A hanseníase e o seu processo diagnóstico*

Autores

  • Danielle Christine Moura dos Santos Acadêmica da FENSG – UPE. Bolsista de Iniciação Científica – PIBIC/CNPq.
  • Raphaela Delmondes do Nascimento Acadêmica da FENSG – UPE.
  • Vera Rejane do Nascimento Gregório Mestre em Saúde Pública. Docente da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças – FENSG – UPE - Universidade de Pernambuco.
  • Maria Rejane Ferreira da Silva Doutora em Saúde Coletiva. Docente da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças – FENSG – UPE - Universidade de Pernambuco.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35185

Palavras-chave:

hanseníase, diagnóstico, paciente

Resumo

Este estudo tem como objetivo identificar nos relatos de pacientes de hanseníase as principais dificuldades sentidas para obtenção do diagnóstico da doença. Utilizou-se uma abordagem qualitativa com análise de entrevistas semi-estruturadas feitas aos portadores de hanseníase no ambulatório de Dermatologia Sanitária do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros, Recife-PE. Entrevistaram-se 21 pacientes, entre 9 a 73 anos, no período de dezembro de 2004 a janeiro de 2005. A maioria dos entrevistados apresentou diagnóstico tardio da doença. Da análise do conteúdo emergiram quatro categorias: estigma da hanseníase, percepção de estar doente, conhecimento sobre a doença e baixa resolutividade do serviço. Sentimentos de medo, rejeição e negação da doença dificultaram o diagnóstico precoce de um dos entrevistados. Uma parte dos entrevistados só percebeu algum sinal da doença quando já apresentavam a doença nas formas clínicas polarizadas e transmissíveis. Outros, por desconhecimento ou conhecerem de forma limitada a doença retardaram a procura ao serviço. A maioria considerou que o diagnóstico tardio estava relacionado, sobretudo à baixa resolutividade do serviço na confirmação dos casos. Alguns demoraram cerca de 3 anos desde a primeira procura ao serviço até o diagnóstico. O estudo revelou que as dificuldades que os entrevistados encontraram para o diagnóstico da hanseníase estavam relacionadas ao estigma, a não percepção, ao desconhecimento ou conhecimento limitado da doença e a procura ao serviço. Os resultados sugerem que, o estigma da doença ainda persiste no imaginário da população, a qual apresenta um desconhecimento sobre as características da doença. O resultado mais preocupante se refere à qualificação dos profissionais no diagnóstico da enfermidade.

Referências

1 Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância da Saúde. Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase em Nível Municipal.
[serial online]. Brasília, 2006. [Cited 2007 July 28] Avalible from http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/hanseniase_plano.pdf
2 Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância da Saúde. Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase.V Carta de Eliminação da Hanseníase. Pernambuco, 2006. [Cited 2007 July 28] Avalible from http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pe.pdf
3 Bechelli LM. Alguns aspectos psicológicos, sociais e econômicos relacionados com a lepra. J bras psiquiat 1987:36 (6):321-4. [(iah) LILACS id: 48290].
4 Ministério da Saúde (BR). Controle da hanseníase: uma proposta de integração ensino- serviço. Rio de Janeiro: Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde; 1989. ().
5 Monteiro YN. Hanseníase: história e poder no estado de São Paulo. Hansen int 1997; 22(2):282-7
6 Eidt LM, Comiotto MS. Ser hanseniano: de um passado recente aos dias atuais. Brasil. Rio Grande do Sul; 2000.
7 Ministério da Saúde (BR). Hanseníase Atividades de Controle e Manual de Procedimentos. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica; 2001. ().
8 Ministério da Saúde (BR). Guia para o controle da hanseníase. Brasília: 2002. (Cadernos de Atenção Básica n° 10).
9 Organização Mundial de Saúde. Um guia para eliminar a Hanseníase como problema de saúde pública. Genebra; 1995.
10 Nunes FAV. Leproso: uma identidade perversa. Rio Branco, Acre; 1993.
11 Landim FLP, Lourinho LA, Lira RCML, Santos ZMSA. Uma Reflexão Sobre as Abordagens em Pesquisa com Ênfase na Integração Qualitativo-Quantitativa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde 2006, 19(1) : 53-58.
12 Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na áreada saúde: definições, diferenças e seus objetos depesquisa. Rev Saúde
Pública 2005 Jun; 39(3):507-14.58 RBPS 2006; 19 (1) : 53-58
13 Chizzotti A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 8ºed. São Paulo: Cortez; 2006.
14 Arruda A. Teoria das representações sociais. Cadernos de Pesquisa 2 novembro 2002; 117:127-147,.
15 Laville C, Dionne J. A Construção do Saber: Manual de Metodologia em Ciência Humanas. Porto Alegre: ARTMED; Belo Horizonte, Minas Gerais: UFMG; 1999.
16 Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanas. Resolução 196/96. [serial online]. Distrito Federal, 1996, [cited 2007 July 28] Avaliable from: http://www.ufrgs.br/bioetica/res19696.htm
17 Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa:Edição 70; 1994
18 Gregório VRN. Estudo da Hanseníase em uma Unidade de Saúde do Recife [dissertação]. Recife:Universidade Federal de Pernambuco; 1999.
19 Boltanski L. As classes sociais e o corpo. Rio de Janeiro:Graal; 1989.
20 Feliciano KVO, Novaes MH. Hanseníase, Estigma e Invisibilidade. Saúde em Debate 1996; 52:42-49.

Downloads

Publicado

30-06-2007

Como Citar

1.
Santos DCM dos, Nascimento RD do, Gregório VR do N, Silva MRF da. A hanseníase e o seu processo diagnóstico*. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2007 [citado 1º de dezembro de 2022];32(1):19-26. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35185

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)