Mais um caso da síndrome da sulfona

Autores

  • Angela Marques Barbosa Residente de Dermatologia do Instituto "Lauro de Souza Lima"
  • Emir Martins Junior Residente de Dermatologia do Instituto "Lauro de Souza Lima"
  • Raul Negrão Fleury Patologista e Chefe do Serviço de Epidemiologia do Instituto "Lauro de Souza Lima"
  • Diltor Vladimir Araujo Opromolla Dermatologista e Diretor da Divisão de Pesquisa e Ensino do Instituto "Lauro de Souza Lima"

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2000.v25.36439

Palavras-chave:

Síndrome da Sulfona, Atipia linfocitária, Hanseníase, Eritrodermia

Resumo

apresentado o caso de um paciente que iniciou tratamento de hanseníase e um mês depois apresentou febre, prurido, queda do estado geral e um quadro cutâneo de eritrodermia esfoliativa que respeitava máculas hipocrômicas no tronco anterior. Biópsias das lesões mostraram uma dermatite epitelial regular e infiltrado linfocitário pleomórfico com intenso epidermotropismo e foliculotropismo. Em todas as biópsias foram
detectados bacilos em nervos e em macrófagos. Os exames laboratoriais mostravam anemia (3.300.000 hemácias/mm3; Hb= 9,2 g%) e leucocitose (20.800 leucócitos/mm') com 40% de linfócitos e polimorfismo dessas células. Essas manifestações foram rotuladas como pertencentes à Síndrome da Sulfona apesar de faltarem seus outros componentes. Os autores consideram que a atipia linfocitária é uma característica imprescindível da síndrome e chamam também a atenção para o pleomorfismo linfocitário e o intenso epidermotropismo e foliculotropismo
observado nos exames histopatológicos que foram realizados. Eles discutem o porque da eritrodermia respeitar as máculas hipocrômicas da hanseníase e consideram que o fato do paciente continuar exibindo o quadro eritrodérmico após a retirada da sulfona, agora sem mais o infiltrado que agredia a epiderme, seria devido a um fenômeno de autossensibilização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. ALLDAY, E.J.; BARNES, J. Toxic effects of diaminodiphenil sulphone in treatment of leprosy. Lancet, v.2, p.205-206, 1951.
2. FREY, H.M. et al. Fatal reaction to dapsone treatment of leprosy. Ann. Inter. Med., v.94, p.777-79, 1981.
3. LOWE, J. Diaminodiphenilsulphone in the treatment leprosy. Lancet, n.6645, p.18-21, 1951.
4. RAMANAN, C.; CHORPADE, A.; MANGLANI, P.R. Dapsone syndrome. Indian J. Leprosy, v.63, n.2, p.226-228, 1991.
5. KHARE, .A.K.; BANSAL, N.K., MEENA, HS. Dapsone syndrome: a case report. Indian J. Leprosy, v.59, n.1, p.106-109, 1987.
6. JOSEPH, M.S.Hypersentitivity reaction to dapsone. Four case report. Leprosy Rev., v.56, p.315-320, 1985.
8. ROBINSON, H.M., STONE, J .H. Exanthem due to diphenylhydantoin therapy. Arch. Derm., v.101, p.462-465, April, 1970.
9. MILIKAN, L.E.; HARRELL, E.R. Drug reactions to the sulfones. Arch. Derm., v.102, p.220-224Aug., 1970.
10. KROMANN, N.P. The dapsone syndrome. Arch. Derm., v.118, p.531-532, July, 1982.
11. LEIKER, D.L. The mononucleosis syndrome in leprosy patients treated with sulfones. Int. J. Leprosy, v.24, n.4, p.402-405, 1956.
12. LOWE, J.; SMITH, M. The chemotherapy of leprosy in Nigeria: with an appendix on glandular fever and exfoliative dermatitis precipitated by sulfones. Int. J. Leprosy, v.17, n.3, p.181-195, 1949.
13. OPROMOLLA, D.V.A.: FLEURY, R.N. Síndrome da sulfona e reação reversa. Hansen. Mt., v.19, n.2, p.70-76, dez.,

Downloads

Publicado

30-11-2000

Como Citar

1.
Barbosa AM, Martins Junior E, Fleury RN, Opromolla DVA. Mais um caso da síndrome da sulfona. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2000 [citado 22º de fevereiro de 2024];25(2):159-62. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36439

Edição

Seção

Estudos clínicos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 > >>