Epidemiologia da hanseníase no Município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no Período de 1997 a 2003

Autores

  • Sandra Solange Leite Campos Mestre, Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, Fortaleza
  • Alberto Novaes Ramos Jr. Mestre, Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará
  • Ligia Regina Sansigolo Kerr-Pontes Doutora, Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará
  • Jörg Heukelbach Doutor, Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2005.v30.36323

Palavras-chave:

Brasil, epidemiologia, hanseníase

Resumo

A hanseníase persiste como um importante problema de saúde pública no Brasil. O município de Sobral na zona do sertão centro-norte do Estado do Ceará é considerado pelo Ministério da Saúde como um dos municípios prioritários para o controle da hanseníase. Para analisar a situação epidemiológica da hanseníase em Sobral nos anos de 1997 a 2003, foi realizado um estudo epidemiológico descritivo longitudinal. Os dados foram obtidos a partir da base do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). No período de estudo foram notificados 1.305 casos novos de hanseníase, 661 (50,3%) do sexo feminino e 644 (49,7%) do sexo masculino. Em 2003, o coeficiente de detecção no sexo feminino foi de 23,8/10.000 mulheres, representando um acréscimo de 9,6% comparado ao sexo masculino. O maior percentual de casos novos foi detectado em 2003, superando os valores esperados para o período. Houve
uma elevação relativa e contínua da forma clínica dimorfa, representando 67,5% dos casos registrados em 2003. Em 1997 foi notificada a maior proporção de casos paucibacilares (70,4%). Nos anos seguintes, os casos multibacilares tornaram-se predominantes, com proporções variando entre 62,1% e 85,9% para os anos de 2002 e 2003. A análise dos indicadores epidemiológicos permitiu o reconhecimento de altos coeficientes de detecção, aumentando de 10,0 casos/10.000 habitantes em 1997 para 21,6 casos/10.000 habitantes em 2003. Apesar da maior sensibilidade da rede de assistência para a captação de casos novos, foram identificadas inconsistências ao diagnóstico a partir da análise mais detalhada de variáveis como idade, sexo, formas clínicas e classificação operacional sinalizando para a possibilidade de inadequação diagnóstica principalmente em 2003. Isso ressalta a importância de análises críticas e monitoramento da situação epidemiológica e operacional em áreas em que pressupostamente foi identificado sucesso da
integração das ações de controle na atenção básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Britton WJ, Lockwood DN. Leprosy. Lancet 2004; 363(9416):1209-1219.
2 Araujo MG. Hanseníase no Brasil. Rev Soc Bras Med Trop 2003; 36(3):373-382.
3 Meima A, Richardus JH, Habbema JDF. Trends in leprosy case detection worldwide since 1985. Lepr Rev 2004; 75:19-33.
4 Cunha SS, Rodrigues LC, Duppre NC. Current strategy for leprosy control in Brazil: time to pursue alternative preventive strategies? Rev Pan Salud Pública 2004; 16(5): 362-365.
5 Lockwood DNJ, Suneetha S. Leprosy: too complex a disease for a simple elimination paradigm. Bull World Health Organ 2005; 83(3): 230-235.
6 Ministério da Saúde (BR). Diretrizes do Programa da Hanseníase, 1986-1990. Brasília: Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária; 1986.
7 Ministério da Saúde (BR). Avaliação Independente do Programa Nacional de Controle e Eliminação da Hanseníase. Brasília: Fundação Nacional de Saúde - Centro Nacional de Epidemiologia. Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária; 1992.
8 Andrade VL, Sabroza PC, Araujo AJ. Fatores Associados ao Domicilio e à Família na Determinação da Hanseníase. Cad Saude Publica 1994; 10 Suppl 2:281-292.
9 Andrade VLG. A urbanização do tratamento da hanseníase. Hansen int 1995;20:51-59.
10 Andrade VLG. A evolução da hanseníase no Brasil e perspectivas para sua eliminação como problema de Saúde. [Tese]. Escola Nacional de Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz; 1996.
11 Cunha SS, Rodrigues LC, Moreira S, Carvalho LC, Barreto ML, Dourado I. Upward trend in the rate of detection of new cases of leprosy in the State of Bahia, Brazil. Int J Leprosy 2001;69:308-317.
12 Ministério da Saúde (BR). Saúde Brasil 2004. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde; 2004.
13 Ministério da Saúde (BR). Plano Nacional de Mobilização e Intensificação das Ações para Eliminação da Hanseníase e Controle da Tuberculose. Brasília, Ministério da Saúde; 2001.
14 Ministério da Saúde (BR). Guia de Vigilância Epidemiológica. 5a ed. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 2002.
15 Ministério da Saúde (BR). A definição dos municípios prioritários. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/svs/visualizar_texto.cfm?idtxt=21606>. Acessado em maio de 2005.
16 Secretaria de Estado da Saúde (CE). Núcleo de Atenção à Saúde/Adulto e Idoso. Boletim Estadual de Avaliação Epidemiológica e Operacional da hanseníase no Ceará - Ano 2002. Fortaleza, SESACeará; 2003.
17 Ministério da Saúde (BR). Sistema Nacional de Vigilância em Saúde: relatório de situação: Ceará. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde; 2005.
18 Ministério da Saúde (BR). Cartas de Eliminação da Hanseníase. Disponível em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/carta_CE.pdf. Acessado em junho de 2005.
19 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio 2005. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acessado em junho de 2005.
20 Departamento de Informação e Informática do SUS-Ministério da Saúde. Cadernos de Informações de Saúde: Ceará 2005. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/ce.htm. Acessado em Maio de 2005.
21 Secretaria de Desenvolvimento Social e Saúde (CE). Plano Municipal de Saúde de Sobral. [mimeo]: 2001.
22 Flôr S. A história da hanseníase no município de Sobral. Especialização em Saúde da Família. [Monografia]. Escola de Saúde Pública do Ceará. Universidade Federal do Ceará; 2002.
23 Cunha AZS. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Cienc Saúde Coletiva 2002; 7(2):235-242.
24 Meima A, Smith WC, van Oortmarssen GJ, Richardus JH, Habbema JD. The future incidence of leprosy: a scenario analysis. Bull World Health Organ 2004;82(5):373-380.
25 World Health Organization. Guia para o controle da lepra. Rev Bras Leprol 1960;28:40-45.
26 Martelli CMT, Stefani MMA, Penna GO, Andrade ALSS. Brazilian endemisms and epidemics, challenges and prospects for scientific investigation: leprosy. Rev Bras de Epidemiologia 2002; 5(3):273-285.

Downloads

Publicado

30-11-2005

Como Citar

1.
Campos SSL, Ramos Jr. AN, Kerr-Pontes LRS, Heukelbach J. Epidemiologia da hanseníase no Município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no Período de 1997 a 2003. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2005 [citado 14º de julho de 2024];30(2):167-73. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36323

Edição

Seção

Artigos de investigação científica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)