um protocolo próprio analisou-se prontuários de 384 indivíduos diagnosticados com hanseníase no período de 1994 a 2006. A média de idade foi de 51,7 anos e 62,8% pacientes eram multibacilares, com predomínio da forma Dimorfa (40,4%). Dos casos avaliados, 33,2% e 25,9% apresentaram algum tipo de deficiência no diagnóstico e na alta, respectivamente. A forma clinica virchoviana foi a que mais apresentou deficiências (47% no diagnóstico e 39,4% na alta) e os membros inferiores o segmento mais acometido (18,2%). Houve melhora das deficiências na maioria das formas clínicas (valor-p<0,05). De acordo com a análise dos dois indicadores, o quadro clínico ficou inalterado em 76,3% dos casos, 15,5% melhorou e 8,2% pioraram. A análise das deficiências por meio do GI-OMS e do EHF permite uma avaliação mais sensível e critica da situação dos segmentos acometidos na hanseníase. Na comparação das deficiências apresentadas no diagnóstico e na alta medicamentosa, houve melhora significativa das deficiências na maioria das formas clínicas e os membros inferiores são os segmentos mais acometidos na hanseníase.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Gamboa LA, Paredes M. Compromisso neurologico en la lepra. Univ Méd 2003 [citado 2007 Maio 2];44(4). Disponível em: http://med.javeriana.edu.co/publi/vniversitas/serial/v44n4/0041%20lepra.pdf 12
2 Opromolla D. Aspectos gerais sobre a hanseníase. In: Duerksen F, Virmond M. Cirurgia reparadora em hanseníase. Bauru: Instituto Lauro de Souza Lima; 1997. p. 25-34.
3 Mendoza GA, Rairz VG, Vargas LCO. Fisiopatología y rehabilitación en el paciente de lepra. Bogotá: AYUDA
Alemanha los enfermos de Lepra; 1988.
4 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica
de Dermatologia Sanitária. Manual de Prevenção de Incapacidades. Brasília (DF); 2001.
5 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de
Dermatologia Sanitária. Guia para o Controle da Hanseníase. Brasília (DF); 2002.
6 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de prevenção de incapacidades. 3ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008.
7 Ministério da Saúde (BR). Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil. Brasília (DF); 2008 .
8 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de atenção básica. Guia para o controle da hanseníase. Brasília (DF); 2002.
9 Ebenso J, Ebenso BE. Monitoring impairment in leprosy:choosing the appropriate tool. Lepr Rev 2007;78(3):270-80.
10 The International Federation of Anti-Leprosy Association. A interpretação dos indicadores epidemiológicos da lepra [monografia na Internet]. London (GB) [citado 2008 Abr 13]. Disponível em: http://www.ilep.org.uk/fileadmin/uploads/Documents/Technical_Guides/tbepipor.pdf
11 Nardi SMT, Marciano LHSC, Virmond MCL, Baccarelli R. Sistemas de informação e deficiências físicas na hanseníase. Bol Epidemiol Paul 2006 Mar [citado 2007 Abr 19];3(27). Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa27_ilsl.htm
12 Brandsma W, Van Brakel WH. Who disability grading: operational definitions. Lepr Rev 2003;74(4):366-73.
13 Nienhuis NA, Van Brakel WH, Butlin CR, Van Der Werf TS. Measuring impairment caused by leprosy: inter-tester reliability of the WHO disability grading system. Lepr Rev 2004;75(3):221-32.
14 Van Brakel WH, Reed NK, Reed DS. Grading impairment in leprosy. Lepr Rev 1999;70(2):180-8.
15 Croft RP, Nicholls PG, Steyerberg EW, Richardus JH, Cairns W, Smith S. A clinical prediction rule for nerve-function impairment in leprosy patients. Lancet 2000;355(9215):1603-6.
16 Organização Mundial da Saúde Estratégia global aprimorada para redução adicional da carga da hanseníase: período do plano 2011-2015. Brasília (DF): Organização Mundial da Saúde; 2010. 44 p.
17 Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CMF. Fatores preditivos de incapacidades em pacientes com hanseníase. Rev Saúde Pública [periódico na Internet]. 2009 Abr [citado 2011 dez 20];43(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000200007
18 Raposo MT, Raposo AVC, Sanchez- González MA, Medeiros JLA, Nemes MIB. Avaliação de incapacidades em pessoas vivendo com hanseníase: análise do grau de incapacidade em Campina Grande, Paraíba. Cad Saúde Colet 2009;17 (1):221-3.
19 Meima A, Saunderson PR, Gebre S, Desta K, Habbema JD. Dynamics of impairment during and after treatment: the AMFES cohort. Lepr Rev 2001;72(2):158-70.
20 Virmond MCL. Alguns apontamentos sobre a história da prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase no Brasil. Hansen Int 2008;33 2 Suppl 1:13-8.
21 Antonio JR, Soubhia RMC, Paschoal VD, Oliveira GB, Rossi NCP, Maciel MG, et al. Avaliação epidemiológica dos estados reacionais e incapacidades físicas em pacientes com hanseníase na cidade de São José do Rio Preto. Arq Ciênc Saúde 2011;18(1):9-14.
22 Ferreira IN, Alvarez RRA. Hanseníase em menores de quinze anos no município de Paracatu, MG (1994 a 2001). Rev Bras Epidemiol 2005;8(1):41-9.
23 Declercq E. Reflections on the new WHO leprosy indicator: the rate of new cases with grade 2 disabilities per 100,000 population per year. Lepr Rev 2011;82(1):3-5.
24 Moschioni C, Antunes CMF, Grossi MAF, Lambertucci JR. Risk factors for physical disability at diagnosis of 19,283 new ases of leprosy. Rev Soc Bras Med Trop 2010;43(1):19-22.
25 Vieira CSC, Silva EM. Ações de prevenção de incapacidades em hanseníase no Ambulatório Regional de Taubaté nos anos 90. Hansen Int 2002;27(1):14-22.
26 Oliveira MHP. Incapacidades físicas em portadores de hanseníase [tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 1987.

Downloads

Publicado

30-11-2011

Como Citar

1.
Nardi SMT, Cruz LP da, Pedro H da SP, Marciano LHSC, Paschoal VD. Avaliação das deficiências físicas em pessoas com hanseníase empregando dois indicadores: Grau de Incapacidades e Eyes-Hands-Feet. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2011 [citado 27º de fevereiro de 2024];36(2):9-15. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36205

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>