Magnitude dos episódios reacionais na hanseníase em serviço ambulatorial especializado

Autores

  • André Felipe de Castro Pereira Chaves Universidade Federal do Piauí
  • Olívia Dias de Araújo Universidade Federal do Piauí
  • Ellen Cristina da Costa Leite Sousa Universidade Federal do Piauí
  • Jonas Alves Cardoso Universidade Federal do Piauí
  • Érica de Alencar Rodrigues Universidade Federal do Piauí
  • Edmércia Holanda Moura Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2022.v47.37318

Palavras-chave:

Reações hansênicas, Pessoas com deficiência, Vulnerabilidade em saúde, Vulnerabilidade social

Resumo

O objetivo do estudo é caracterizar os episódios reacionais segundo os dados sociodemográficos, clínicos e epidemiológicos de pacientes com hanseníase em um município hiperendêmico do estado do Piauí, Brasil, no período de 2013 a 2017. Para tanto, um estudo descritivo, transversal e retrospectivo utilizou-se os casos de hanseníase, notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), juntamente com a ficha de dispensação de medicamentos do local em estudo. Foram realizadas análise univariada, por meio de estatística descritiva simples, e análise bivariada, utilizando o Qui-quadrado de Pearson para associar as variáveis quantitativas com a variável resposta do estudo, que é o momento da reação hansênica. A significância estatística foi fixada em p<0,05. Observou-se que a maioria dos episódios reacionais ocorreram durante o tratamento para hanseníase. Homens, pardos, pessoas com ensino fundamental completo ou incompleto, pedreiros, moradores da zona urbana, indivíduos dimorfos, multibacilares e com presença de grau 0 de incapacidade física, predominaram no aparecimento de reação. A reação que prevaleceu foi a do tipo 1, seguida pelo tipo 2, e em última, a reação mista. Diante disso, compreende-se que as vulnerabilidades individuais, sociais e econômicas impactam diretamente no desenvolvimento de reação hansênica.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. [acesso 10 fev. 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Polycarpou A, Walker SL, Lockwood DNJA. Systematic Review of Immunological Studies of Erythema Nodosum Leprosum. Front Immunol [internet]. 2017 Mar. 13[cited 2022 Feb. 22];(8):233. Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28348555/.

Pires CAA, Jucá Neto FO, de Albuquerque NC, Macedo GMM, Batista KNM, Xavier MB. Leprosy reactions in patients coinfected with HIV: clinical aspects and outcomes in two comparative cohorts in the Amazon Region, Brazil. PLoS Negl Trop Dis. 2015 jun. 1;9(6):1-14. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0003818.

World Health Organization. Leprosy [Internet]. Genebra: WHO; [2019 Sep. 10]. [cited 2021 Feb. 08]. Available from: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/leprosy.

Ministério da Saúde (BR). Situação epidemiológica-dados [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018[acesso 10 set. 2019]. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase/situacao-epidemiologica.

Universidade Federal do Piauí. IntegraHans PI. Boletim de vigilância em saúde do Estado do Piauí: hanseníase 2016. [Internet]. Teresina: Universidade Federal do Piauí; [2018]. [acesso 08 fev. 2021]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/324068070_Boletim_de_vigilancia_em_saude_do_estado_do_Piaui_hanseniase_2016_-_IntegraHans.

Monteiro LD, Alencar CHM, Barbosa JC, Braga KP, Castro MD, Heukelbach J. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2013[acesso 11 jul. 2022];29(5):909-20. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2013.v29n5/909-920/.

Silva KR, Lopes WMPS, Costa JJ. Clinical and epidemiological profile of leprosy reactions. Rev Enferm UFPI [Internet]. 2019[cited 2022 Feb. 10];8(3):48-54. Available from: https://ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/8141/pdf.

Ambrosano L, Machado ECFA, Santos MAS, Pegas ES. Epidemiological profile of leprosy reactions in a referral center in Campinas (SP), Brazil, 2010-2015. An Bras Dermatol. 2018;93(3):460-1. doi: https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20187260.

Sousa ALG. Episódios reacionais em pacientes acometidos pela hanseníase em município endêmico [dissertação]. [Internet]. Teresina: Universidade Federal do Piauí; 2018. [acesso 09 fev. 2022]. 67p. Disponível em: https://sigaa.ufpi.br/sigaa/public/programa/noticias_desc.jsf?lc=pt_BR&id=345&noticia=262466871.

Queiroz TA, Carvalho FPB, Simpson CA, Fernandes ACL, Figueirêdo DLA, Knackfuss MI. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes em reação hansênica. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):185-91. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.57405.

Araújo OD. Vulnerabilidades relacionadas à hanseníase entre contatos/coabitantes e sua interface com a detecção de casos novos. [tese]. [Internet]. Teresina: Universidade Federal do Piauí; 2017. [acesso 10 fev. 2022]. 224p. Disponível em: http://repositorio.ufpi.br/xmlui/.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 nov. 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/ prt2446_11_11_2014.html. Acesso em: 12 fev. 2022.

Sousa ALM, Fava VM, Sampaio LH, Martelli CMT, Costa MB, Mira MT et al. Genetic and immunological evidence implicates interleukin 6 as a susceptibility gene for leprosy type 2 reaction. J Infect Dis. 2012;205(9):1417-24. doi: https://doi.org/10.1093/infdis/jis208.

Araçado MFS, Cunha MHCM, Xavier MB. Adesão ao tratamento de hanseníase em pacientes com episódios reacionais hansênicos em uma unidade de referência. Rev Pan-Amaz Sal. 2015;6(2):23-8. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232015000200003.

Foss NT. Episódios reacionais na hanseníase. Medicina. 2003;36(2/4):453-9. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v36i2/4p453-459.

Sociedade Brasileira de Hansenologia. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Hanseníase: episódios reacionais – projeto e diretrizes [Internet]. Belo Horizonte: Associação Médica Brasileira; 2003. [acesso 10 fev. 2022]. 19p. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/hanseniaseepisodios-reacionais.pdf.

Sousa PCG. Análise espacial da endemia hansênica em uma capital do nordeste. [dissertação]. [Internet]. Teresina: Universidade Federal do Piauí; 2016. [acesso 09 fev. 2021]. 69 p. Disponível em: https://repositorio.ufpi. br/xmlui/handle/123456789/1021.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [acesso 09 fev. 2022]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/GuiaPratico-de-Hanseniase-WEB.pdf.

Barbosa JC, Ramos Júnior NA, Alencar OM, Pinto MSP, Castro CGJ. Leprosy after release from treatment in the Brazilian Unified Health System: aspects for access in the Northeast region. Cad Saúde Colet. 2014;22(4):351-8. doi: https://doi.org/10.1590/1414-462X201400040008.

Noriega LF, Chiacchio ND, Noriega AF, Pereira GAAM, Vieira ML. Leprosy: ancient disease remains a public health problem nowadays. An Bras Dermatol. 2016;91(4):547-8. doi: https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20164861.

Downloads

Publicado

21-11-2022

Como Citar

1.
Chaves AF de CP, Araújo OD de, Sousa EC da CL, Cardoso JA, Rodrigues Érica de A, Moura EH. Magnitude dos episódios reacionais na hanseníase em serviço ambulatorial especializado. Hansen. Int. [Internet]. 21º de novembro de 2022 [citado 1º de dezembro de 2022];47. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/37318

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)