Avaliação da estabilidade química de sardinhas-verdadeiras (Sardinella brasiliensis) inteiras e evisceradas armazenadas sob refrigeração
PDF

Palavras-chave

Sardinhas
bases voláteis totais
histamina
formaldeído

Como Citar

1.
Andrade S da CS, Mársico ET, Masson LMP, Guimarães CFM. Avaliação da estabilidade química de sardinhas-verdadeiras (Sardinella brasiliensis) inteiras e evisceradas armazenadas sob refrigeração. Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 1º de abril de 2010 [citado 25º de julho de 2024];69(4):562-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/32616

Resumo

A estabilidade química de amostras de sardinhas refrigeradas em três diferentes condições de conservação foi avaliada por meio de determinação de bases voláteis totais (N-BVT) e análise de produção de histamina, putrescina e cadaverina. As amostras foram separadas em três grupos: o primeiro composto de sardinhas inteiras refrigeradas, sem adição de gelo (4-7°C); o segundo e o terceiro grupos foram constituídos, respectivamente, de sardinhas inteiras e evisceradas, com adição de gelo (0-3C°). Somente o primeiro grupo apresentou teor de N-BVT acima do preconizado pela legislação no 14º dia de estocagem. Nos segundo e terceiro grupos, os valores mantiveram-se abaixo de 17 mg N.100 g-1. Em todos os grupos não houve produção de histamina acima do limite oficial de 10 mg.100 g-1, contudo no primeiro grupo o valor inferior a 2 mg.100 g-1 foi detectado a partir do 21º dia de estocagem. Putrescina e cadaverina foram detectadas a partir do 12°, 16° e 19° dias de estocagem, respectivamente, no primeiro, segundo e terceiro grupo. A presença de formaldeído foi avaliada, cujo resultado foi positivo em todos os grupos estudados. A longa validade comercial dessas espécies ocorreu em função do uso de conservante na cadeia produtiva.
https://doi.org/10.53393/rial.2010.v69.32616
PDF

Referências

1. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Estatística da pesca 2006 Brasil: grandes regiões e unidades da federação. Brasília;2008.

2. Osman H, Suriah AR, Law EC. Fatty acid composition and cholesterol contet of selected marine fish in Malaysian waters. Food Chem. 2001;73(1):55-60.

3. Espírito Santo MLP, Beirão LH, Sant’ana ES, Dalcin EB, Franco BGM. Bacteriocinogenic effect of Lactobacillus sakei 2a on microbiological quality of fermented Sardinella brasiliensis. Braz Arch Biol Technol. 2003;46(4):553-61.

4. Visentainer JV, Carvalho PO, Ikegaki M, Park YK. Concentração de ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA) em peixes marinhos da costa brasileira. Ciênc Tecnol Aliment. 2000;20(1):90-3.

5. Ogawa M, Maia EL. Manual de pesca:ciência e tecnologia do pescado. São Paulo: Livraria Varela; 1999.

6. Brasil. Instrução Normativa nº 128 de 2006 do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. 26 outubro 2006.

7. Huss HH. Garantia da Qualidade dos produtos da pesca. Roma: FAO; 1997.

8. Jay MJ. Microbiologia de alimentos. 6 ed. Porto Alegre: Artmed; 2005.

9. Huss HH. El Pescado Fresco: Su Calidad y Cambios de su Calidad. Dinamarca: FAO; 1999.

10. Contreras-Guzmán ES. Bioquímica de pescado e derivados. Jaboticabal: FUNEP; 1994.

11. Giannini DH. Determinación de nitrógeno básico volátil (NBV) en pescado: consideraciones generales. Alimentaria. 2003;40(343):49-54.

12. Brasil. Portaria n° 185 de 1997 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Peixe Fresco (inteiro e eviscerado). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 maio 1997.

13. Beraquet NJ, Lindo MMK, Vieira MC. Métodos químicos na avaliação da qualidade de sardinha (Sardinella brasiliensis) fresca e processada termicamente. Col ITAL.1985; 15:141-70.

14. Marrakchi AE, Bennour M, Bouchriti N, Hamama A, Tagafait H. Sensory, chemical and microbiological assessments of Moroccan sardines (Sardina pilchardus) stored in ice. J Food Prot. 1990;53(7):600-5.

15. Ababouch LH, Souibri L, Rhaliby K, Ouahdi O, Battal M, Busta FF. Quality changes in sardines (Sardina pilchardus) stored in ice and at ambient temperature. Food Microbiol. 1996;13:123-32.

16. Veciana-Nogués MC, Mariné-Font A, Vidal-Carou MC. Biogenic amines as hygienic quality indicators of tuna. Relationship with microbial counts, ATP- related compounds volatile amines and organoleptic changes. J Agric Food Chem. 1997;45: 2036-41.

17. Lapa-Guimarães J, Pickova J. New solvent systems for thin-layer chromatographic determination of nine biogenic amines in fish and squid. J Chromatogr A. 2004;1045: 223-32.

18. Lehane L, Olley J. Histamine fish poisoning revisited. Int J Food Microbiol. 2000;58:1-37.

19. Shalaby AR. Significance of biogenic amines to food safety and human health. Food Res Int.1996;29(7):675-90.

20. Brasil. Métodos analíticos oficiais para o controle de Produtos de Origem Animal e seus ingredientes. II – Métodos físicos e químicos. Laboratório Nacional de Referência Animal (LANARA). Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF. 1981.

21. Schutz DE, Chang GW, Bjeldanes LF. Rapid thin layer chromatografic method for the detection of histamine in fish products. Chemical indexes.Departement of Nutricion Science; University of Califórnia Berkeley, 1976.

22. Brasil. Métodos Físico-químicos para análise de Alimentos do Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 1018 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos), 4 ed.

23. Önal A. A review: Current analytical methods for the determination of biogenic amines in food. Food Chem. 2007;103:1475-86.

24. Erkan N, Özden Ö. Quality assessment of whole and gutted sardines (Sardina pilchardus) stored in ice. Int J Food Sci Technol. 2008;43:1549-59.

25. Shakila RJ, Vijayalakshmi K, Jeyasekaran G. Changes is histamine and volatile amines in six commercially important species of fish of the Thoothukkudi coast of Tamil Nadu, India stored at ambient temperature. Food Chem. 2003;82:347-52.

26. Brasil. Portaria nº 540 de 1997 do Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Aprova o Regulamento Técnico: Aditivos Alimentares - definições, classificação e emprego. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 outubro 1997.

27. Brasil. Resolução nº 4 de 1988 do Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Aprova revisão das tabelas I, III, IV e V referente a aditivos intencionais, bem como os anexos I, II, III e VII, todas do Decreto nº 55.871 de 26 de março de 1965. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. 24 novembro 1988.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2010 Sabrina da Costa Silva Andrade, Eliane Teixeira Mársico, Lourdes Maria Pessoa Masson, Carlos Frederico Marques Guimarães

Downloads

Não há dados estatísticos.