Reação hansênica em pacientes portadores de hanseníase em centros de saúde da área de planejamento 3.2 do município do Rio de Janeiro

Autores

  • Slete Ferreira da Silva Mestre em Saúde Pública. Enfermeira do Centro Saúde Escola Germano Sinval Faria. ENSP. FIOCRUZ.
  • Rosane Hart Griep Doutora em Ciências, Pesquisadora do Laboratório de Educação, Saúde e Ambiente do Departamento de Biologia – IOC/FIOCRUZ

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.36301

Palavras-chave:

hanseníase, epidemiologia, complicações, reação hansênica

Resumo

A reação hansênica é um dos maiores problemas no manejo dos pacientes portadores de hanseníase, no programa de controle da endemia. Muitos pacientes, durante o tratamento ou mesmo após a alta, buscam a unidade de saúde com complicações clínicas caracterizadas por processo inflamatório, acompanhado de dor, mal estar e, algumas vezes, piora do grau de incapacidade. O desconhecimento da magnitude do problema da reação hansênica no município do Rio de Janeiro dificulta o planejamento de seu efetivo controle pelo programa de controle desta endemia. Este estudo demonstrou a freqüência dos estados reacionais em pacientes de unidades básicas de saúde da Área de Planejamento (AP.) 3.2, tratados para hanseníase com poliquimioterapia padrão OMS no período de 1991 - 2004. Neste estudo verificou-se o perfil sócio-demográfico e clínico associados à ocorrência de episódios reacionais nos pacientes do estudo. Trata-se de estudo do tipo coorte não concorrente, cuja fonte de dados foi 667 prontuários. Identificou-se que a maioria dos portadores de hanseníase tinha idade entre 35 e 54 anos; eram mulheres (52,3%), casadas e referiram baixo nível de escolaridade. A presença de reação foi constatada em 43,5% dos prontuários avaliados. A freqüência de reações foi mais elevada entre as seguintes características: homens 49,4% (157), formas clínicas dimorfa e virchowiana, baciloscopia positiva, graus de incapacidade “zero” e “um” e tratamento acima de 12 doses. Estas características deveriam ser levadas em conta no cuidado aos portadores de hanseníase, para que a detecção precoce das reações e a instituição do tratamento específico pudessem diminuir a possibilidade de instalação de incapacidades físicas e seqüelas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Hastings RC. Leprosy - Medicine in the Tropics. New York: 1 Churchill Livingstone; 1985.
2. Andrade M. A cura como conceito vivido: o ex-sistir das 2 pessoas que se submeteram a poliquimioterapia para tratamento da hanseníase [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1997.
3. Foss NT, Goulart IMB, Gonçalves HS,Virmond M. Han3 seníase: Episódios Reacionais. Simpósio: Urgências e Emergências Dermatológicas e Toxicológicas. SociedadeBrasileira de Hansenologia e Sociedade Brasileira de Dermatologia. Disponível em: http://www.fmrp.usp.br/revista/2003/36n2e4/37episodios_reacionais_hanseniase.pdf.
4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase. (Série Cadernos de Atenção Básica, 10). Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
5. Nery JAC. Reação na Hanseníase: uma descrição epidemiológica. [dissertação de mestrado]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 1995.
6. Oliveira CR, Alencar MJF, Santana SC, Nascimento GF, Neto SAS. Estudo dos fatores que influenciaram a inadequação do diagnóstico e acompanhamento dos estados reacionais nos pacientes com hanseníase no estado de Rondônia. In: Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças, 3; 2004; Brasília; Brasil.
7. Pimentel MIF. Neurites na Hanseníase: significado de parâmetros clínicos e epidemiológicos na indução e agravamento das incapacidades físicas em pacientes multibacilares [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1998.
8. Coeli CM, Faerstein E. Estudos de Coorte. In: Medonho et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu; 2002. p. 161-73.
9. Gallo Men, Nery JAC, Albuquerque ECA, Sigmorelli M, Filho VFS. Hanseníase multibacilar: índices baciloscópicos e viabilidade do M. leprae após 24doses da PQT/OMS. In: Anais brasileiros de Dermatologia; 2000; Rio de Janeiro, Brasil. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Dermatologia.
10. Miranda MBS. Reações Hansênicas: estudo comparativo com esquemas poliquimioterápicos no Distrito Federal [dissertação de mestrado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2005.
11. Ustianowski AP, Lockwood DNJ. Leprosy current diagnostic and treatment approaches. Curr. Opin. Infect. Dis. oct.2003; 16(5): 421-7.
12. Lochwood DNJ, Vinayakumar S, Stanley JNA, McAdam KPWJ, Colston MJ. Clinical features and outcome of reversal (Type 1) reactions in Hyderabad. International Journal of Leprosy 1992; 61(1): 8–15.
13. Saunderson P, Gebre S, Byass P. Enl reactions and impairments in the multibacillary cases of the AMFES cohort in central Ethiopia: incidence and risk factors. Leprosy Review 2000; (71): 318-24.
14. Manandhar R, Lemaster JW, Roche P. Risk factors for erythe ma nodosum leprosum. International Journal of Leprosy 1999; (67): 270-8.
15. Lienhardt C, Fine PEM. Type 1 reaction, neurits and disability in leprosy. What is the current epidemiological situation? Leprosy Review 1994; (65): 9-33.
16. Talhari S, Neves RG, Penna GO, Oliveira MLW. Hanseníase – Dermatologia Tropical. 4 ed. Manaus; 2006.
17. Gillis TP, Krahehbuhl JL. Global elimination of leprosy. Reviews in Medical Microbiology 1998; (9): 39-48.
18. Rijk AJ, Gabre S, Byass P, Berhanut T. Field evaluation of WHO-MDT of fixed duration at ALERT, Ethiopia. The AMFES project – II. Reaction and neurits during and after MDT in PB and MB leprosy patients. Leprosy Review 1994; (65): 320-32.

Downloads

Publicado

30-11-2007

Como Citar

1.
Silva SF da, Griep RH. Reação hansênica em pacientes portadores de hanseníase em centros de saúde da área de planejamento 3.2 do município do Rio de Janeiro. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2007 [citado 21º de abril de 2024];32(2):155-62. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36301

Edição

Seção

Artigos originais