Perfil clínico-epidemiológico de pacientes que abandonaram o tratamento de hanseníase

Autores

  • Maylla Moura Araújo Graduanda do Curso de Medicina da Faculdade Integral Diferencial – FACID | DeVry.
  • Joycce Huanna de Souza Silva Graduanda do Curso de Medicina da Faculdade Integral Diferencial – FACID | DeVry.
  • André Cipriano Saraiva Gomes Graduando do Curso de Medicina do Centro Universitário da Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas do Piauí – UNINOVAFAPI.
  • Lauro Rodolpho Soares Lopes Professor da disciplina de Dermatologia do Curso de Medicina da Faculdade Integral Diferencial – FACID | DeVry, Mestrado em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Piauí.
  • Rosemarie Brandim Marques Professora da disciplina de Epidemiologia do Curso de Medicina da Faculdade Integral Diferencial – FACID | DeVry, Doutorado em Biotecnologia de Recursos Naturais pela Universidade Federal do Piauí.

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2014.v39.36185

Palavras-chave:

Hanseníase, Epidemiologia, Suspensão de Tratamento

Resumo

O controle da hanseníase depende de um tratamento com a dose completa em até 18 meses, o abandono implica na transmissão e em quadros de incapacidade física. OBJETIVO: O objetivo da pesquisa foi identificar o perfil clínico-epidemiológico dos pacientes que abandonaram o tratamento de hanseníase em Teresina-PI. MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de um estudo de natureza descritiva, transversal, com abordagem quantitativa. Os dados referentes a esses indivíduos nas coortes de 2011 a 2014 foram obtidos por meio do Sistema de Informações de Agravos de Notificação. RESULTADOS: Do total de 1770 casos de hanseníase notificados nesse período, 34 casos foram considerados abandono de tratamento. Verificou-se que 54,9% eram homens, 79,5% estavam na faixa etária de 15 a 59 anos, 68% eram pardos e 59% tinham até 3 anos de escolaridade . A maioria dos casos de abandono era pacientes multibacilares (61,8%) e 32% apresentava a forma dimorfa. A maior parte dos diagnósticos deu-se por demanda espontânea (55,8%). No momento do diagnóstico, 29,4% dos pacientes possuía algum grau de incapacidade física. Pacientes multibacilares tiveram uma média de 3,6 contatos, sendo que cerca da metade foram examinados. Com relação à suspensão da poliquimioterapia, observa-se que paucibacilares tomaram 1,84 doses, enquanto multibacilares, 6,94 doses. CONCLUSÃO: Os multibacilares apresentaram menor adesão ao tratamento, evidenciando maior risco de transmissão. Fazem-se necessárias campanhas de detecção da doença, para evitar sua evolução e as consequentes incapacidades físicas, e ainda reduzir possibilidade de transmissão entre contatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

30-11-2014

Como Citar

1.
Araújo MM, Silva JH de S, Gomes ACS, Lopes LRS, Marques RB. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes que abandonaram o tratamento de hanseníase. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2014 [citado 25º de abril de 2024];39(2):55-63. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36185

Edição

Seção

Artigos originais