Equilíbrio postural em pacientes com sequelas de hanseníase

Autores

  • Amanda Zagui Mendes Fisioterapeuta pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Daniele Concicovski Fisioterapeuta pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Juliana Mayki Malacarne Fisioterapeuta pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Karine Carminati Domingos Fisioterapeuta pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Lysiane Langenberg Serozini Fisioterapeuta pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Carlos Eduardo de Albuquerque Mestre, docente da graduação em fisioterapia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Celeide Pinto Aguiar Peres Docente da graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Gladson Ricardo Flor Bertolini Doutor, Docente da graduação em Fisioterapia e do Mestrado em Biociências e Saúde da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2014.v39.35022

Palavras-chave:

Hanseníase, Equilíbrio Postural, Fisioterapia

Resumo

O Mycobacterium leprae é a bactéria causadora da hanseníase, o qual possui como preferência as células nervosas, podendo provocar ausência ou diminuição das sensibilidades, isto pode limitar o controle do equilíbrio. O presente estudo objetivou analisar o controle postural de sujeitos com sequelas de hanseníase e comparar com sujeitos saudáveis. Materiais e métodos: a amostra foi composta por 28 voluntários, com idade entre 25 e 67 anos, sendo subdivididos em dois grupos: o Grupo Controle (GC) e o Grupo Hansen (GH). Os indivíduos foram submetidos ao teste de equilíbrio funcional pelo mini-BESTest e logo após, realizou-se o teste laboratorial de integração sensorial com estabilografia. Resultados: a análise da área do centro de pressão nas condições olhos fechados em superfície estável e em superfície instável do GC e GH possuíam diferenças significativas (p<0,001). Já os resultados da realização do mini-BESTest não mostraram variação significativa. Assim, observou-se que há uma semelhança no padrão da área de oscilação corporal dentro dos grupos, entretanto, quando comparados GH com GC, os pacientes com sequela de Mal de Hansen foram piores na habilidade de manter a estabilidade corporal. Contudo, essas alterações não refletiram os resultados pelo mini-BESTest.

Referências

1. Souza CS. Hanseníase: formas clínicas e diagnóstico diferencial. RevSocBrasMed Trop. 2003;36(3):373-82.
2. Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CMF. Ocorrência de neurite em pacientes com hanseníase: análise da sobrevida e fatores preditivos. SocBrasMed Trop. 2008;41(5):464-9.
3. Alfieri FM. Distribuição da pressão plantar em idosos após intervenção proprioceptiva. RevBrasCineantropom Desempenho Hum. 2008;10(2):137-42.
4. Schmidt PMS, Giordani AM, Rossi AG, Cóser PL. Avaliação do equilíbrio em alcoólicos. Braz J Otorhinolaryngol.2010;76(2):148-55.
5. Carneiro JAO, Santos-Pontelli TEG, Colafêmina JF, Carneiro AO, Ferriolli E. Análise do equilíbrio postural estático utilizando um sistema eletromagnético tridimensional. Braz J Otorhinolaryngol.2010;76(6):783-8.
6. Duarte M, Freitas SMSF. Revisão sobre posturografia baseada em plataforma de força para avaliação do equilíbrio. RevBrasFisioter.2010;14(3):183-92.
7. Maia AC, Rodrigues-de-Paula F, Magalhães LC, Teixeira RLL. Cross-cultural adaptation and analysis of the psychometric properties of Balance Evaluation Systems Test and MiniBESTest in the elderly and individuals with Parkinson´s disease: application of teRasch model. Braz J PhysTher. 2013 May-June;17(3):195-217.
8. Mercadante FA. Avaliação do controle postural em portadores de hanseníase [dissertação]. São Paulo: Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo; 2010.
9. Leddy AL, Crowner BE, Earhart GM. Functional gait assessment and balance evaluation system test: reliability, validity, sensitivity, and specificity for identifying individuals with Parkinson disease who fall. PhysTher. 2011;91(1):102-13.
10. Franchignoni F, Horak F, Godi M, Nardone A, Giordano A. Using psychometric techniques to improve the balance evaluation systems test: the mini-bestest. J Rehabil Med. 2010;42(4):323-31.
11. Werneck LC, Tive HAG. Muscle involvement in leprosy study off the anterior tibial muscle in 40 patients. ArqNeuropsiquiatr. 1999;57(3-B):723-34.
12. Corriveau H, Prince F, Hebert R, Raiche M, Tessier D, Maheus P, et al. Evaluation of postural instability in elderly with
diabetic neuropathy. Diabetes Care. 2000;23(8):1187-91.
13. Lafond D, Corriveau H, Prince F. Postural control mechanisms during quiet standing in patients with diabetic sensory neuropathy. Diabetes Care. 2004;27(1):173-8.
14. Simoneau GG, Derr JA, Ulbrecht JS, Becker MB, Cavanagh PR. Diabetic sensory neuropathy effect on ankle joint movement perception. ArchPhysMedRehabil.1996;77(5):453-60.
15. Britto RR, Santiago L, Elisa P,Pereira LSM.Efeitos de um programa de treinamento físico sobre a capacidade funcional de idosos institucionalizados. Textos Envelhecimento.2005;8(1):9-20.
16. Soares MA, Sacchelli T. Efeitos da cinesioterapia no equilíbrio de idosos. RevNeurocienc.2008;16(2):97-100.

Downloads

Publicado

30-06-2014

Como Citar

1.
Mendes AZ, Concicovski D, Malacarne JM, Domingos KC, Serozini LL, Albuquerque CE de, Peres CPA, Bertolini GRF. Equilíbrio postural em pacientes com sequelas de hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2014 [citado 26º de setembro de 2022];39(1):3-7. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35022

Edição

Seção

Artigos originais