História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em serviços de saúde do estado de São Paulo

Autores

  • Regina Célia Pinheiro da Silva Mestre em Educação. Sanitarista. Professora Assistente do Departamento de Serviço Social da Universidade de Taubaté.
  • Angelina Lopes Assistente social Sanitarista do Centro de Saúde II Dr. Luís Fortunato Bellino, Guarulhos.
  • Carmen Luiza Monteiro Paes Guisard Assistente social Sanitarista do Ambulatório Regional de Especialidades de Taubaté.
  • Edna Silveira Peixoto Assistente social da Divisão de Hansenologia e Dermatologia Sanitária de São Paulo e da Fundação Paulista Contra a Hanseníase.
  • Heleida Nobrega Metello Assistente social Especialista em Administração Hospitalar. Assistente Técnica da Coordenação do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
  • Liria Suzuna Ito Assistente social Educadora em Saúde Pública do Ambulatório de Atenção Básica e Especialidades Dr. Alexandre Kalil Yasbec.
  • Maria Aparecida Hilário dos Santos Assistente social e Gerente da Área Comunitária do Hospital Dr. Francisco Ribeiro Arantes, Itu.
  • Maria Emília Ferreira Psicóloga Sanitarista do Hospital Dr. Francisco Ribeiro Arantes, Itu.
  • Maria Guelpa Clemente Assistente social Especialista em Violência Doméstica e Serviço Social Médico do Centro de Saúde Dr. Lourenço Quilici, Bragança Paulista..
  • Wagner Nogueira Mestre em Medicina Preventiva. Médico Sanitarista Coordenador do Programa de Hanseníase da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2008.v33.35171

Palavras-chave:

hanseníase, serviços de saúde, situação de trabalho, qualidade de vid

Resumo

Trabalho originado de um projeto piloto de capacitação profissional ou semi-profissionalizante desenvolvido nos anos de 2001 e 2002 com onze usuários de serviços de saúde do Estado de São Paulo: pessoas atingidas pela hanseníase e comunicantes. No processo de seleção dos sujeitos realizou-se uma pesquisa qualitativa para verificar as alterações ocorridas na situação de trabalho após o diagnóstico de hanseníase. Como instrumentos foram utilizados um formulário e a história de vida tópica. A análise dos dados apontou as categorias: qualidade de vida; percepções e representações sobre a doença; situação social desencadeada a partir do diagnóstico; hanseníase e relação de trabalho; hanseníase e sistema de saúde. Resultados apontam: que a mentira e a omissão da doença são percebidas como necessárias à obtenção e/ou manutenção do emprego, uma vez que o preconceito, a discriminação e o isolamento em função do estigma ainda persistem; o aumento da auto-estima dos sujeitos com o curso de capacitação realizado; relatos de profissionais da área da saúde ainda despreparados em relação à hanseníase. Como propostas são apontadas: intensificação de campanhas à população; realização de pesquisa para compreensão do percurso do usuário até a unidade de saúde e o diagnóstico de hanseníase; educação continuada dos profissionais da rede; inclusão do tema nos cursos de graduação e pós-graduação dos futuros profissionais da área da saúde; e expansão dos cursos de capacitação a usuários de outras unidades do Estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão nacional de Dermatologia Sanitária. Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro: DNDS/NUTES; 1989.
2 Martinelli ML. Seminário sobre metodologias qualitativas de pesquisa. In: Martinelli ML, organizadora. Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras; 1999. p. 24-9.
3 Cruz Neto O. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: Minayo MCS, organizadora. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes; 1994.
4 Silva Mad. Qualidade de vida: o que mais além da dieta, do exercício e da prevenção de doenças. Insight 1998; 8 (85): 24-7.
5 Rocha Cs, Fritsch R. Qualidade de vida no trabalho e ergonomia: conceitos e práticas complementares. Serviço social e Sociedade 2002; 23 (69): 53-72.
6 Claro Lbl. Hanseníase: representações sobre a doença. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1995.
7 Branden N. Auto-estima: como a aprender a gostar de si mesmo. 4ed. São Paulo: Saraiva 1992; p. 9-10.
8 Mioto RCT. Família e Serviço Social: contribuições para o debate. Serviço Social e Sociedade 1997; 18 (55): 114-30.
9 Rotberg A. Lepra: o estigma agrava a doença. Radis, Tema 5, Escola Nacional de Saúde Pública 1983; (1): 2-5.
10 Monteiro YN. Origens e histórico da marginalização dos portadores de hanseníase; [199-]. Mimeografado.
11 Freire P. Educação como prática da liberdade. 3ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1971.
12 Pochmann M. O desemprego no capitalismo. Serviço Social e Sociedade 1996; 17 (52): 165-7.
13 Silveira MLS. De pobre a trabalhador: uma reflexão sobre o sujeito no Serviço Social. Rio de Janeiro: Produtor Editorial
Independente; 2000.

Downloads

Publicado

30-06-2008

Como Citar

1.
Silva RCP da, Lopes A, Guisard CLMP, Peixoto ES, Metello HN, Ito LS, Santos MAH dos, Ferreira ME, Clemente MG, Nogueira W. História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em serviços de saúde do estado de São Paulo. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2008 [citado 21º de junho de 2024];33(1):9-18. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35171

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)