Freqüência de avaliações e seu impacto na prevenção das incapacidades físicas durante o tratamento dos pacientes com hanseníase

Autores

  • Susilene Maria Tonelli Nardi Mestre em Ciências da Saúde – Epidemiologia Clínica pela FAMERPFaculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP; Terapeuta Ocupacional, PqcI Instituto Lauro de Souza Lima - Bauru
  • Vânia Del’Arco Paschoal Doutora em Ciências da Saúde. Professora Adjunta de Ensino do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
  • Dirce Maria Trevisan Zanetta Doutora em Medicina. Departamento de Epidemiologia e Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - SP

Palavras-chave:

avaliação, hanseníase, prevenção, incapacidades

Resumo

A avaliação periódica de prevenção de incapacidades físicas é parte integrante do acompanhamento do paciente com hanseníase. O objetivo deste estudo foi comparar a evolução das incapacidades de pacientes atendidos em dois serviços com freqüências de avaliação diferentes, no período de janeiro de 1994 a dezembro de 1999, de 30 pacientes atendidos em José Bonifácio, SP, que segue a freqüência de atendimentos sugerida pelo Ministério da Saúde e de 98 pacientes atendidos em São José do Rio Preto, SP que avalia os pacientes com maior freqüência. Foram criados seis índices para avaliar a evolução das incapacidades, comparando os resultados no fim do tratamento com os obtidos na avaliação inicial. Apresentaram algum tipo de incapacidade no diagnóstico todos os casos multibacilares e 86,7% dos paucibacilares em José Bonifácio; e em São José do Rio Preto, 75% dos multibacilares e 59% dos  paucibacilares. Os índices de incapacidades no Nariz e de Força dos Membros Superiores e Inferiores mostraram que estas foram pouco freqüentes; e, melhoraram ou mantiveram-se inalteradas, ao longo do tratamento, nos dois municípios. Houve evolução mais satisfatória para São José do Rio Preto, comparado a José Bonifácio, do Índice Geral, do Índice do Olho e do Índice da Sensibilidade do Membro Superior. A avaliação regular e adequada, tanto na investigação quanto no monitoramento das funções neurais, norteiam o profissional a realizar ações que evitem a evolução dos comprometimentos causados pelo dano neural na hanseníase, principalmente nos olhos, nas variáveis que dizem respeito à sensibilidade dos membros superiores e no índice geral.

Referências

1 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas da Saúde. Departamento de atenção básica. Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Manual de Prevenção de Incapacidades. Brasília: Ministério da Saúde 2001. 107 p.
2 Roquete AFO, Feitosa DB, Diniz LVG, Madalena M, Lins MD. Avaliação das incapacidades em pacientes hansênicos, atendidos nos serviços públicos de saúde do Distrito Federal com alta em 1995. Rev saúde Dist Fed 1997;8(1):27-40.
3 Secretaria de Estado da Saúde (SP), Guedes JS, Jacintho L, Morais JC, Brasil MTLRF, Nogueira W. Relatório da endemia hansênica Estado de São Paulo. [mimeo]:1997.
4 World Health Organization (WHO). Global leprosy situation in 2003.[online]. Cited 2004 Junho 14. Available from: http://www.who.int/lep/stat 2002/Global 02.htm.
5 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Sistema de agravos de notificação (SINAN). Prevalência e detecção da hanseníase segundo Unidade Federada-Brasil. [online]. São Paulo 2005. [citado
2005 18 outubro]. Disponível em: http://hanseniase.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?hans/hanswsp.def
6 Ministério da Saúde (BR). Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino serviço. Rio de Janeiro:
DNDS/NUTES 1989. 124 p.
7 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas da Saúde. Departamento de atenção básica. Área técnica de dermatologia sanitária. Legislação sobre o controle da hanseníase no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde 2000. 60 p.
8 Vieth H, Salotti SRA, Passerotti S. Guia de prevenção ocular em hanseníase. Bauru: Centro de Prevenção Oftalmológica; 1994.
9 Merlin L, Willcox K. The impact of multiple drug therapy on leprosy disabilities. Lepr Review 1997;68:350-66.
10 Solomon S, Kurian N, Ramadas P, Rao PS. Incidence of nerve damage in leprosy patients treated with MTD. Int J Lepr 1998;66(4):451-6.
11 Trindade MAB, Lima FD, Almeida RG. Incapacidades físicas na hanseníase no momento do diagnóstico. Hansen int 1987;12(2):9-28.
12 Tiendrebeogo A, Toure I, Zerbo P. A survey of leprosy impairments and disabilities among patients treated by MDT in burkina faso. Int J Lepr 1996;64(1):15-25.
13 Yawalkar SJ. Leprosy for medical practitioner and paramedical workers. 7th ed. Basle: Novartis; 2002.
14 Smith WCS. The epidemiology of disability in leprosy including risk factors. Lepr Review 1992;63 Suppl:23s-30s.
15 Richardus JH, Filay KM, Croft RP, Smith WCS. Nerve function impairment in leprosy at diagnosis and at completion of MDT: a retrospective cohort study of 786 patients in Bangladesh. Lepr Review 1996;67:297-305.
16 Soubhia RMC. Plano de eliminação da hanseníase na região de São José do Rio Preto. [Apostilado]. São José do Rio Preto: DIR XXII; 1996.
17 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac. Programa de Controle da Hanseníase. [mimeo]. São José do Rio Preto: DIR XXII; 1998.
18 Helene LMF, Leão VM, Minakawa MM. Perfis epidemiológicos e a avaliações de incapacidades físicas de hansenianos de uma UBS de São Paulo. Hansen int 2001;26(1):5-13.
19 Ferreira J. Validade do grau de incapacidades como indicadores de diagnóstico tardio da hanseníase. Hansen int Special 1998;79-84.
20 Sharma P, Kar HK, Beena KR, Kaur H, Narayan R. Disabilities in multibacillary leprosy patients before, during and after multidrug therapy. Indian J Lepr 1996;68(2):127-36.
21 Smith WCS, Zhang G, Zheng T, Watson JM, Lehman LF, Lever P. Prevention of impairment in leprosy: results from a collaborative project in China. Int J Lepr 1995;63:507-17.
22 Cristofolini L, Ogusku EF. Proposta para avaliação e cuidados nasais na hanseníase. Salusvita 1988;7(1):129-36.
23 Virmond M, Vieth H. Prevenção de incapacidades na hanseníase: uma análise crítica. Medicina 1997;30:358-63.
24 Garbino JA. Manejo clínico das diferentes formas de comprometimento da neuropatia hanseniana. Hansen int Special 1998;93-99.

Downloads

Publicado

30-11-2005

Como Citar

1.
Nardi SMT, Paschoal VD, Zanetta DMT. Freqüência de avaliações e seu impacto na prevenção das incapacidades físicas durante o tratamento dos pacientes com hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2005 [citado 7º de dezembro de 2022];30(2):157-66. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36322

Edição

Seção

Artigos de investigação científica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>