Uso de tamis na identificação de elementos histológicos em iogurtes com polpa de fruta(s)
pdf

Palavras-chave

Iogurte com polpa de fruta(s)
Identificação de elementos histológicos
Análise microscópica

Como Citar

1.
Nogueira MD, Rodrigues RMMS. Uso de tamis na identificação de elementos histológicos em iogurtes com polpa de fruta(s). Rev Inst Adolfo Lutz [Internet]. 30º de dezembro de 1994 [citado 25º de abril de 2024];54(2):93-6. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/RIAL/article/view/35697

Resumo

Comparou-se a eficiência de dois métodos empregados na análise microscópica para identificação dos elementos histológicos em iogurtes com polpa de fruta (s). Os métodos utilizados foram: A - desengorduramento seguido de hidrólise alcalina a 5% e B - uso do tamis USBS 230 e água filtrada a 35°C. Foram analisadas 30 amostras de iogurtes com polpa de fruta(s) de diferentes sabores, simples ou combinados, adquiridas no comércio da cidade de São Paulo. O método B foi mais efeiciente por permitir boa visualização do material e caracterização das frutas em 96,7% das amostras, assim como, avaliar a qualidade da polpa de fruta. O Método B, por ser mais rápido, simples e preciso e por não utilizar reagentes tóxicos, mostrou-se mais adequado para a identificação histológica de vegetais em iogurtes com polpa de fruta(s).

https://doi.org/10.53393/rial.1994.54.35697
pdf

Referências

1. BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Regulamento de inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. Aprovado pelo decreto n° 30.691 de 23-3-52, alterado pelo decreto n° 1.255 de 25-6-62. Brasília, DIPOA, 1980. p.l15.

2. BRASIL. SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA. Portaria n? 02 de 10 de abril de 1985. Diário Oficial da União, Brasília, 30 set. 1985. Seção I, pt 1, p.6052.

3. FUNDACENTRO, Ministério do Trabalho. Ficha de orientação para produtos químicos. São Paulo, 1981.

4. GRANDI, J.G. - Leites fermentados, manteiga e queijos. In: AQUARONE, E.; LIMA, U.A. & BORZANI,

W. - Alimentos e bebidas produzidos por fermentação. São Paulo, Edgard Blucher, 1983. (Série Biotecnologia, 5), p. 124-30.

5. LEHNINGER, A.L. - Componentes moleculares das células. São Paulo, Edgard BIucher, 1976. p.71.

6. MERCK AND COMPANY. The Merck Index. Rahway, N.J. 11 ed., 1989, p.594 e 600.

7. MENEZES JUNIOR, J.B.F. - Investigação sobre o exame microscópico de algumas substâncias alimentícias. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 9:18-77, 1949.

8. MENEZES JUNIOR, J.B.F. - A investigação microscópica de sementes oleaginosas. Rev.Inst. Adolfo Lutz, 18:26, 1958.

9. SCHULZC, A.E. - Applied histology of foods and drugs material. In: FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Microscopic-analytical methods in foods and drug control, Washington, D.C. FDA, 1960. (Techin. BulI. no. 1), p. 209-20.

10. WALLIS, T.E. - Microscopia analítica: sus fines, y metods in relacion a Ias alimentos, agua, especias y medicamentos; trad. por J.G. Berenguer, Zaragoza, Acribia, 1968. p. 24-5.

11. WINTON, A.B. & WINTON, K.B. - The structure and composition offoods. New York, John Wiley, 1939. v.2, p. 102-803.

12. ZAMBONI, C.Q. et ali. Manual de análise microscópica de alimentos. São Paulo, 1986. p. 18-9 (apostila mimeografada).

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 1994 Márcia Dimov Nogueira, Regina M. Morelli S. Rodrigues

Downloads

Não há dados estatísticos.