Promovendo a cicatrização de úlceras hansênicas e não hansênicas com Laserterapia:

ensaio clínico em unidades ambulatoriais do Sistema Único de Saúde

Autores

  • Glauca Gonçalves Coordenadora do Programa Municipal de Controle da Hanseníase, Araras - SP, e mestranda do Grupo de Saúde Coletiva/ Epidemiologia e Atividade Física, Universidade Estadual de Campinas (GSCAF/UNICAMP)
  • Aguinaldo Gonçalves Prof. Titular, GSCAF/UNICAMP
  • Carlos Roberto Padovani Prof. Titular, Orientador Externo, GSCAF/UNICAMP
  • Nivaldo Antônio Parizotto Prof. Adjunto 1, Depto de Fisioterapia, UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2000.v25.36435

Palavras-chave:

Hanseníase, úlcera crônica, cicatrização, unidades ambulatoriais, Sistema Único de Saúde

Resumo

A hanseníase apresenta, como incapacidade decorrente muito comum, a ulceração plantar. Tendo em vista a necessidade de implantação de programas de ação de controle da doença e melhora da qualidade de vida dos portadores desta nos serviços básicos de saúde, este projeto viabilizou, comparativamente a afetados pela mesma lesão, porém de outras etiologias, a utilização da laserterapia de baixa intensidade para cicatrização das úlceras hansênicas de membros inferiores. Na sua adoção, uma vez claramente definidos população de referência, bem como respectivos critérios de inclusão e exclusão, a normalização ética vigente no país prevista foi rigorosamente cumprida. Promoveram-se procedimentos adequados para padronização de condutas de mensuração, avaliação, aplicação e acompanhamento daevolução clínica e documental. Operou-se conjunto de indicadores em escalas de variáveis quantitativas e qualitativas. No primeiro caso, lidou-se com propriedades
dimensionais de profundidade, comprimento, largura e volume, monitoradas pelo tempo; investigaram-se e notificaram-se padrões de secreção e demais sinais semiológicos pertinentes. Inferências paramétricas foram analisadas aos níveis correntes de significãncia, após aplicação das provas de Goodman para variações intra e inter populações multinomiais, Anova e Wilcoxon. Desaparecimento lesional predominou estatisticamente sobre redução e piora entre hansenianos (66,7; 16,7% e 16,7%, respectivamente) e não hansenianos (55,3; 20,0% e 26,7%), apontando não só para aumento de repertório terapêutico, para a condição estudada em unidades ambulatoriais do Sistema Único de Saúde, mas também para o sucesso de seu emprego em tais situações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. ANISIMOV, A.I., BERLY, I.K.P., DANYKIN, A. Use of Heliumneon laser in the ambulatory treatment of hipertrophic skin cicatrices and slowly granulating wounds. Vestn. Khir. Im. 1.l. Grek, v.1141, n.10, p.97-98, 1988.
2. BASFORD, J.R. Laser therapy: scientific basic and clinical role. Orthopedics, v.16, p.541-547,1993.
3. BAXTER, G.D. Therapeutic Lasers: theory and practice. UK: Churchill Livingstone, 1994.
4. BAXTER, G D., BELL, A.J., ALLEN, J.M., RAVEY, J. Low level laser therapy: current clinical practice in Northen bland. Physiotherapy, v.77, n.3, p. 171-178, 1991.
5. BECHELLI , L.M. Assessment of the importance of reconstructive surgery in the control oí leprosy from the public health point oí view. Acta Ieprol, v.45, p. 5-29, 1971.
6. BECHELLI, L.M., CURBAN, G.V. Compêndio de dermatologia. 6.ed. São Paulo: Atheneu, 1988.
7. BIRKE, J.A., KOZIATEK, E., GRAHAM, S.L., NOVICK, A. Physical therapy at the Gillis W. Long Hansen's Disease Center. Star, v.48, n.5, p.7-10, 1989.
8. BIRKE, J.A., NOVICK, A., GRAHAM, S.L., COLEMAN, W.C., BRASSEAUX, D.M. Methods of treating plantar ulcers. Physical therapy, v.71, n.2, p.41-46, 1991.
9. BRAND, P. Deformities of the hands and feet in Hansen's Disease. Star, sept-oct, 1983.
10. BRAND, P. Leprosy today. insensitive feet: a pratical handbook on foot problems in leprosy. London: The Leprosy Mission, 1966. p.88
11. BRAND, P. Neuropathic ulceration. Star, may-june, 1983.
12.BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Resolução n° 196/96 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Informe Epidemiológico do SUS, v.5, n.2, p13-41, 1996.
13. BRYCENTON, A., PFALTZGRAFF R.E. Leprosy. UK: Churchill Livingstone, 1990.
14. CENTRO NACIONAL DE EPIDEMIOLOGIA. Prevalência, detecção e tendência da hanseníase, segundo macrorregião e unidade federada, Brasil, 1992. Informe Epidemiológico SUS, v.2, n.3, p 83, 1993.
15. CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 10. Boletim da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, v.14. n.62, p. 1-12, 1996.
16. CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 8. Relatório final. Brasília: Ministério da Saúde, 1986.
17. DOYLE, J. Hansen's Disease in South India: A student elective. Physiotherapy, v.76, n.7, p.419-422, 1990.
18. ENGLAND, S. Introduction to mid laser therapy. Physiotherapy, v.74, n.3, p.100-102, 1988.
19. FEEDAR, J.A., KLOTH, L.C., GENTZKOW, G.D. Chronic dermal ulcer healing enhaced with monophasic pulssed eletrical stimulation. Physical Therapy, v.71, n.9, p.639-648, 1991.
20. FERNANDEZ, S. Physiotherapy: prevention and treatment of pressure sores. Physioterapy, v.73, n.9, p.450-454, 1987.
21. FUIRINI, N.J. Utilização do laser HeNe em cicatrização de úlceras rebeldes. Fisioterapia em Movimento, v.6, n.1, p.9-15, 1993.
22. GARBINO, J.A. Gênese das incapacidades em hanseníase. Bauru, Instituto "Lauro de Souza Lima", Centro de Estudos "Dr. Reynaldo Quagliato", 1991.
23. GEORGADZE, A.K. KARPOV, V.I. KUZNETSOV, E.V. SODATOV, A.V. RUKOSUEV, V.P. Treatment oí nonhealing wounds and trophic ulcers by low-intensity laser irradiation in an outpatient clinic. Khirurgiia (Mask), n.12, p.93-96, 1990.
24. GOGIA, P.P. Low-energy laser in wound management. Clinical wound management. USA, v.102, n.3, p.246256, 1995.
25. GONÇALVES, A. Os testes de hipóteses como instrumental de validação e interpretação (Estatísticas Inferencial). In: MARCONDES, M.A., LAKATOS, E.M. Técnicas em pesquisas. São Paulo: Atlas, 1982.
26. GONÇALVES, A. Epidemiologia e controle da hanseníase no Brasil. Bol. Ofic. Sanita Panamer., v.102, n.3, p.246-256, 1987.
27. GONÇALVES, G., PARIZOTTO, N.A., GONÇALVES, A. A hanseníase no contexto da transição epidemiológica: perspectivas da aplicação de laserterapia de baixa intensidade em úlceras específicas. In: CONGRESSO DO COLÉGIO DE HANSENOLOGIA DOS PAÍSES ENDÊ-MICOS, 6. Foz do Iguaçu, 1997.
28. HENDRIX, R.W. CALENOFF, L. LEDERMAN, R.B. NEIMAN, H.L. Radiology of pressure sores. Radiology, v.138,
p.351-356, 1981.
29. HUNT, T.K. Basic principles of wound healing. J. Trauma, v.30, n.12, p.123-128, 1990. (Suplemento).
30. IUPATOV, S.I., SMOTRIN, S.M., GAVCRILIK, B.L., STENKO, V.G. Treatment of trophic ulcers of the lower extremities ind elderly patients. Khirurgiia (Mosk), n.5, p.105-108, 1990.
31. KITCHEN, S.S., PARTRIDGE, C.J. A review of low laser therapy. Physioterapy, v.77, n.3, p.161-168, 1991.
32. KOVACS, L., VARGA, L., PALYI,I. et al. Experimental investigation of photostimulation effect of low energy HeNe laser radiation. Laser Basic Biomedical Research, v.22, p.14-16, 1982.
33. KUMAR, K., KANT, M., BELSARE, R.K. Neuropathic plantar ulceration. Indian J. Leprosy, v.57, n.1, p.172-177, janmar, 1985.
34. MAMEDE, M.C., CARVALHO, E.C., CUNHA, A.M.P. Técnicas em enfermagem. São Paulo: Sarvier, 1984. p.44-45
35. McDIARMID,T., BURNS, P.N., LENITH, G.T., MACHIN, D. Ul trasound and the treatment oí pressure sores. Physiotherapy, v.71, n.2, p.66-70, 1985.
36. MESTER, E., LUDANY, G., SELLYEI, M., SZENDE, B., TOTA, J. The stimulating effects of low power laser rays on biological systems. Laser Rev. (Lond), v.1, p.3, 1968.
37. MESTER, E., SPIRY, T., SZENDE, B. et al. Effect of laser rays on wound healing. Amer. J. Surg., v.122, p.532-535, 1971.
38. OPROMOLLA, D.V.A. Capacitação pessoal (Editorial). Hansen. Int., v.16, n.1/2, p.1-3, 1991.
39. OPROMOLLA, D.V.A. Organizações não governamentais e o MORHAN (Editorial). Hansen. Int., v.20, n.2, p.1-2, 1995.
40. PADOVANI, C.R. Estatística na metodologia da investigação científica. Botucatu: Instituto de Biociências, 1995.
41. PEDROSO, M., OLIVEIRA, S., BACCARELLI, R., VIEIRA, P., GONÇALVES, A. Incapacidades físicas na hanseníase: estudo multicêntrico da realidade brasileira. An. bras. Derm., v.64, n.6, p.301-306, 1989.
43. PFALTZGRAFF, R.E.- Management of ulceration in anesthesic extremities. Star, may-June, 1985.
44. PROFFITT, N. Working with leprosy patients in North-East Thailand. Physiotherapy, v.75, n.11, p.681-682, 1989.
45. ROCHE, C., WEST, J. A controlled trial investigating the effect of ultrasound on venous ulcers referred from general practitioners. Physiotherapy, v.70, n.12, p.475-477, 1984.
47. ROIG, J.L.G., TRASOBARES, E.M.L., SANCHEZ, H.M., ALVAREZ, A.V.J. Tratamiento de las úlceras por presión em el lesionado medular com laser de baja potencia y cirurgia. Presentacion de um caso. Revista Cuba - Ortopedia traumatologia, v.4, n.2, p.41-45, 1990.
49. SHEA, D.J. Pressure ulcers classification and management. Clinical Orthopedics, v.112, p.89-100, 1975.
50. THE CHARTERED SOCIETY OF PHYSIOTHERAPY. Safety of electroterapy equipament working group. Guide lines of the safe use oí lasers in physiotherapy. Physiotherapy, v.77, n.3, p.169-170, 1991.
48. THOMAZ, J.G., HERDY, C.D.C., OLIVEIRA, J.C.P., SOUZA, S.R., ROBARDEY, R.A. Fundamentos da cicatrização das feridas Arq. bras. Med., v.7, n.2, p.65-72, 1996.
49. VIRMOND, M., DUERKSEN F., GONÇALVES, A. Report and evalluation of Brazilian experience in the rehabilitation of patientes with leprosy. Leprosy Rev., v.60, p.214-220, 1989.
50. VUKSIC, M., MONASCEVIC, M. The use of the helium-neon laser for treating bad sores in elderly patients with psychiatric disorders. Medical laser reporp, v.3, p.29-35, 1985.
51. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Leprosy. Geneve: WHO, 1994 a.
52. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of the International Conference on the Elimination of Leprosy. Geneve: WHOICTD/LEP/94.5, 1994 b.
53. YARKONY, G.M. Pressure ulcers:a review. Arch. phys. med. Rehabil., v.75, p.908-917, 1994.

Downloads

Publicado

30-11-2000

Como Citar

1.
Gonçalves G, Gonçalves A, Padovani CR, Parizotto NA. Promovendo a cicatrização de úlceras hansênicas e não hansênicas com Laserterapia: : ensaio clínico em unidades ambulatoriais do Sistema Único de Saúde. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2000 [citado 13º de abril de 2024];25(2):133-42. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36435

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>