Sonhos interrompidos, caminhos desviados: marcas amenizadas por pensões

Autores

  • Regina Célia Pinheiro da Silva Mestre. Professora Assistente aposentada do Departamento de Serviço Social da Universidade de Taubaté. Professora da pós-graduação da UNITAU.
  • Carmen Luiza Monteiro Paes Guisard Assistente social Sanitarista do Ambulatório Regional de Especialidades de Taubaté.
  • Heleida Nobrega Metello Assistente social Especialista em Administração Hospitalar. Assistente Técnica da Coordenação do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
  • Maria Emília Ferreira Psicóloga Sanitarista do Hospital Dr. Francisco Ribeiro Arantes, Itu.
  • Mary Lise C. Marzliak Médica sanitarista. Diretora Técnica da Divisão Técnica de Vigilância Epidemiológica em Hanseníase do CVE da Secretaria de Estado da Saúde. Coordenadora Estadual do Programa de Controle da Hanseníase.
  • Tânia Maria Guelpa Clemente Assistente social Especialista em Violência Doméstica; Serviço Social Médico; Prevenção às DST/Aids na vulnerabilidade e direitos humanos. Centro de Saúde Dr. Lourenço Quilici, Bragança Paulista.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2013.v38.35071

Palavras-chave:

Hanseníase, Inquéritos Epidemiológicos, Qualidade de Vida

Resumo

Este artigo é resultado de pesquisa da Divisão Técnica de Hanseníase da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo realizada com pessoas acometidas pela hanseníase e que recebem pensões do Estado desde 1954, como política compensatória. Foi utilizado inquérito de saúde de base populacional com universo de 631 beneficiários, sendo entrevistados, através de um formulário, 485 sujeitos. As entrevistas com os pensionistas foram realizadas em Unidades de Saúde e nos antigos Hospitais-Colônia onde ainda vivem remanescentes do isolamento compulsório. A pesquisa foi dividida em duas fases: aspectos sociais, com questões fechadas e abertas, e avaliação de incapacidades. Portanto, trata-se de pesquisa com abordagem quanti-qualitativa, que valorizou o discurso dos sujeitos. Os principais resultados qualitativos comprovam a importância do rendimento auferido pela pensão na sobrevivência dos pensionistas e familiares, bem como o impacto da hanseníase e do isolamento compulsório na vida destas pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Metello HN. Hanseníase: fios que tecem infinitas histórias [slide]. [local desconhecido]: Divisão Técnica de Hanseníase/ CVE/ CCD/ SES-SP; 2009. 123 slides. 2 Martins AM. Qualidade de vida em portadores de Hanseníase [dissertação]. Campo Grande, MS:
Universidade Católica Dom Bosco; 2009 [citado em2010 25 Fev]. Disponível em: http://www.tede.ucdb.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=376
3 Monteiro YN. Da maldição divina à exclusão social: um estudo da hanseníase em São Paulo [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; 1995. v. I.
4 Baialardi KS. O estigma da hanseníase: relato de uma experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int.2007;32(1):27-36.
5 Malta DC, Leal MC, Costa MFL, Morais OL Neto. Inquéritos nacionais de saúde: experiência acumulada e proposta para o inquérito de saúde brasileiro. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2008 Maio[citado em 2010Abr 25];11(Supl.1):159-67. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2008000500017&Ing=pt&nrm=iso&tlng=pt
6 Barata RB. Inquérito Nacional de Saúde: uma necessidade? Cienc Saude Colet [Internet]. 2006 Out-Dez[citado em 2010 Maio 6];11(4):870-1. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1413--812320060004&Ing=pt&nrm=iso
7 Barros MBA. A importância dos sistemas de informação e dos inquéritos de base populacional para avaliações de saúde. Epidemiol Serv Saude [Internet]. 2004Dez [citado em 2010Jul 28];13(4):199-200. Disponível em: scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v13n4/v13n4a01.pdf
8 Sá MAAS. Trajetórias docentes: avanços, recuos e desvios na vida profissional de professores engenheiros. [tese]. São Paulo: Instituto de Psicologia da PUC-SP; 2004.
9 Huberman M.Trabajando com narrativas biográficas. In: McEwan H, Egan K, compiladores. La narrativa em la enseñanza, el aprendizaje y La investigación. Buenos Aires: Amorrortu; 1998. p. 183-235.
10 Nogueira-Martins MCF, Bógus CM. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saude Soc. 2004 Set-Dez;13(3):44-57.
11 Huberman M. O ciclo de vida profissional dos professo-res. In: Nóvoa A, organizador. Vidas de professores. 2a ed. Portugal: Porto Editora; 1995. p. 31-61.
12 Galinkin AL. Estigma, território e organização social. EspaçGeogr [Internet]. 2003 [citado em 2009 Maio 20];6(2):151-79. Disponível em: http://vsites.unb.br/ih/novo_portal/portal_gea/lsie/revista/arquivos/volume_6_numero_2_2003/e_g_2003_v6_
n2_151_179_galinkin.pdf
13 Araújo MG. 1925-2005 Evolução e estado atual da quimioterapia da hanseníase. AnBrasDermatol [Internet]. 2005[citado em 2010Jul 28];80(2):199-202 Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/abd/v80n2/a14v80n02.pdf
14 Galli VL. Relações humanas na instituição causando ansiedade e depressão. Rev da Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo [Internet]. 2000 [citado em 2010Jul 28];1(1):17-23. Disponível em: http://pepsic.bvs-psi.
org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677--29702000000100003&Ing=pt&nrm=.pf
15 Curi LM. Defender os sãos e consolar os lázaros: lepra e isolamento no Brasil 1935/1976 [dissertação]. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia; 2002. [citado em 2009 Maio 20]. Disponível em: http://www.cipedya. com/web/FileDetails.aspx?IDFile=149304
16 Levy L, Kupferberg M. Um silêncio ensurdecedor. CadPsicanal [Internet]. 2009 [citado em 2009 Fev. 25];31(22):173-84. Disponível em: http://www.cprj.com.br/imagenscadernos/13.Um_silencio_ensurdecedor.pdf
17 Nakae MF. Nada será como antes: o discurso do sujeito coletivo hanseniano. Psic. 2002 Dez;3(2):54-74.
18 Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4a ed. Rio de Janeiro: Zahar; 1982.
19 Cortelletti IA, Casara MB, Heredia VBM, organizadores. Idoso asilado: um estudo gerontológico. Caxias do Sul: Educs/Edipucrs; 2004.
20 Silva RCP, Lopes A, Guisard CLMP, Peixoto ES, Metello HN, Ito LS et al. História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em serviços de saúde do Estado de São Paulo. Hansen Int. 2008;33(1):9-18.
21 Mellagi AG, Monteiro IN. O imaginário religioso de pacientes de hanseníase: um estudo comparativo entre ex-internos dos asilos de São Paulo e atuais portadores de hanseníase. Hist Cien Saude. 2009 Abr-Jun;16(2):489-504. 22 Garcia JRL, Macário DPAP, Ruiz, RB, Siqueira LMS, Cara MRG. Considerações psico-sociais sobre a pessoa portadora de hanseníase. In: Opromolla DVA, Baccarelli R.
Prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase. Bauru: ILSL; 2003. p. 25-30 [citado em 2010Jul 27]. Disponível em: http://hansen.bvs.ilsl.br/textoc/livros/OPROMOLLA_DILTOR_prevencao/aspectos%20gerais/PDF/consid_hansen.pdf
23 Marx K, Engels F. A ideologia alemã. São Paulo: Martin Claret; 2008.
24 Freire P. Educação e mudança. 20a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1994.
25 Machado K. Integralidade, a cidadania do cuidado. Radis. 2004Nov;(27):15-6.
26 Campos CEA. Os inquéritos de saúde sob a perspectiva do planejamento. CadSaude Publica [Internet]. 1993Abr- Jun. [citado em 2010 Maio 6];9(2):190-200. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1993000200011

Downloads

Como Citar

1.
Silva RCP da, Guisard CLMP, Metello HN, Ferreira ME, Marzliak MLC, Clemente TMG. Sonhos interrompidos, caminhos desviados: marcas amenizadas por pensões. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2013 [citado 27º de maio de 2024];38(1/2):3-13. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35071

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)