Granulomatose linfomatóide × hanseníase

Autores

  • Sheila Jorge ADAD Prof. Assist. do Depto. de Patologia - Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro (Uberaba - MG).
  • Raul Negrão FLEURY Prof. Assist. Doutor do Depto. de Patologia da Faculdade de Odontologia de Bauru (USP); Diretor do Serviço de Epidemiologla do Hospital "Lauro de Souza Uma" (Secretaria do Estado da Saúde, Bauru- SP.)
  • Anísio NUNES Prof. do Depto. de Patologia Geral da Universidade Federal de Minas Gerais.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.1989.v14.35551

Resumo

A granulomatose linfomatóide é uma entidade nosológica primeiramente descrita por A.A. Liebow, C.R.B. Carrington e P. Friedman9 em 1972, e caracterizada por processo linfoproliferativo e granulomatoso, polimorfo e plelomorfo, angiocêntrico e angiodestrutivo, envolvendo predominantemente pulmões, mas sendo uma doença sistêmica que também compromete, em ordem de freqüência, pele, rins, sistema nervoso central e outras localizações orgânicas poupando, em geral, baço, lifonodos e medula óssea. Atualmente é considerada uma forma peculiar de linfoma T periférico com caráter angiocêntrico, sendo indistinguível histologicamente da reticulose polimorfa (granuloma letal de linha média). Trata-se de uma afecção grave, de mau prognóstico, mas passível de boa resposta terapêutica (corticóide e ciclofosfamida) principalmente nas fases iniciais. A pele é a segunda localização orgânica mais afetada e em 13 a 34% dos casos as lesões cutâneas precedem o comprometimento pulmonar. Há uma grande variedade de aspectos destas lesões, mas frequentemente são placas eritêmato-violáceas, ou lesões anulares infiltradas com clareamento central. 0 diagnóstico diferencial destas lesões inclue principalmente granuloma anular, sarcoidose e hanseníase. Como esta última afecção é muito frequente entre nós e como na granulomatose linfomatóide há envolvimento de ramos nervosos cutâneos e troncos nervosos periféricos, com sintomas de hipo ou hiperestesia nas lesões e parestesias nos membros, é sempre necessário realizar-se o diagnóstico diferencial. Esta apresentação anátomo-clínica se refere a um homem de 42 anos, com manifestações cutâneas de granulomatose linfomatóide que surgiram concomitantemente com manifestações pulmonares e sistêmicas. Uma biópsia cutânea foi altamente sugestiva de hanseníase tuberculóide devido ao caráter granulomatoso do infiltrado e ao envolvimento e penetração de ramos nervosos. O paciente faleceu em insuficiência respiratória e os achados necroscópicos na pele demonstram importantes modificações histológicas, com infiltrado mais polimorfo, plelomórfico e angiocêntrico. As mesmas alterações histológicas foram encontradas no CNS, fígado, coração, parede gástrica, próstata, testículos, pulmões e rins. Nestes últimos órgãos haviam grandes nódulos constituidos pelo Infiltrado característico e extensas áreas de necrose.

Referências

1 - BENDER, B.L; KAPADIA, S.B.; SYNKOWSKI, D.R.; ZITELLI, J.A. Lymphomatoid granulomatosis preceded by chronic granulomatous dermatitis. Arch. Derm., 114: 1547-8, 1978.
2 - BRODELL, R.T.; MILLER, C.W.; EISEN. A.Z. Cutaneous lesions of lymphomàtoid granulomatosis. Arch. Derm., 122:303-306, 1986.
3 - CAMISA, C. Lymphomatoid granulomatosis: two cases with skin involvement. J. Amer. Acad. Derm., 20:571-8, 1989.
4 - SCULY, R.E.; GALDABINI, J.J.; McNEELY, B.V. Case records of the Massachussets General Care Hospital. Case 31 - 1975. New England J. Med., 293: 292-297, 1975.
5 NEWBURGER, P.E. & HARRIS, N. Case records of the Massachussets General Care Hospital. Case 40 -1987. New Engl. J. Med., 317: 879-890, 1987.
6 - HALPERIN, E. C. & DOSORITZ, D.F. Lymphomatoid granulomatosis. New Engl. J. Med., 306: 294-295, 1982.
7 - JAMBROSIC, J.; ASSASD, D.A.; SIBBALD, R.G. Lymphomatoid granulomatosis. J. Amer. Acad. Dorm., 17: 621-631, 1987.
8 - KATZEINSTEIN, A.LA., CARRINGTON, C.R.B.; LIEBOW, A.A. Lymphomatoid granulomatosis: a clinico-pathologic study of 152 cases. Cancer, 43: 360-373, 1979.
9 - LIEBOW, A.A.; CARRINGTON, C.R.B.; FRIEDMAN, P. Lymphomatoid granulomatosis. Hum. Path., 3: 457-533, 1972.
10 - RONGIOLETTI, F.; DESIRELLO, G.; NAZZARI, G. Ulcerated plaque and nodules on the thigh of a patients with febrile pulmonary diseases. Arch. Dorm. 124: 572-575, 1988.
11 - SALDANHA, M.J.; PATCHEFSKY, A.S.; ISRAEL, H.I.; ATKISON, G,W. Pulmonary angiitis and granulomatosis. The relationship between histological features, organ involvement and response to treatment. Hum. Path., 8: 391-409, 1977.
12 - WOOD, M.L; HARRINGTON, C.I.; SLATER, D.N.; ROONEY, N.; CLARK, A. Cutaneous lymphomatoid granulomatosis: a rare case of
recurrent skin ulceration. Brit. J. Derm., 110: 619-625, 1984.

Downloads

Publicado

30-06-1989

Como Citar

1.
ADAD SJ, FLEURY RN, NUNES A. Granulomatose linfomatóide × hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de junho de 1989 [citado 26º de novembro de 2022];14(1):32-41. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/35551

Edição

Seção

Seção anátomo-clínica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>