O cotidiano de ser hanseniano: um estudo de enfermagem

Autores

  • Antonia Margareth Moita Sá Enfermeira da Secretaria Executiva de Saúde Pública do Estado do Pará. Professora Assistente da Universidade do Estado do Pará. Mestre em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery-UFRJ.
  • Elisabete Pimenta Araújo Paz Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da EEAN/UFRJ. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa de Enfermagem de Saúde Coletiva

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35193

Palavras-chave:

hanseníase, enfermagem, fenomenologia

Resumo

Estudo sobre o cotidiano de ser hanseniano realizado com doentes em tratamento em uma Unidade de Saúde de Belém-PA que teve como objetivo compreender este cotidiano. Utilizou como referencial metodológico a fenomenologia e a hermenêutica de Martin Heidegger na análise compreensiva sobre o cotidiano do hanseniano. Evidenciou-se a perplexidade dos doentes ante sua doença, o medo de transmiti-la, a tentativa de ocultação de sua condição, as mudanças na rotina diária em conseqüência da doença e a submissão ao tratamento como a única forma de se verem curados. A interpretação mostrou que o sentimento de temor acompanha o hanseniano, pois ele teme o isolamento social que sabe que a hanseníase traz consigo e o modo de ser do impessoal nas relações sociais e com os profissionais de saúde.

Referências

1 Leão RNQ. Doenças infecciosas e parasitárias: enfoque Amazônico. Belém: CEJUP; 1997.
2 Claro LBL. Hanseníase: representações sobre a doença. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1995.
3 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
4 Secretaria Executiva de Saúde Pública (Pará). Coordenação Estadual de Dermatologia Sanitária. Plano Estadual de Eliminação da Hanseníase. Belém; 2001.
5 Moreira TMA. Estudo de Caso da avaliação da descentralização das ações programáticas de hanseníase (Tese). Rio de Janeiro: Fundação Osvaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública; 2002.
6 Queiroz MS, Carrasco MAP. O doente de hanseníase em Campinas: uma perspectiva antropológica. Cad de Saúde Públ, 1995; 11 (3):479-90.
7 Carvalho AS. Metodologia da entrevista: uma abordagem fenomenológica. Rio de Janeiro: Agir; 1991.
8 Herman N. Hermenêutica e Educação. Rio de Janeiro: Ed. DP&A; 2002.
9 Martins J, Bicudo MAV. A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Moraes; 1989.
10 Abbagnano N. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes; 2000.
11 Eidt LM. Ser hanseniano: sentimentos e vivências. Hansen int 2004; 29(1):12-20.
12 Lastória JC, Putinatti MSMA. Utilização de busca ativa de hanseníase: relato de uma experiência de abordagem na detecção de casos novos. Hansen int 2004; 29(1):6-11.
13 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de Prevenção de
Incapacidades. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
14 Goulart IMB, Arbex GL, Carneiro MH, Rodrigues MS, Gadia R. Efeitos adversos da poliquimioterapia em pacientes com hanseníase: um levantamento de cinco anos em um Centro de Saúde da Universidade Federal de Uberlândia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 2002; 35(5):453-60.
15 Heidegger M. Ser e Tempo. 10nd Ed. Petrópolis: Vozes; 2000.

Downloads

Publicado

30-06-2007

Como Citar

1.
Sá AMM, Paz EPA. O cotidiano de ser hanseniano: um estudo de enfermagem. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 2007 [citado 26º de novembro de 2022];32(1):49-55. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35193

Edição

Seção

Artigos originais