Hanseníase virchowiana difusa e o diagnóstico diferencial com outras doenças sistêmicas

Autores

  • Lúcia Mioko Ito Médica assistente e preceptora/ FMABC.
  • Amanda VC Oliveira Médica pós- graduanda/FMABC - (médica).
  • GiulianaAngelucci Miranda Acadêmica de Medicina/FMABC.
  • Juliana Milhomem Tamanini Acadêmica de Medicina/ FMABC.
  • Cristina Van Blarcum de Graff Mello Acadêmica de Medicina/ FMABC.
  • Elberth José dos Santos Acadêmico de Medicina/ FMABC
  • Carlos D´Aparecida Santos Machado Filho Médico Titular da Disciplina de Dermatologia da FMABC, professor adjunto da Disciplina de Dermatologia FMABC, Livre- Docente, Chefe do Setor de Cirurgia Dermatológica da FMABC/FMABC.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2014.v39.35032

Palavras-chave:

Hanseníase, Linfoma, Hanseníase Virchowiana, Mycobacterium leprae, Linfoma Cutâneo de Células T, Linfoma não Hodgkin

Resumo

A Hanseníase é uma doença causada pelo Mycobacterium leprae, com manifestações cutâneas acompanhadas de perda da sensibilidade e envolvimento de sistema nervoso periférico, podendo acometer vísceras e mucosas. O Brasil ocupa o 2° lugar no ranking de prevalência da doença. A classificação própria da hanseníase evidencia sua complexidade clínica e polimorfismo; e possibilita intersecções com patologias como o linfoma não Hodgkin. Este é uma neoplasia maligna de linfonodos, e pode manifestar-se primariamente na pele. Paciente masculino, 51 anos. Procurou o serviço com queixa de “pele rachada”, lesões em boca e língua, e emagrecimento. Ao exame físico, presença de placas em palato, formações esbranquiçadas em dorso de língua e infiltração em lóbulo de orelha. Identificaram-se ainda, alterações sensitivas em extremidades, rash cutâneo eritemato-descamativo generalizado, tumoração em cotovelo, e lesões eritemato-infiltradas com exulcerações em membros inferiores. As hipóteses diagnósticas foram: hanseníase, leishmaniose cutâneo-mucosa, SIDA, Sífilis secundária e linfoma não Hodgkin. Durante a investigação, obtiveram-se resultados negativos para todas as sorologias, exceto a pesquisa de BAAR e biópsia sugerindo Hanseníase Virchowiana. Iniciou-se tratamento poliquimioterápico e houve remissão completa das lesões. Na hanseníase virchowiana, notam-se lesões sólidas papulosas, nodulares, ou em placas com características variáveis. Além disso, é possível encontrar espessamento de pavilhão auricular, madarose e obstrução nasal. Lesões em cavidade oral, também são descritas nestes casos. Os linfomas não Hodgkin de apresentação cutânea primária, podem se assemelhar a formas difusas de Hanseníase virchowiana, pois são neoplasias linforreticulares que se manifestam durante a história natural da doença em tecidos extranodais, dentre eles, a pele.

Referências

1 Sampaio SAP, Rivitti EA.Dermatologia. 3a ed. São Paulo: Artes médicas; 2008, Capítulo 41, Hanseníase; p.625-51.
2 Secretaria da Saúde do Governo do estado do Ceará (CE), Coordenaria de Promoção e Proteção à Saúde, Núcleo de Vigilância Epidemiológica SESA. Informe Epidemiológico: Hanseníase [Internet]. Fortaleza; 2014. [citado em 2014 Jun10] Disponível em: http://www.saude.ce.gov.br/index.php/boletins?download=813%3Ahanseniase--janeiro-de-2012
3 Ministério da saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil. Brasília; 2008. [citado em 2015 Abr18]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_saude_situacao_hanseniase.pdf
4 Lana FCF, Carvalho APM, Davi RFL. Perfil epidemiológico da Hanseníase na microrregião de Araçuaí e sua relação com ações de controle.Esc Anna Nery (impr.).2011;15(1):62-7.
5 Magalhães MCC, Rojas LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil.EpidemiolServSaúde.2007;16(2):75-84.
6 Silva GS, Patrocinio LM, Patrocinio JA, Goulart IMB. Otorhinolaryngologic evaluation of leprosy patientsprotocol of a National Reference Center.IntArch Otorhinolaryngol. 2008;12(1):77-81.
7 Abreu MAMM, Michalany NS, Weckx LLM, Pimentel DRN, Hirata CHW, Alchorne MMA. A mucosa oral na hanseníase: um estudo clínico e histopatológico.RevBrasOtorrinolaringol.2006 Maio-Jun;72(3):312-6.
8 Souza SC. Hanseníase: formas clínicas e diagnóstico diferencial.Medicina (Ribeirão Preto).1997Jul-Set; 30:325-34.
9 Rocha VB, Araújo MG, Carvalho SV, Guedes ACM. Linfoma não Hodking simulando hanseníase Virchowiana.An Bras Dermatol. 2003;78(3):361-5.
10 Bagla N, Patel MM, Patel RD, Jarag M. Lepromatous lymphadenitis masquerading as Lymphoma.LeprRev.2005 Mar; 76(1):87-90.
11 Silva MR, Oliveira MLW, Fontoura GHM.Leprosy: uncommon presentations.ClinDermatol.2005 Sep-Oct; 23(5):509-14.
12 Dhillon M, Mohan RS, Raju SM, Krishnamoorthy B, Lakhanpal M. Ackerman´s tumour of buccal mucosa in a leprosy Patient.Lepr Rev.2003;84:151-7.
13 Costa MRSN. Considerations on oral cavity involvement in Leprosy.Hansen Int.2008;33(1):41-4.
14 Pimentel MIF, Nery JAC, Borges E, Gonçalves RR, Samo EN. Influência do tempo de evolução prévio ao diagnóstico inicial incapacidades presentes no exame inicial de pacientes portadores de hanseníase multibacilar.Hansen Int.2002;27(2):77-82.
15 Araujo MG. Hanseníase no Brasil.Rev Soc Bras Med Trop.2003;36(3):373-82.
16 Moreira D, Alvarez RRA. Utilização dos monofilamentos de Semmes-Weinstein na avaliação de sensibilidade dos membros superiores de pacientes hansenianos atendidos no Distrito Federal.Hansen Int.1999;24(2):121-8.
17 Sanches JA Junior, Moricz CZM, Festa C. Neto.Processos linfoproliferativos da pele: parte 2- Linfomas cutâneos de células T e de células NK.An Bras Dermatol.2006;81(1):7-25.
18 Willenze R, Hodak E, Zinzani L, Specht L, Ladetto M. Primary cutaneous lymphomas: ESMO Clinical Practice Guidelines for diagnosis, treatment and follow-up.Ann Oncol.2013;00:1-6.
19 Mahajan N, Rao S, Sobti P, Khurana N, Garg VK, Jain S. Anaplastic large cell lymphoma and lepromatousleprosy: a rare coexistence.LeprRev.2012;83(1):104-7.

Downloads

Publicado

30-06-2014

Como Citar

1.
Ito LM, Oliveira AV, Miranda G, Tamanini JM, Mello CVB de G, Santos EJ dos, Machado Filho CDS. Hanseníase virchowiana difusa e o diagnóstico diferencial com outras doenças sistêmicas. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2014 [citado 7º de julho de 2022];39(1):56-63. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/hansenologia/article/view/35032

Edição

Seção

Seção anátomo-clínica