Gestação e hanseníase: uma associação de risco nos serviços de saúde

Autores

  • Samilly Girão de Oliveira Enfermeira do Programa de Saúde da Família – Morada Nova – Ceará. Especialista
  • Clodis Maria Tavares Enfermeira. Profa. Mestre da Escola de Enfermagem e Farmácia da Universidade Federal de Alagoas – UFAL
  • Escolástica Rejane Ferreira Moura Enfermeira. Profa. Dra.do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Ruth França Cizino da Trindade Enfermeira Profa. Dra. da Escola de Enfermagem e Farmácia da Universidade Federal de Alagoas - UFAL
  • Ana Maria Almeida Enfermeira. Profa. Dra. da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – USP
  • Emiliana de Omena Bomfim Graduanda em Enfermagem do Centro Universitário CESMAC

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.35111

Palavras-chave:

Gravidez, Hansenías, Anticoncepção

Resumo

Estudo descritivo, com abordagem quantitativa. Teve por objetivos levantar aspectos sociodemográficos de um grupo de mulheres com hanseníase, em idade fértil; verificar características clínicas da hanseníase no mesmo grupo; e identificar risco de exposição de mulheres em tratamento de hanseníase a uma gestação, bem como a prática anticoncepcional destas. Os dados foram coletados em outubro de 2006, em um Centro de Referência em Dermatologia Sanitária, localizado em Fortaleza-CE. Participaram 80 mulheres portadoras de hanseníase, em idade fértil (30% do total das cadastradas no serviço). Foram excluídas mulheres histerectomizadas e menopausadas. Destas, 10 (12,5%) estavam na faixa etária da adolescência; 38 (47,5%) eram casadas ou viviam de forma consensual; 16 (20%) mantinham o desejo de conceber; 39 (48,8%) utilizavam métodos anticoncepcionais, sendo que 9 (23%) faziam sem a orientação de um profissional; e 66 (82,5%) desconheciam os efeitos da gestação na hanseníase. Oito (10%) manifestaram a hanseníase na gravidez, 32 (40%) apresentaram reações hansênicas e 4 (13%) fizeram uso de Talidomida (fármaco teratogênico em mulheres em idade fértil). Com base nos resultados encontrados podemos afirmar que mulheres portadoras de hanseníase em tratamento, ficam expostas a uma gravidez de alto risco,
aumentando as chances e a gravidade das reações hansênicas e das recidivas, o que deve ser amenizado pela atenção adequada em anticoncepção.

Referências

1 Araujo M G. Hanseníase no Brasil. Rev Soc Bras Med Trop [artigo online] 2003 June [citado em 5 set 2009]; 36(3): 373-382.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822003000300010&lng=en&nrm=iso
2 Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
3 Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas. Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Guia para Utilização de Medicamentos e Imunobiológicos na Área de Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.
4 Ministério da Saúde. Núcleo de Epidemiologia. Boletim Epidemiológico da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.
5 Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Coordenadoria de Políticas em Saúde. Núcleo de Epidemiologia. Hanseníase: situação epidemiológica. Fortaleza; 2005.
6 Nogueira W. Hanseníase: controle de uma endemia secular em São Paulo. Rev Prática Hospitalar 2005 Jan/Fev; 7(57): 42-55.
7 Talhari S, Neves R G. Dermatologia Tropical. 3ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Tropical; 2006.
8 Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 3ª ed. São Paulo (SP): Atlas; 1996.
9 Victora CG, Knauth DR, Hassen MNA. Pesquisa Qualitativa em Saúde: uma introdução ao tema. 2ª ed. Porto Alegre (RS): Tomo Editorial; 2000.
10 Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo seres humanos (Res. CNS no . 196/96 e outras) 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.
11 Cunha AZS. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Ciência e Saúde Coletiva 2002; 7(2): 235 - 242.
12 Associação Brasileira de Portadores da Síndrome da Talidomida (ABPST). O que é a talidomida [online] 2007 [acesso em 23 jun de 2008]. Disponível em: http://www.talidomida.org.br/oque.asp.
13 Oliveira MHP, Romanelli G. Os efeitos da hanseníase em homens e mulheres: um estudo de gênero. Cadernos de Saúde Pública 1998 Jan/Mar; 14(1): 51-60.
14 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE). Censo Demográfico. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.
15 Esquivel CB. Qualidade de vida em mulheres que foram atingidas pela hanseníase. Revista Multitemas 200 Mar; 25(3): 42-48.
16 Jopling WH, McDougall AC. Manual de Hanseníase. 4ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 1991.
17 Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
18 Helmer KA, Fleischfresser I, Kucharski-Esmanhoto LD, Fillus NJ, Santamaria JR. Fenômeno de Lúcio (eritema necrosante) na gestação. An. Bras. Dermatol. [artigo online]. 2004 Abr [citado em 27 set. de 2008] 79(2): 205-210. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962004000200009&lng=en.
19 Fitzpatrick TB, Eisen AZ, Wolff K, Freedberg IM, Austen KF. Tratado de Dermatologia. 5ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Revinter; 2005.

Downloads

Publicado

30-06-2011

Como Citar

1.
Oliveira SG de, Tavares CM, Moura ERF, Trindade RFC da, Almeida AM, Bomfim E de O. Gestação e hanseníase: uma associação de risco nos serviços de saúde. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2011 [citado 4º de outubro de 2022];36(1):31-8. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35111

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)