Aspectos epidemiológicos dos contatos de hanseníase no Município de São Luís-M

Autores

  • Bianca Kelen de Sousa Peixoto Enfermeira. Docente da Unidade de Educação Básica Prof. João de Sousa Guimarães.
  • Ivan Abreu Figueiredo Médico. Doutor em Políticas Públicas. Docente do Departamento de Medicina – Universidade Federal do Maranhão (UFMA).
  • Arlene de Jesus Mendes Caldas Enfermeira. Doutora em Patologia Humana. Docente do Departamento de Enfermagem – UFMA
  • Rita da Graça Carvalhal Frazão Correa Enfermeira. Mestre em Ciências da Saúde. Docente do Departamento de Enfermagem
  • Dorlene Maria Cardoso de Aquino Enfermeira. Doutora em Patologia Humana. Docente do Departamento de Enfermagem. Tutora do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde – Saúde da Família – UFMA.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.35110

Palavras-chave:

hanseníase, contato, controle

Resumo

Realizou-se um estudo retrospectivo no município de São Luís – MA, com o objetivo de descrever a situação dos contatos de Hanseníase. Os resultados apontaram que o distrito sanitário do Bequimão apresentou maior número de contatos (38,8%). Observou-se maior freqüência de contatos do sexo feminino (50,3%), idade acima de 14 anos (66,5%) e com parentescos consangüíneos de 1º Grau (59,1%) com o caso índice. Quanto à situação vacinal com BCG dos contatos, em 66,5% a informação não estava registrada e 33,4% foram vacinados. De um total de 583 contatos examinados, 6,5 % tiveram diagnóstico de Hanseníase sendo a forma Dimorfa diagnosticada em 44,7% dos contatos. Na avaliação da execução das atividades de vigilância de contatos, na maioria dos distritos foi considerada precária, exceto para os distritos sanitários do Itaqui-Bacanga e Vila Esperança, considerados regulares. Conclui-se que há uma necessidade de intensificação das ações de vigilância epidemiológica e o controle dos contatos de hanseníase deve constituir-se em um dos pilares das ações para eliminar essa doença como problema de saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Brasil, Ministério da Saúde. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. 2 Margarido-Marchese, L, Tedesco-Marchese A J, Rivitti E A. Hanseníase. In: Veronesi R, Focaccia R. Tratado de Infectologia. São Paulo: Atheneu. 1996; p. 714-738.
3 World Health Organization. Guia para la Eliminación de la Lepra como Problema de Salud Pública. Geneva: WHO/LEP, 2000. 22 p.
4 Brasil. Plano Nacional de Eliminação de Hanseníase em nível municipal 2006 – 2010. [Acesso 20 dez. 2010]. Brasília:
2006. Disponível em: <http://200.214.130.38/portal/arquivos/pdf/hanseniase_plano.pdf.>
5 Van Beers SM, Hatta M, Klatser PR. Patient contact is the major determinant in incident leprosy: implications for future control. Int J Lepr Other Mycobact Dis 1999 Jun.; 67(2):119-28.
6 Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 6. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.
7 Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. Cadernos de Atenção Básica, n. 21. 2. ed. rev.. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.
8 Pedrallani ES, Toyoda CY, Brognhara MA, Maluf AS. Controle dos comunicantes: sua interferencia na situação epidemiologica da hanseníase. Hansen Int 1986; 11 (1): 44 – 54.
9 Pinto Neto JM, Villa TCS, Oliveira MHP, Barbeira CBS. O controle dos comunicantes de hanseníase no Brasil: uma revisão de literatura. Hansen Int 2000; 25(2): 163–172.
10 Pinto Neto JM, Villa TCS. Características epidemiológicas dos comunicantes de hanseníase que desenvolveram a doença, notificados no Centro de Saúde de Fernandópolis (1993 a 1997). Hansen Int. 1999; 24(2): 129-136.
11 IBGE. Informações municipais. 2000. [acesso 30 mar. 2010]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/censo/divulgacao.shtm>.
12 Maranhão. Ações desenvolvidas pela secretaria de saúde. São Luís; 2008. [acesso 29 mar. 2010]. Dísponível em :
<http://www.saoluis.ma.gov.br/saude/conteudo.aspx?idConteudo=907>.
13 Durães SMB, Guedes LS, Cunha MD, Cavaliere FAM, Oliveira MLWDR. Estudo de 20 focos familiares de hanseníase no município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro. An Bras Dermatol. 2005; 80(Supl 3): 295-300.
14 DATASUS. Acompanhamento da Hanseníase – Maranhão. [Acesso 12 dez. 2010]. Disponível em: http://dtr2004.saude. gov.br/sinanweb/tabnet/dh?sinannet/hanseniase/bases/Hansbrnet.def.
15 Leite KKC, Costa JML, Barral A, Caldas AJM, Corrêa RGCF, Aquino DMC. Perfil epidemiológico dos contatos de casos de hanseníase em área hiperendêmica na Amazônia do Maranhão. Cad. Saúde Colet 2009; 17(1): 235–249.
16 Campos SSL, Ramos Jr AN. Kerr-Pontes LRS, Heukelbach J. Epidemiologia da Hanseníase no município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no período de 1997 a 2003. Hansen Int 2005; 30(2):167-173.
17 Amador, MPSC. Soroprevalência para hanseníase em áreas endêmicas do Estado do Pará. (Dissertação). Belém: Universidade Federal do Pará; 2004. 126p. Mestrado do Núcleo de Medicina Tropical-Universidade Federal do Pará. Disponível em: http://iah.iec.pa.gov.br/iah/fulltext/pc/teses/amadormpsc/TE-MPSCAmador.pdf.
18 Lana, FCF, Lanza FM, Velasquez-Melendez G, Branco AC, Teixeira S, Malaquias LCC. Distribuição da hanseníase segundo sexo no município de Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Hansen Int 2003; 28(2): 131–137.
19 Pinto Neto JM, Villa TCS, Mencaroni DA, Gonzales RC, Gazeta CE. Considerações epidemiológicas referentes ao controle dos comunicantes de hanseníase. Hansen Int 2002; 27(1):23 –28.
20 Veronesi, R; Focaccia, R. Tratado de Infectologia. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2005.
21 Beiguelman B. Genetics in Leprosy. Hansen Int (Special) 1998; s: 103–110.
22 Matos HJ, Duppre N, Alvim MFS, Vieira LMM, Sarno EN, Struchiner CJ. Epidemiologia da hanseníase em coorte de contatos intradomiciliares no Rio de Janeiro (1987-1991). Ca. Saúde Pública 1999; 15(3):533-542.
23 Fine PE et al Household and dwelling contact as risk factors for leprosy in northern Malawi. Am J Epidemiol 1997; 146: 91-102.
24 Carrasco MAP, Pedrazzani ES. Situação epidemiológica da hanseníase e dos seus comunicantes em Campinas. Rev Esc Enfermagem USP, 1993; 27( 2): 214-228.
25 Boelens JJ, Kroes R; Beers SV, Lever P.Protective effect of BCG against leprosy in South Sulawesi, Indonesia. Int J lepr Other Mycobct Dis 1995; 63: 456-45726 Brasil. Hanseníase: Atividades de Controle e Manual de Procedimentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 178p.
27 Camello, R.S. Detecção de casos novos de hanseníase através do exame de contatos no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Hansen Int 2006: 31(2): 15 – 19.
28 Talhari,S, Neves RG Dermatologia Tropical – Hanseníase. 3 ed. Manaus: Gráfica Tropical, 1997. 167 p.
29 Le Grand A. Women and leprosy: a review. Lepr Rev 1997, 68(3): 203 – 211.
30 Imbiriba EB, Hurtado-Guerrero JC, Luiza GarneloI, Levino A, Cunha MG, Pedrosa V. Perfil epidemiológico da hanseníase em menores de quinze anos de idade, Manaus (AM), 1998 – 2005. Rev Saúde Pública 2008 dez., 42(6): 1021-1026.
31 Norman G, Josehph GA, Udayasuriyvan P, Samuel P, Venugopal M. Leprosy case detection using schoolchild. Lepr Rev 2004, 75 (1): 34 – 39.
32 Lombardi C, Martolli CMT, Silva SA, Suárez REG. La eliminación de la lepra de las Américas: situación actual y perspectivas. Rev Panam Salud Publica 1998, 4(3): 149-155.
33 Amaral EP. Análise espacial da hanseníase na microrregião de Almenara, Minas Gerais: relações entre a situação epidemiológica e as condições sócio-econômicas. [Dissertação]. Belo Horizonte: Escola de Enfermagem. Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte; 2008. 89 p.
34 Goulart IMB et al. Grau de incapacidade: indicador de prevalência oculta e qualidade do programa de controle da hanseníase em um Centro de Saúde – Escola no município de Uberlândia – MG. Hansen Int 2002, 27(1): 5-13.
35 Lana FCF; Amaral EP; Franco MS; Lanza FM. Estimativa da prevalência oculta da hanseníase no Vale do Jequitinhonha Minas Gerais. Rev Min Enf 2004, 8(2): 295-300.
36 Lastória JC, Putinatti MSMA. Utilização de busca ativa de hanseníase: relato de uma experiência de abordagem na detecção de casos novos. Hansen Int 2004, 29(1): 6-11.
37 Matos HJ. Modelagem de Dados Epidemiológicos de Contatos de Hanseníase em uma Coorte acompanhada na Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, entre 1987 a 1998. [Dissertação] Rio de Janeiro: Doutorado em Saúde Pública. FIOCRUZ; 2000. 99p
38 Van beers SM, De Wit MYL, Klaster PR. Minireview. The epidemiology of Mycobacterium leprae: Recent insight. FEMS Microbiology letters 1996, 136: 221-230.
39 Alçaïs A, Mira M, Casanova JL, Schurr E, Abel L. Genetic dissection of immunity in leprosy. Curr Opin Immunol 2005, 17(1): 44-48.
40 Aquino DMC, Santos JS, Costa JML. Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil, 1991-1995. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro 2003, 19(1):119-125.

Downloads

Publicado

30-06-2011

Como Citar

1.
Peixoto BK de S, Figueiredo IA, Caldas A de JM, Correa R da GCF, Aquino DMC de. Aspectos epidemiológicos dos contatos de hanseníase no Município de São Luís-M. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2011 [citado 25º de abril de 2024];36(1):23-30. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35110

Edição

Seção

Artigos originais