Hanseníase na atenção básica de saúde: efetividade dos treinamentos para os profissionais de saúde no Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Autores

  • Tadiana Maria Alves Moreira Enfermeira, Assessora do Programa de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Doutora em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro.
  • Maria Inês Fernandes Pimentel Médica do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Doutora em Dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Professora Titular de Dermatologia da Escola de Oêndas Médicas da Uni-FOA, Volta Redonda, RJ.
  • Carlos Alberto Valle Braga Médico Epidemiologista, medico da Funasa - Ministério da Saúde
  • Cláudia Lúcia Paiva e Valle Médico do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro
  • Anna Guimarães Mendes Xavier Médica do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2002.v27.36414

Palavras-chave:

Hanseníase, treinamento, profissionais de saúde

Resumo

A meta de obter a eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até o ano de 2005 emtodos os países endêmicos tem como elementos estratégicos centrais: capacitação de pessoal e integração da hanseníase dentro da atenção básica de saúde. A Assessoria de Dermatologia Sanitária da Secretaria de Estado deSaúde do Rio de Janeiro vemimplementando, desde 1998, treinamentosparaprofissionaisdas redesmunicipaisdesaúde em diagnóstico de suspeitos, confirmação diagnóstica e tratamento/acompanhamento dos pacientes portadores de
hanseníase. O curso "Hanseníase na Atenção Básica de Saúde" foi ministrado em2001nas oito regiõesdoEstado doRio de Janeiro,abrangendo 79 dos 92municípios, sendo treinados 891 indivíduos das diversas categorias profissionais que atuamna rede básica de saúde. Destes, 10,1% responderam a um questionário para avaliação da efetividade do treinamento. Observamos aumento significativo dos profissionais de saúde que passarama trabalhar com pacientes hansenianos após participação no treinamento, principalmente emrelação aosmédicos e agentes de saúde (p <0,05). Os resultados desta avaliação demonstram a efetividade e a necessidade de se realizar contínua e repetidamente este treinamento, de modo a conseguir alcançar e manter a eliminação da hanseníase comoproblema de saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 AL-QUBATI, Y.; AL-DOBAI, A.B.M.Reviewof leprosy control activities inYemen. Int. J. Leprosy, v.67,n.2,p.150-153,1999.
2 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de políticas e Saúde. Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Diretrizes nacionais para a elaboração de programas de capacitacão para a equipe e saúde a rede básica atuar nas afies de controle a hanseníase. Brasilia, 2000. 60p.
3 BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 1073/GM, de 26 de Setembro de 2000. Brasilia.
4 CONASEMS. Como os gestoresmunicipais de saúde vão acelerar a eliminação da hansenfase no Brasil. Brasilia, 1999. 28 p.
5 CROOK, N.; RAMASUBBAN, R.; SAMY, A., SINGH, B. An educational approach to leprosy control: an evaluation of knowledge, attitudes and practice in two poor localities in Bombay, India. Leprosy Rev., v.62, p395-401, 1991.
6 FEENSTRA, P Leprosy control through general health services and/or combined programmes. Leprosy Rev., v.64, p.89-96, 1993.
7 GROENEN,G.;ALLDRED, N.; NASH, J. Comment: Training in leprosy. the training needs for Africa, and the role of large training institutions (Letter). Leprosy Rev., v.67, p.148-150, 1996.
8 GT/HANSEN/CONASSEMS.Estratégiadeaceleraçãodaeliminaçãoda hanseníase emtodos osmunicípios doBrasil. Salvador, Agosto/2000.
9 LEVER, P.; BIJMAKERS, L., ZWANIKKEN, P.; SAAUNDERSON, P. Health systems research in leprosy control - what contributions can it make? Leprosy Rev, v.69, p.122-127,1998.
10 McDOUGALL, A.C. Training in leprosy: does the current strategy need revision? LeprosyRev, v.66, p.89-95, 1995.
11 NORDEEN, S.K Elimination of leprosy as a public health problem. Leprosy Rev.,v.63,p.1-4,1992.
12 REVANKAR, C.R.; PAI, V.V.; GANPATI, R.; NAIK, S.S.; ACHAREKAR, M.Y. Task-oriented short-term training to contract leprosy workers in a national leprosy erradication programme. Leprosy Rev, v.66, n.1, p.78-79, 1995.
13 ROOS, B.R.; VAN BRAKEL, W.H.; CHAURASIA, A.K Integration of leprosy control into basic health services; an example from Nepal. Int. J. Leprosy, v.63,n.3,p.422-429,1995.
14 SAUNDERSON, P. Future role of leprosy training and / or research intitutions. ALERT, February 25-26,1998. Leprosy Rev., v.69, p.160-163, 1998.
15 SAUNDERSON, P. Joint tuberculosis/leprosy programmes. Leprosy Rev, v.68, p.2-9, 1997.
16 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ELIMINAÇÃO DA HANSENIASE, 3, Abdjan, Costa do Marfim, Novembro de 1999. apud GT/HANSEN/CONASSEMS. Estratégias de aceleração da eliminação da hansenfase em todos os municípios do Brasil. Salvador, Agosto, 2000.
17 VIJAYAKUMARAN, P.; RAO, T.P; KRISHNAMURTHY, P. Pace of leprosy elimination and support teams in Bihar State, India. Leprosy Rev., v.70, p.452-458, 1999.
18 WARNDORFF, D.K; WARNDORFF, J.A. Leprosy control in Zimbabwe: from a vertical to a horizontal programme. Leprosy Rev., v.61, p.183-187, 1990.
19 WHO TECHNICAL REPORT SERIES, no. 319, 1966 (WHO Expert Committee on Leprosy: Third Report). Gtado por: FEENSTRA F Leprosy control through general health services and/or combined programmes. LeprosyRev., v.64, p89-96, 1993. 76

Downloads

Publicado

30-11-2002

Como Citar

1.
Moreira TMA, Pimentel MIF, Braga CAV, Valle CLP e, Xavier AGM. Hanseníase na atenção básica de saúde: efetividade dos treinamentos para os profissionais de saúde no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2002 [citado 3º de março de 2024];27(2):70-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36414

Edição

Seção

Artigos originais