Conhecimentos e necessidades de aprendizagem de estudantes de fisioterapia sobre a Hansenía

Autores

  • Andréia Dias Professora Doutora Assistente. Departamento de Saúde Pública. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Distrito de Rubião Junior,s/n, Faculdade de Medicina de Botucatu, S/P
  • Eliana Goldfarb Cyrino Professora Doutora Assistente. Departamento de Saúde Pública. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Distrito de Rubião Junior,s/n, Faculdade de Medicina de Botucatu, S/P
  • Joel Carlos Lastória Professor Assistente Doutor- Departamento de Dermatologia - Universidade Estadual Paulista-Júlio de Mesquita Filho (UNESP)-Destrito de Rubião Junior,s/n, Faculdade de Medicina de Botucatu,S/P

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35184

Palavras-chave:

ensino superior, hanseníase, preconceito, fisioterapia

Resumo

INTRODUÇÃO: A hanseníase se constitui importante problema de Saúde Pública no Brasil, tendo, no entanto, negligenciada sua importância e valorização na formação das profissões da saúde, mesmo nos países endêmicos. No caso específico do  fisioterapeuta, faz-se necessário o ensino da hansenologia nos cursos de graduação no Brasil, para se atuar nas condições de saúde da população diante da problemática da Hanseníase. OBJETIVO: descrever e analisar conhecimentos de estudantes de fisioterapia sobre hanseníase, antes do contato formal na Universidade/Faculdade com a temática. METODOLOGIA: estudo qualitativo, realizado com 51 estudantes de graduação em fisioterapia do quarto ano de escola do interior do estado de São Paulo, em 2004. Na coleta dos dados, utilizou-se questionário auto-aplicado, com questões abertas. A partir da análise qualitativa das respostas realizou-se a categorização das mesmas. RESULTADOS: identificou-se que estudantes do último ano do curso de fisioterapia expressaram desconhecimento e/ou conceitos incompletos ou inadequados, frente a literatura, sobre hanseníase e os seguintes aspectos devem ser enfatizados no ensino da hansenologia: doença hanseníase; preconceito que os doentes vivenciam e como enfrentá-lo; educação em saúde e atuação do fisioterapeuta na hanseníase. Em relação à organização do ensino, identificou-se que Universidades/Faculdades devem construir estratégias para valorizar a hanseníase como um problema de Saúde Pública. CONCLUSÃO: evidenciou-se a necessidade de aprimoramento do ensino da hansenologia no curso de graduação em Fisioterapia, com abordagem do tema desde o início da formação, para que fisioterapeutas possam prestar o cuidado adequado frente a problemática da hanseníase e contribuir com o Programa de Controle da Hanseníase.

Referências

1 Eidt LM. O mundo da vida do ser hanseniano: sentimentos e vivências [Dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2000.
2 Opromolla DVA. O ensino de hansenologia nas faculdades. Hansen Int 1988;13(2):27-33.
3 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde. Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro; 1989.
4 Moreira T. A panorama of Hansen.s disease: present status and perspectives. Hist Ciênc Saúde-Manguinhos 2003;10 suppl 1:291-307.
5 World Health Organization. Report of the global forum on elimination of leprosy as a public health problem. Geneva, Swtzerland, 26 may 2006.
6 Brasil. Ministério da Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Manual de Prevenção de incapacidades. Brasília: Fundação Nacional de Saúde; 1997.
7 Duarte,MTC; Ayres,J.A.; Simonetti,JP. Socioeconomic and demographic profile of leprosy carriers attended in nursing consultations. Rev. latinoam.enferm; 15 (spe): 774-779, Sepoct. 2007.tab.
8 Cavaliere, I.A.L.; Fábrica de imaginário, usina de estigma: conhecimentos, visões e crenças de uma comunidade escolar sobre a hanseníase. (Dissertação mestrado); Fundação Instituto Oswaldo Cruz , 130 p. dia 26 de janeiro de 2006.
9 Oliveira NS. Estudo sobre a percepção da hanseníase pela clientela e profissionais de saúde no centro de saúde especial no município de Dourados-MS [Monografia]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 2002.
10 Lastória JC, Macharelli CA, Putinatti MSMA. Hanseníase: realidade no seu diagnóstico clínico. Hansen Int 2003;28(1):53-8.
11 Eidt,L.M.; Ser hanseniano: sentimentos e vivencias ; Hansenologia Internacionalis 29 (1): 21-27, jan-jun. 2004.
12 Mc Dougall AC. Packs of teaching-learning materials produced in Oxford. Int J Dermatol 1985;24(8):526-7.
13 Mc Dougall AC. The medical student and leprosy (Editorial). Lepr Rev 1986;57:97-100.
14 Rebelatto JP. Fisioterapia no Brasil: fundamentos para uma ação preventiva e perspectivas profissionais. 2ed. São Paulo: Manole; 1999.
15 TURATO, Egberto Ribeiro. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde Pública [online]. 2005, vol. 39, no. 3
[citado 2008-01-21], pp. 507-514.
16 Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª ed. São Paulo: Hucitec/ Rio de Janeiro: Abrasco; 2004.
17 Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: Ed. Educs; 2003.
18 HIRAMATSU, D A, TOMITA, N E e FRANCO, L J. Perda dentária e a imagem do cirurgião-dentista entre um grupo de idosos. Ciênc. saúde coletiva. 2007, vol. 12, no. 4, pp. 1051-1056.
19 Rotberg A. Lepra x Hanseníase. ARS Curandi 1983; p.l58-69.
20 Opromolla DVA. História. In: Noções de hansenologia. Bauru: Centro de Estudos Dr. Reynaldo Quagliato; 2000. p.1-5.
21 Lessa ZL. A educação em saúde e as ações de controle da hanseníase no estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde; 2002.
22 Rees RJW, Young DB. Themicrobiology of leprosy. In: Hastings RC. Leprosy. New York: Churchill livingstone; 1994. p.49-83.
23 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hanseníase atividades de controle e manual de procedimentos. Brasília; 2001b.
24 Souza-Araújo HC. História da lepra no Brasil: período republicano (1890-1952). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional;1956. v.3.
17 Pedrazzani ES, Helene LMF, Vieira CSA, Vieth H. Capacitação de multiplicadores na área de enfermagem em hanseníase. Hansen Int 1998; 23(1-2):27-34.
25 Freire P. Pedagogia do oprimido. 22 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1993.
26 Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997.
27 Nunes Bacurau FAV. Leproso: uma identidade perversa. In: Souza ACM. Cartilha Morhan: movimento de reintegração de
pessoas atingidas pela hanseníase. São Bernardo do Campo: Arteplena Comunicação; 1993. p.4-7.
28 Oliveira MHP. Incapacidades físicas em portadores de hanseníase [Tese]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 1987.
29 Cardoso JR. Novas tendências metodológicas no ensino em fisioterapia. Olho Mágico 2000;6(21):11-3.30 Opromolla DVA. História. In: Noções de hansenologia. Bauru: Centro de Estudos Dr. Reynaldo Quagliato; 2000. p.1-5.
31 Pedrazzani ES.Caracterização do ensino sobre hanseníase nos cursos de graduação em enfermagem no Estado de São Paulo. Hansen int1987;12(1):12- 8.

Downloads

Publicado

30-06-2007

Como Citar

1.
Dias A, Cyrino EG, Lastória JC. Conhecimentos e necessidades de aprendizagem de estudantes de fisioterapia sobre a Hansenía. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2007 [citado 26º de novembro de 2022];32(1):9-18. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35184

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)