O Estigma da Hanseníase: Relato de uma Experiência em Grupo com Pessoas Portadoras

Autores

  • Katia Salomão Baialardi Especialista em Psicologia Clínica. Coordenadora do grupo de pacientes portadores de hanseníase do Ambulatório de Dermatologia Sanitária da Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35191

Palavras-chave:

hanseníase, emoções, efeitos psicossociais da doença, educação em saúde

Resumo

Este artigo é o relato de uma experiência em grupo com indivíduos portadores de hanseníase que tem por objetivo aprofundar as questões relativas ao ser humano, que apresenta esta doença. A hanseníase é uma enfermidade milenar que traz consigo a marca do preconceito, discriminação e exclusão social desde o seu surgimento. Durante um longo tempo os indivíduos foram rejeitados pela sociedade, família e amigos e condenados a viver em total situação de privação perdendo o contato com o mundo externo para evitar a contaminação. O estigma se faz presente desde os tempos bíblicos e continua fazendo parte do imaginário das pessoas ainda nos dias atuais. Embora, atualmente a hanseníase tenha tratamento e cura, o estigma e o
preconceito permanecem enraizados em nossa cultura e dificultam o indivíduo no enfrentamento da doença, trazendo-lhes sérias repercussões em sua vida pessoal e profissional. Os relatos dos sentimentos e vivências apresentados pelos participantes no grupo evidenciam as dificuldades enfrentadas pelos mesmos, desde a busca do diagnóstico, a conscientização do mesmo, a realização do tratamento e após a cura, uma vez que sua trajetória continua para tratar as incapacidades físicas. A hanseníase deixa marcas profundas nos seres humanos devido às inúmeras perdas decorrentes da doença. Os indivíduos necessitam resgatar sua auto-estima, seus vínculos e relacionar-se para reintegrar-se ao mundo real. Os sentimentos relacionados a esta doença como o medo, a vergonha, a culpa, a exclusão social, a rejeição e a raiva fazem parte do seu cotidiano.

Referências

1 Talhari S, Neves RG. Hanseníase. 3ª ed. Manaus: Tropical; 1997.
2 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle da hanseníase. Brasília; 2002.
3 Azulay RD, Azulay DR. Dermatoses específicas causadas por seres vivos. In: Azulay RD, Azulay DR. Dermatologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1985. p. 111-73.
4 Talhari S, Neves RG. Manifestações nervosas e diagnóstico diferencial. In: Talhari S, Neves RG. Hanseníase. Manaus: Calderaro; 1984. p. 35-53.
5 Ministério da Saúde (BR), Fundação Nacional de Saúde, Centro Nacional de Epidemiologia, Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária. Guia de controle da hanseníase. 2ª ed. Brasília; 1994.
6 Eidt ME. O mundo da vida do ser hanseniano: sentimentos e vivências [dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Educação,
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2000.
7 Eidt LM. Ser hanseniano: sentimentos e vivências. Hansenologia Internationalis 2004;29(1):21-7.
8 Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 3a ed. Rio de Janeiro: Zahar; 1980.
9 Rufferty E. Curring the stigma of leprosy. Leprosy Review 2005;76:119-26.
10 Garcia JRL. Entre a “loucura” e a hanseníase: interfaces históricas das práticas e políticas instituídas. Hansenologia Internationalis 2001;26(1):14-22.
11 Cunha AZS. Hanseníase: aspectos da evolução do diagnóstico, tratamento e controle. Ciência & Saúde Coletiva 2002;7(2):235-42.
12 Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comitê Nacional de Ética em Pesquisa em Seres Humanos. Resolução 196, de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília; 1997.
13 Pichon-Riviére E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes; 1994.
14 Galvan AL. O mal de Hansen e as implicações no projeto de vida pessoal e familiar do doente [dissertação]. Manaus: Universidade Luterana do Brasil, 2000.
15 Bíblia Sagrada. Edição pastoral. São Paulo: Sociedade Católica Internacional/ Paulus; 1991. Levítico 13-14:45-46.
16 Oliveira EL, Abulafia LA, Mello Filho J. Grupoterapia com pacientes de hanseníase. Informação Psiquiátrica 1988;7(2):64-70.
17 Oliveira MHP, Romanelli G. Os efeitos da Hanseníase em homens e mulheres: um estudo de gênero. Cadernos de Saúde Pública 1998;14(1):51-60.
18 Ministério da Saúde (BR), Secretaria Nacional de Programas Especiais de Saúde, Divisão Nacional de Dermatologia Comunitária. Controle de Hanseníase: uma proposta de integração ensino-serviço. Brasília: DNSD/NUTES; 1989
19 Monteiro YN. Hanseníase: história e poder no Estado de São Paulo. Hansenologia Internationalis 1987;12(1):1-7.
20 Graça LAC, Burd M, Mello Filho J. Grupo com diabéticos. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 213-32.
21 Zimerman DE. Classificação geral dos grupos. In: Zimerman DE, Osório LC, organizadores. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997. p. 75-81.
22 Mello Filho J. Grupos no hospital geral: ambulatório, enfermaria e serviços especializados. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 131-43.
23 Campos EP. Grupos de suporte. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 117-30.
24 Chazan LF. Grupos homogêneos interdisciplinares. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 163-71.
25 Ribeiro SLE, Guedes EL, Pereira HLA, Souza LS. Vasculite na Hanseníase mimetizando doenças reumáticas. Revista Brasileira de Reumatologia [periódico na Internet], 2007 [citado 2007 nov 9];47(2):140-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbr/v47n2/13.pdf.
26 Muniz JR, Taunay MSE. Grupos de enfermaria no hospital geral. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 146-62.
27 Mello Filho J. Grupoterapia com pacientes somáticos. In: Osório LC, organizador. Grupoterapia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 1989. p. 259-89.
28 Mondarto PD, Cutrim Júnior RJC, Mello Filho J. Grupos com pacientes dermatológicos. In: Mello Filho J, organizador. Grupo e corpo: psicoterapia de grupo com pacientes somáticos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000. p. 233-46.
29 Dethlefsen T, Dahlke R. A doença como caminho. São Paulo: Cultrix; 2004.
30 Nery JAC, Sales AM, Illarramendi X, Duppre NC, Jardim MR, Machado AM. Contribuição ao diagnóstico e manejo dos estados reacionais: uma abordagem prática. Anais Brasileiros de Dermatologia [periódico na Internet] 2006 [citado 2007 nov 9];81(4):367-75. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abd/v81n4/v81n04a10.pdf.
31 Gallo MEN, Oliveira MLW. Recidivas e reinfecção em Hanseníase. Medicina (Ribeirão Preto) [periódico na Internet] 1997 [citado 2007 nov 9];30:351-7. Disponível em: http://www.fmrp.usp.br/revista/1997/vol30n3/recidivas_reinfeccao_hanseniase.pdf.

Downloads

Publicado

30-06-2007

Como Citar

1.
Baialardi KS. O Estigma da Hanseníase: Relato de uma Experiência em Grupo com Pessoas Portadoras. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2007 [citado 7º de dezembro de 2022];32(1):27-36. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35191

Edição

Seção

Artigos originais