O controle dos comunicantes de hanseníase no Brasil:

uma revisão da literatura

Autores

  • José Martins Pinto Neto Docente do Curso de Enfermagem e Obstetrícia dos Estabelecimentos de Ensino Superior Integrados da Fundação Educacional de Fernandópolis — SP. Mestre em Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto — USP.
  • Tereza Cristina Scatena Villa Livres docentes da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto — USP. Área de Enfermagem em Saúde Pública.
  • Maria Helena Pessini de Oliveira Livres docentes da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto — USP. Área de Enfermagem em Saúde Pública.
  • Claudia Benedita dos Santos Barbeira Docente da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP. Doutora em Estatística.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2000.v25.36440

Palavras-chave:

Controle de Comunicantes, Hanseníase, Legislação, Programas

Resumo

O presente trabalho é a sinopse de uma revisão da literatura sobre o Controle dos Comunicantes de Hanseníase no Brasil, de acordo com o estabelecimento de três periodizações a partir do ano da Proclamação da República até a atualidade. Nesta revisão procuramos recuperar a cronologia dos fatos que envolvem as medidas de Controle dos Comunicantes de Hanseníase, dando ênfase às publicações científicas, às legislações e às normas e diretrizes do Programa de Controle da Hanseníase em nível Federal e Estadual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. AGRICOLA, E. Combate ao mal de Hansen. Bol Serv. Nac. Lepra, v.13, n.3/4, p.16-28, 1954.
2. AGRICOLA, E. A lepra no Brasil: resumo histórico. Bol Serv. Nac. Lepra, v.19, n.2, p.143-155, 1960,
3.ANTUNES, J. L. F.; COSTA, O. V.; AUGUSTO, M. H. O. Hanseníase: a lepra sob a mira da lei. Rev. Inst. Adolfo Lutz, v.48, n.1/2, p.29-36, 1988.
4.BAPTISTA, L. Novos rumos para o problema da profilaxia da lepra. Rev. bras. LeproL, v.27, n.1, p.3-8, 1959.
15..BECHELLI, L.M.; ROTBERG, A. Compêndio de leprologia. Rio de Janeiro, Serviço Nacional de Lepra, 1951.
6.BELDA, W. Epidemiologia. In: TALHARI, S.; NEVES, R.G. Hansenologia. Manaus, Calderaro, 1984. cap.10, p.93-100.
7.BRASIL. Leis etc. Decreto nº 968 de 7 de maio de 1962. Baixa normas técnicas especiais para o combate à lepra no país e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de maio 1962. p.5113-5114.
8.BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 165/Bsb de 14 de maio de 1976. Diário Oficial da União, Brasília, maio de 1976. /mimeografado/.
9.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Portaria nº 1, de 9 de outubro de 1987. Diário Oficial da União, Brasília, 20 out .1987. Seção 1, p.17306.
10.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Portaria nº 1 de 1 de Agosto de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 16 set.1988. Seção 1, p.17843.
11. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Portaria nº 1 de 7 de novembro de 1989. Diário Oficial da União, Brasília, 3 jan.1990.
12. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria na 1.401, de 14 de agosto de 1991. Diário Oficial da União, Brasília, 16 ago.1991. Seção 1, p.16707.
13. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 864, de 7 de agosto de 1992. Diário Oficial da União, Brasília, 24 ago.1992. Seção 1, p.11480.
14. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 814, de 22 de julho de 1993. Diário Oficial da União, Brasília, 4 ago.1993. Seção 1, p.11167.
15.BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária. Guia de controle da hanseníase. 2.ed. Brasilia, 1994 a.
16. BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária. Plano de eliminação da hanseníase no Brasil para o período de 1995-2000. Brasília, 1994 b. 9p. /mimeografado/.
17.BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Alterações nas instruções normativas do Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase. Brasilia, 1998.
18. CARRASCO, M.A.P. O saber de enfermagem na assistência à hanseníase no Estado de São Paulo. Campinas, 1997. Tese (Doutorado). Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual de Campinas.
19. DINIZ, O. Profilaxia da lepra no Brasil: plano atual da campanha e sua execução. Rev. bras. Leprol, v.26, n.3/4, p.141-154, 1958.
20. DINIZ, O. Profilaxia da lepra: evolução e aplicação no Brasil. Bol. Serv. Nac. Lepra, v.19, n.1, p.5-135, 1960.
21. FONTE, J. Vigilância de doentes e comunicantes pelos serviços de lepra das unidades federadas. Bol. Serv. Nac. Lepra, v.10, n.4, p.201-207, 1951.
22. FONTE, J. Meios de modos para o descobrimento de casos de lepra. Bol. Serv. Lepra, v.11, n.1, p.7-16, 1952.
23. GERGE, K. et al. The role of intrahousehold contact in the transmission of leprosy. Leprosy Rev., v.61, n.1, p.60-63, 1990
24 JESUDASAN, K. et al. Incidence rates of leprosy among household contacts oí primary cases. Indian J. Leprosy, v.56, n.3, p.600-614, 1984 a.
25 JESUDASAN, K. et al. Time trends in the analysis of incidence rate of leprosy among household contacts. Indian J. Leprosy, v.56, n.3, p.792-806, 1984 b.
26 LANA, F.C.F. Organização tecnológica do tratamento em hanseníase com a introdução da poliquimioterapia. Ribeirão Preto, 1992. Dissertação (Mestrado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo..
27.LANA, F.C.F. Políticas sanitárias em hanseníase: história social e a construção da cidadania. Ribeirão Preto, 1997. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo.
28.LESSA, Z.L.Hanseníase e educação emsaúde: o confronto entre o conhecimento científico, empírico e teológico. São Paulo, 1986. Dissertação (Mestrado), Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública.
29.MATOS, H.J. et al. Epidemiologia da hanseníase em coortes de contatos intradomiciliares no Rio de Janeiro (1987 - 1991). Cad. Saúde Pública, v.15, n.13, 1999
30.MAURANO, F. História da lepra em São Paulo. São Paulo, Serviço de Profilaxia da Lepra, 1939. v.1.
31.MELLO, A. Tratamento em massa na lepra. Rev. Bras. Leprol, v.27, n.1, p.26-29, 1958.
32.MOREIRA, T.M.A. As campanhas de hanseníase no Brasil. Rio de Janeiro, 1997. Dissertação (Mestrado). Escola Nacional de Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz.
33.NEMES, M.I.B. A hanseníase e as práticas sanitárias em São Paulo: 10 anos de Sub-Programa de controle da hanseníase na Secretaria de Estado da Saúde (19771987). São Paulo, 1989. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Medicina. Universidade de São Paulo.
34.ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE / ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DA SAÚDE. Manual para o controle de lepra. 2.ed. Washington, DC, USA, 1989.
35.PATEO, D.; PEREIRA, S. Da freqüência da lepra no focos familiares. Rev. bras. Leprol., v.4, p.241-259, 1936. n.especial.
36. PATEO JUNIOR, J.D. Estudo epidemiológico da lepra nos focos familiares. Arq. Serv. Nac. Lepra, v.4, n.2, p.37, 1946.
37.PEDRAllANI, E.S. et al. Controle dos comunicantes: sua interferência na situação epidemiológica da hanseníase. Hansen. Int., v.11, n.1/2, p.44-54, 1986.
38.PINTO NETO, J. M. Características epidemiológicas dos comunicantes de hanseníase que desenvolveram a doença, notificados no C.S./ de Fernandópolis (1993 a 1997). Ribeirão Preto, 1999. Dissertação (Mestrado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
39.QUAGLIATO, T.; VEITIEKA, J. Revisão dos focos de lepra: cadastro lepromínico e exames de comunicantes pelo sistema de convocação, viabilidade e aspecto econômico. Rev. bras. Leprol, v.26, n.3/4, p.273-294, 1958.
40.RABELLO, F.E. Morbus Hansen. Bol. Serv. Nac. Lepra, v.14, n.1/2, p.5-16, 1955.
41. RAO, P.S.S. et al. Transmission oí leprosy within households. Int. J. Leprosy, v.43, n.1, p.45-54, 1975.
42.RAO, P.S.S. et al. Impact of MDT on incidence rates of leprosy among household contacts. Int J. Leprosy, v.57, n.3, p.647-651, 1989.
43.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Manual de vigilância epidemiológica. Hanseníase: normas e instruções. São Paulo, 1992.
44.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Resolução 55-220, de Julho de 1993. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 14 jul.1993. Seção 1, p.14.
45.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Divisão Técnica de Vigilância Epidemiológica de DST/AIDS/HanseníaseCVE. Relatório da situação da endemia hansênica no Estado de São Paulo, 1993. São Paulo, 1994 a. 16p. /mimeografado/.
46.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Diretrizes para o plano de eliminação da hanseníase no Estado de São Paulo até o ano 2000. São Paulo, 1994 b. 12p. /mimeografado/.
47.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Situação da endemia hansênica no Estado de São Paulo, 1994. São Paulo, 1995. 25p. /mimeografado/.
48.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Relatório da endemia hansênica no Estado de São Paulo, 1995. São Paulo, 1996. 26p. /mimeograíado/.
49. SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Relatório da endemia hansênica no Estado de São Paulo, 1996. São Paulo, 1997. 18p. /mimeografado/.
50.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Relatório da endemia hansênica no Estado de São Paulo, 1997. São Paulo, 1998. 14p. /mimeografado/.
51.SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. Resolução SS-31, de fevereiro de 1999. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 20 de fev. 1999. Seção 1, p. 17-20.
52.SILVEIRA, R.; BARROS, O. M.; GONZAGA, O. Epidemiologia da lepra na infância. Rev. bras. LeproL, v.4, n.3, p.307-332, 1936.
53.SOUZA-ARAÚJO, H.C.História da lepra no Brasil: Período Republicano (1890-1952). Rio de Janeiro, 1956. v.3.
54.SOUZA CAMPOS, N. Resultado do "leprolin-test" nos preventórios de filhos de leprosos. Rev. bras. LeproL, v.6, n.1, p.31-45, 1938.
55.SOUZA CAMPOS, N. O emprego das sulfonas nos comunicantes mitsuda-negativos: interpretação imunobiológica de sua ação positivante. Rev. bras. LeproL, v.16, n.2, p.89-106, 1948.
56. SOUZA CAMPOS, N.; BECHELLI, L.M.; ROTBERG, A. Epidemiologia e prof i lax ia . Tratado de Leprologia, 1944. v.5. p.373-397.
57.TINOCO, D.G. Profilaxia. Manual de leprologia. Rio de Janeiro, Serviço Nacional de Lepra, 1960. p.162-171.
58.Van BEERS, S.M. et al. Patient Contact is the major determinant in incident leprosy: implications for future control. Int. J. Leprosy., v. 67, n. 2, p. 119128, 1999.
59. VI JAYAKUMARAN, P. et al . Does MDT ar res t transmission of leprosy to household contacts? Int. J. Leprosy, v.66, n.2, p.125-130, 1998.

Downloads

Publicado

30-11-2000

Como Citar

1.
Pinto Neto JM, Villa TCS, Oliveira MHP de, Barbeira CB dos S. O controle dos comunicantes de hanseníase no Brasil: : uma revisão da literatura. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2000 [citado 22º de fevereiro de 2024];25(2):163-76. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36440

Edição

Seção

Artigos de revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)