Compartilhando saberes e experiências de ensino em um Centro de Referência em Hanseníase

Autores

  • Patrícia Ribeiro Mattar Damiance Doutora em Ciências Odontológicas Aplicadas. Faculdade Anhanguera de Bauru/Kroton. Av. Moussa Nakhl Tobias, 3-33 - Pq. São Geraldo - Bauru.
  • Vanessa Clivelaro Bertassi Panes Mestre em Saúde do Adulto. Faculdade de Medicina de Assis (FEMA).

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2016.v41.34993

Palavras-chave:

ensino clínico, Hanseníase, políticas públicas, enfermagem

Resumo

Este manuscrito tem por objetivo discutir uma experiência de estágio curricular em enfermagem fundamentada na metodologia problematizadora, em um Centro de Referência em Hanseníase. Trata-se de um relato de experiência estruturado na descrição de uma série de atividades, componentes de uma sequência didática, cujos conteúdos permearam a construção do cuidado a adultos e idosos com Hanseníase e/ou outras alterações da pele e anexos. Os objetivos educativos e as técnicas de ensino utilizadas subsidiaram a discussão sobre a construção do conhecimento na perspectiva da pedagogia crítica e das políticas públicas orientadoras da formação acadêmica na área da saúde. Dentre as lições apreendidas destaca-se o papel da intervenção e da mediação docente no processo de aprendizagem e a relevância dos registros reflexivos como essenciais e alavancadores de transformações no processo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde: polos de educação permanente em saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. [cited 2016 Dez 02]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica2_vpdf.pdf
2. Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensinoaprendizagem. 24a ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2002.
3. Suarez DH. Relatos de experiência, saber pedagógico y reconstrucción de la memoria escolar. Educ Rev. 2011;27(1):387-416. doi: 10.1590/S0102-46982011000100018.
4. BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm .Acesso em: 14 jan 2017.
5. Pimenta SG, Lima MSL. Estágio e docência. 3a ed. São Paulo: Cortez; 2008.
6. Fortes JI, Izoot OG Filho, Cruz SCGR, Oliveira SC, Matsui T. Curso de especialização profissional de nível técnico em enfermagem - referencial curricular: neonatologia de risco. São Paulo: FUNDAP; 2010.
7. Masetto MT. Aula universitária. In: Catapan AH, coordenadora. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino: anais do 8º ENDIPE; 1996 mai. 7-10; Florianópolis, BR. Florianópolis: UFSC; 1996. p. 323-30.
8. Barreiro IMF, Gebran RA. Prática de ensino e estágio supervisionado na formação de professores. São Paulo: Avercamp; 2006.
9. Ministério da Saude (BR), Conselho Nacional de Saúde. Relatório final da 10a Conferência Nacional de Saúde. SUS: construindo um modelo de atenção à saúde para a qualidade de vida [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 1996. [cited 2017 Fev 02]. Available from: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatorios/relatorio_10.pdf
10. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Parecer CNE/CES 1133/2001: Diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em enfermagem, medicina e nutrição. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 03 de out. 2001. Seção 1E, p. 131. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2017.
11. BRASIL. Presidência da Republica. Lei n. 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes, e da outras providências. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 set. 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm>. Acesso em: 05 jan. 2018.
12. Paquay L, Perrenoud P, Altet M, Charlier E, organizadores. Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais
competências? 2a ed rev. Porto Alegre: Artmed; 2001.
13. Nemirovsky M. O docente que sabe o que vai fazer é mais seguro e capaz de intervir. Nova Esc. 2011;v (3):46-50.
14. Anastasiou LC, Alves PP. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 6a ed. Joinville: Univalle; 2006.
15. Garcia MF, Rabelo DF, Silva D, Amaral SF. Novas competências docentes frente às tecnologias digitais interativas. Rev Teoria e
Prática da Educação [Internet]. 2011[cited 2016 nov 12];14(1):79-87. Available from: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/16108/8715
16. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2008.
17. Zabalza M. Diários de aula: um instrumento depesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Downloads

Publicado

30-11-2016

Como Citar

1.
Damiance PRM, Panes VCB. Compartilhando saberes e experiências de ensino em um Centro de Referência em Hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2016 [citado 26º de fevereiro de 2024];41(1/2):105-13. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/34993

Edição

Seção

Relatos de Experiências