Análise do protocolo complementar de investigação diagnóstica dos casos de hanseníase em menores de 15 anos nos municípios prioritários do estado do Rio de Janeiro em 2009 e 2010

Autores

  • Diana Mary de Araújo Melo Flach Gerência de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. - Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.
  • Maria Inês Fernandes Pimentel Gerência de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.
  • Marilda Andrade Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.
  • Maria Eugênia Noviski Gallo Gerência de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.36207

Palavras-chave:

Hanseníase, Crianças, Adolescentes, Epidemiologia

Resumo

Introdução: A ocorrência de hanseníase em crianças e adolescentes é preocupante porque seu aumento é
considerado indicador de maior gravidade da endemia hansênica. O Ministério da Saúde instituiu, em 2008, o Protocolo Complementar de Investigação Diagnóstica em Menores de 15 Anos (PCID < 15), a ser preenchido pelos profissionais das unidades de saúde quando diagnosticado um caso de hanseníase nesta faixa etária. O presente estudo pretendeu analisar criticamente as informações contidas nas fichas do PCID < 15, nos municípios prioritários do estado do Rio de janeiro. Métodos: Foi realizado estudo seccional retrospectivo, utilizando análise estatística descritiva das informações contidas nos registros dos PCID < 15 nos anos de 2009 e 2010, dos municípios considerados prioritários para a Gerência de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Foi analisada a completitude dos campos, incluindo a consistência das informações daqueles referentes à classificação operacional e número de lesões de pele, além da análise epidemiológica das 172 fichas incluídas no estudo. Resultados: O percentual de preenchimento foi excelente, na maioria dos campos; 15,4% destes tiveram percentual de preenchimento considerado regular (itens “prontuário”, “tempo de residência”, “número de pessoas da família com problemas de pele”, e “cicatriz de BCG”). Não foi analisada a porcentagem de preenchimento do campo “grau de incapacidade física”. Ocorreu forte concordância (coeficiente Kappa k = 0,76, p < 0,0001) entre os campos “número de lesões de pele” e “classificação operacional”, com apenas 7% de casos inconsistentes. Houve discreto predomínio feminino, 92,3% dos casos entre 5 e 14 anos, 71,6% com diagnóstico 6 ou mais meses após o surgimento dos primeiros sinais e sintomas, em 58,6% dos pacientes havia história de hanseníase na família, 85% dos casos tinham até 5 lesões de pele e 83,6% tinham cicatriz de BCG. De 127 pacientes com este campo preenchido, 88,1% não tinham incapacidades relacionadas à hanseníase, e estas predominaram na faixa etária de 5 anos ou mais. Conclusões: Apesar de refletir a situação epidemiológica dos pacientes me-nores de 15 anos com hanseníase, considerando a duplicação das informações no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN-hanseníase) e na PCID < 15, uma vez que este seja mantido pelo Ministério da Saúde, consideramos ser importante o aprimoramento de fragilidades observadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 ALENCAR, Carlos Henrique Moraes de et al. Hanseníase no município de Fortaleza, CE, Brasil: aspectos epidemiológicos e operacionais em menores de 15 anos (1995 – 2006). Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. esp., p. 694-700, 2008.
2 BAIALARDI, Katia Salomão. O estigma da hanseníase: relato de uma experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansenologia Internationalis, v. 32, n. 1, p. 27-35, 2007.
3 BRASIL. Ministério da Saúde. Hanseníase. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1466 Acesso em 07de fevereiro de 2012.
4 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Brasília, 2010.
5 BRASIL. Ministério da Saúde. Roteiro para uso do SINAN net, análise da qualidade da base de dados e cálculo de indicadores epidemiológicos e operacionais (Versão Preliminar). Brasília: SVS, 2008b.
6 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. 2. ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2008c. 195 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos - Cadernos de Atenção Básica, n. 21).
7 BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Nota Técnica nº 14/2008 PNCH/DEVEP/SVS/MS. Brasília, 2008e.
8 Brasil. Ministério da Saúde. Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/graf_1_1_situacao_epidemiologica_2010.pdf Acesso em 24 de janeiro de 2012.
9 DUPPRÉ, N. C. Efetividade da vacinação com BCG na proteção contra a hanseníase entre os contactantes de formas multibacilares de hanseníase. 1998. 99 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública)-Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro, 1998.
10 FLACH, D M A M, et al. Análise da série histórica do período de 2001 a 2009 dos casos de hanseníase em menores de quinze anos, no Estado do Rio de Janeiro. Hansenologia Internationalis, v. 35, n. 1, p. 13-20, 2010.
11 IMBIRIBA, E B, Hurtado-Guerrero J C, Garnelo L, Levino A, Cunha M G, Pedrosa V. Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998-2005. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 6, p. 1021-1026, 2008.
12 LANA, F C F, Amaral E P, Lanza F M, Lima P L, Carvalho A C N, Diniz L G. Hanseníase em menores de 15 anos no Vale do Jequitinhonha - MG. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 6, nov./dez. 2007.
13 SOUZA, Claudia Fernanda Dias et al. A importância do diagnóstico precoce de hanseníase na prevenção de incapacidades. Hansenologia Internationalis, v. 35, n.2, p. 61-66, 2010.
14 VALLE, C L P e et al. Situação da hanseníase no estado do Rio de Janeiro no período de 2001 a 2009. Revista do Hospital Pedro Ernesto - UERJ, ano 10, p. 9-19, jan./mar. 2011.

Downloads

Publicado

30-11-2011

Como Citar

1.
Flach DM de AM, Pimentel MIF, Andrade M, Gallo MEN. Análise do protocolo complementar de investigação diagnóstica dos casos de hanseníase em menores de 15 anos nos municípios prioritários do estado do Rio de Janeiro em 2009 e 2010. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2011 [citado 22º de junho de 2024];36(2):25-36. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36207

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)