Avaliação da prática do autocuidado domiciliar em hanseníase

Autores

  • Noêmi Garcia de Almeida Galan Pesquisador Científico da Divisão de Pesquisa e Ensino, Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL), Bauru/SP, Brasil.
  • Marli Luiz Beluci Doutora em Ciências da Reabilitação pelo Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC/USP), Bauru/SP, Brasil.
  • Lucia Helena Soares Camargo Marciano Pesquisador Científico da Divisão de Pesquisa e Ensino, Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL), Bauru/SP, Brasil.
  • Renata Bilion Prado Ruiz Pesquisador Científico da Divisão de Pesquisa e Ensino, Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL), Bauru/SP, Brasil.
  • Nagila Garcia Galan de Oliveira 5 Mestre em Enfermagem pela Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, (FMB/UNESP), Botucatu/SP, Brasil.
  • Ariane Gasparotto Bonini Enfermeira. Graduado pelas Faculdades Integradas de Jaú (FIJ). Jaú /SP, Brasil
  • Fabio Ribeiro Arakaki Enfermeiro. Graduado pelas Faculdades Integradas de Jaú (FIJ). Jaú /SP, Brasil.
  • Gisele da Silva Guimarães Enfermeira. Graduado pelas Faculdades Integradas de Jaú (FIJ). Jaú /SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2016.v41.34979

Palavras-chave:

Hanseníase, Autocuidado, Educação em Saúde

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar se indivíduos acometidos pela hanseníase realizavam adequadamente a prática do autocuidado e possíveis fatores interferentes. Trata-se de um estudo documental, observacional e descritivo de inquérito domiciliar. A amostra abrangeu todos os onze pacientes detectados durante um ano, em um município com 120.000 habitantes no interior do estado de SP. Foram coletados os dados clínicos e cuidados prescritos dos prontuários. A entrevista e a observação das práticas de autocuidado foram realizadas no domicílio. Foi solicitado aos participantes para identificarem os problemas decorrentes da doença, descreverem quais, como e quando faziam o autocuidado, o qual foi classificado como: realizado adequadamente, parcialmente ou não realizado. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (Nº 06/2007). Dos cinco que apresentavam grau 2 de incapacidades, três realizavam parcialmente e dois não realizavam o autocuidado. Demonstraram dificuldades em aceitar o comprometimento físico e de incorporar as práticas diárias por fatores multicausal, o mesmo aconteceu com aqueles com grau 1. A necessidade da manutenção do trabalho laboral, com exposição a traumas físicos e em período integral, pode levar a ocultação da doença, seja para si ou para a sociedade, e dificultar as ações de autocuidado, tanto pela falta de tempo quanto pela não aceitação da doença. O modelo paternalista, fragmentador e mecânico da assistência em saúde, sugere uma tendência à dependência dos serviços institucionais, desconstruindo a autonomia e a responsabilidade individual sobre seu estado de saúde, desmotivando as ações do autocuidado domiciliar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Lastória JC, Abreu MAMM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento [Internet]. 2012 [cited 2015 Jun 13];17(4):173-9. Available from: http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2012/v17n4/a3329.pdf.
2 Araújo MG. Hanseníase no Brasil. Rev Soc Bras Trop. 2003;36(3):373-82. doi: 10.1590/S0037-86822003000300010.
3 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Prevenção de Incapacidades [Internet]. 3a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. [cited 2015 Mai 27]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_prevencao_incapacidades.pdf
4 Duerksen F. Reabilitação. In: Opromolla DVA, Baccarelli R, organizadores. Prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase [Internet]. Bauru: Instituto Lauro de Souza Lima; 2003. p. 3-4. [cited 2015 Fev 22]. Available from: http://hansen.
bvs.ilsl.br/textoc/livros/OPROMOLLA_DILTOR_prevencao/aspectos%20gerais/PDF/reabilit.pdf
5 Seshadri D, Khaitan BK, Khanna N, Sagar R. Dehabilitation in the era of elimination and rehabilitation: a study of 100 leprosy patients from a tertiary care hospital in India. Lepr Rev [Internet]. 2015 [cited 2015 Abr 02];86(1):62-74. Available from: https://www.lepra.org.uk/platforms/lepra/files/lr/Mar15/1850.pdf
6 George JB. Teorias de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4a ed. Porto Alegre: Artmed; 2000. 375 p.
7 Brito KKG, Soares MJGO, Costa MML, Oliveira SHS. Práticas e limitações de clientes com hanseníase no cuidar das lesões cutâneas. Rev Enferm UFPE on line. 2014:8(1):16-21. doi: 10.5205/reuol.4843-39594-1-SM.0801201403
8 Nardi SMT, Paschoal VDA, Chiaravalloti-Neto F, Zanetta DMT. Deficiências após a alta medicamentosa da hanseníase: prevalência e distribuição espacial. Rev Saúde Pública [Internet]. 2012 [cited 2015 Fev 14];46(6):969-77. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v46n6/ao4048.pdf
9 Alberts CJ, Smith WCS, Meima A, Wang L, Richardus JH. Potential effect of the World Health Organization’s 2011-2015 global leprosy strategy on the prevalence of grade 2 disability: a trend analysis. Bull World Health Organ [Internet]. 2011 July [cited 2015 mai 02];89(7):487-95. Available from: http://www.who.int/bulletin/volumes/89/7/10-085662/en/
10 Silva AC, Ferreira RC, Ferreira MAA, Ribeiro MTF. Association between the degree of physical impairment from leprosy and dependence in activities of daily living among the elderly in a health unit in the State of Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop. 2014;47(2):212-7. doi: 10.1590/0037-8682-0012-2014
11 Pieri FM, Ramos ACV, Crispim JA, Pitiá ACA, Rodrigues LBB, Silveira TRS, et al . Fatores associados às incapacidades em pacientes diagnosticados de hanseníase: um estudo transversal. Hansen Int [Internet]. 2012 [cited 2015 Mar 16];37(2):22-30. Available from: http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=12010
12 Leite IF, Arruda AJCG, Vasconcelos DIB, Santana SC, Chianca KSV. A qualidade de vida de pacientes com hanseníase crônica. Rev Enferm UFPE on line. 2015;9(6):8165-71. doi:10.5205/reuol.7585-66362-1-ED.0906201503
13 Deepak S, Hansine PE, Braccini C. Self-care groups of leprosy-affected people in Mozambique. Lepr Rev [Internet]. 2013 [cited 2015 Jun 12];84(4):283-91. Available from: https://www.lepra.org.uk/platforms/lepra/files/lr/Dec13/Lep283-291.pdf
14 Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a
2006. Rev Soc Bras Med Trop [Internet]. 2010 [cited 2015 Abr 12];43(1):62-7. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v43n1/a14v43n1.pdf
15 Souza IA, Ayres JA, Meneguin S, Spagnolo RS. Autocuidado na percepção de pessoas com hanseníase sob a ótica da complexidade. Esc Anna Nery. 2014;18(3):510-4. doi: 10.5935/1414-8145.20140072
16 Teasdale K, De Wildt G, Das Pranab K, Virmond MCL, Galan NGA, Prado RBR, et al. The patient perspective of the diagnostic process for leprosy in Brazil: an exploratory study. Lepr Rev [Internet]. 2015 [cited 2015 Jan 08];86(1):21-36. Available from: https://www.lepra.org.uk/platforms/lepra/files/lr/Mar15/1967.pdf
17 Galan NG, Marciano LHSC, Fonseca MS, Marques T, Prado RBR, Cury M Filho, et al. Ambulatório de autocuidado em Hanseníase: descrição de resultados. Hansen Int [Internet]. 2011 [cited 2015 Mar 30];36(Supl 1):223. Available from: http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=11491&texto=portugues
18 Batista TVG, Vieira CSCA, Paula MAB. A imagem corporal nas ações educativas em autocuidado para pessoas que tiveram hanseníase. Physis. 2014;24(1):89-104. doi: 10.1590/S0103-73312014000100006.
19 Nardi SMT, Ikehara E, Pedro HSP, Paschoal VDA. Characterization of the profession/ occupation of individuals affected by leprosy and the relationship with limitations in professional activities. Indian J Lepr [Internet].2012 [cited 2015 Fev 15];84:1-8. Available from: http://ijl.org.in/2012/jan-mar/1_Nardi_et_al_(original).pdf
20 Baialardi KS. O estigma da hanseníase: relato de experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int [Internet]. 2007 [cited 2015 Abr 19];32(1):27-36.Available from: http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=10907
21 Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara; 1988.
22 Silveira MGB, Coelho AR, Rodrigues SM, Soares MM, Camillo GN. Portador de hanseníase: impacto psicológico do diagnóstico. Psicol Soc [Internet]. 2014 [cited 2015 Mar 20];26(2):517-27. Available from: http://www.ufrgs.br/seerpsicsoc/ojs2/index.php/seerpsicsoc/article/view/3771/2416
23 Sermrittirong S, Van Brakel WH. Stigma in leprosy: concepts, causes and determinants. Lepr Rev [Internet]. 2014 [cited 2015 Abr 20]; 85(1):36-47. Available from: https://www.lepra.org.uk/platforms/lepra/files/lr/Mar14/1835.pdf
24 Beluci ML, Borgato MH, Galan NGA. Avaliação de cursos multiprofissionais em hanseníase. Hansen Int [Internet]. 2012 [cited 2015 Jun 16];37(2):47-53. Available from: http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=12013

Downloads

Publicado

30-11-2016

Como Citar

1.
Galan NG de A, Beluci ML, Marciano LHSC, Ruiz RBP, Oliveira NGG de, Bonini AG, Arakaki FR, Guimarães G da S. Avaliação da prática do autocuidado domiciliar em hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2016 [citado 21º de abril de 2024];41(1/2):37-45. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/34979

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)