Impacto da prevenção de incapacidades em hanseníase: correlação entre diagnóstico e alta

Autores

  • Andréia Matta Dias Fisioterapeuta
  • Fabrício Augusto Pereira Magalhães Fisioterapeuta
  • Elaine Cristina Leite Pereira Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Paulista, Goiânia/GO, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.47878/hi.2011.v36.36209

Palavras-chave:

Hanseníase, Prevenção, ncapacidades, Saúde pública

Resumo

Os objetivos deste trabalho foram identificar os índices de detecção e prevalência da hanseníase em Bragança Paulista - SP, no período de 1999 a 2006, delineando o predomínio da forma da doença e comparar os graus de incapacidades notificados no diagnóstico e na alta do tratamento. As informações foram coletadas em prontuários, fichas de notificação do SINAN e DATASUS (n=171). Foram realizadas análises qualitativas e quantitativas usando o teste Qui-quadrado (p≤0,01). Foram analisados 171 prontuários e nestes, foi observado que apenas 47% dos pacientes tinham sido avaliados no diagnóstico e na alta. A investigação dos graus de incapacidade dos pacientes avaliados no diagnóstico e na alta mostrou que no olho direito 10,4% apresentaram piora e 34,8% dos pacientes com incapacidades no diagnóstico melhoraram (p=0). No olho esquerdo, 8,6% apresentaram piora e 39,1% dos pacientes com grau I ou II no diagnóstico melhoraram (p=0). Na mão direita, 9,4% apresentaram piora e 18,7% dos que apresentavam grau I ou II melhoraram (p=0). Na mão esquerda, 7,7% pioraram e 37,5% dos que eram grau I ou II apresentaram melhora (p=0). Em pé direito, 20% apresentaram piora no quadro de incapacidades e 30,3% dos que apresentaram grau I ou II no diagnóstico melhoraram (p=0). No pé esquerdo, 28,6% pioraram e 28,2% dos que apresentavam grau I ou II melhoraram (p=0). Os pacientes avaliados no diagnóstico e na alta tiveram reduções significativas nos graus de incapacidades em olhos, mãos e pés na alta, sugerindo que ações de prevenção podem ter impacto na prevenção de incapacidades. Palavras-chave: Hanseníase, Prevenção, Incapacidades, Saúde pública

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1 Penna et al. Doenças dermatológicas de notificação compulsória no Brasil. An Bras Dermatol. 2011; 86(5):865-77.
2 Brasil. Ministério da Saúde, Programa Nacional de Controle da Hanseníase. Informe Epidemiológico, 2008.
3 World Health Organization. Global leprosy situation, beginning of 2008. Weekly Epidemiological Record, 2008;83:293-300.
4 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica: Manual de prevenção de incapacidades. 3. ed., 2008.
5 Pereira HLA, Ribeiro, SLE, Ciconelli, RM, Fernandes ARC. Avaliação por imagem do comprometimento osteoarticular e de nervos periféricos na hanseníase. Rev. Bras. Reumatol. 2006; 46(supl):30-35.
6 Gonçalves SD, Sampaio RS, Antunes, CMF. Fatores preditivos de incapacidades em pacientes com hanseníase. Rev Saúde Pública 2009; 43(2):267-74.
7 Rodini FCB, Gonçalves M, Barros ARSB, Mazzer N, Elui VMC, Fonseca MCR. Prevenção de incapacidade na hanseníase com apoio em um manual de autocuidado para pacientes. Fisioterapia e Pesquisa, 2010; 17(2):157-66.
8 Virmond MCL. Alguns apontamentos sobre a história da prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase no Brasil. Hansen Int. 2008; 33(2). Suppl. 1 p. 13-8.
9 Moreira D, Alvarez RRA, Machado ELS, Costa RAG.; Nascimento RR, Santos RAM, Oliveira RS. A importância da
avaliação de incapacidades em membros superiores de pacientes portadores de hanseníase atendidos em nível ambulatorial. Fisioterapia em Movimento, 2001; 14(1):21- 24.
10 Cury MRCO, Paschoal VDA, NardiI SMT, Chierottil AP, Júnior ALR, Chiaravalloti-Neto F. Análise espacial da incidência de hanseníase e fatores socioeconômicos associados. Rev Saúde Pública 2012;46(1):110-8.
11 Gomes, CCD; Pontes, MAA; Gonçalves, HS; Penna, GO; Andrade, ALSS. Perfil clínico epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região Nordeste do Brasil. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2005; 80(Supl):283-288.
12 Façanha MC, Pinheiro AC, Lima JRC, Ferreira MLLT, Teixeira GFD, Rouquayrol MZ. Hanseníase: subnotificação de casos em Fortaleza – Ceará, Brasil. Anais de Dermatologia. 2006; 81(4):329-333.
13 Corrêa CMJ, Ivo ML, Honer M.R. Incapacidades em sujeitos com hanseníase em um centro de referência do centrooeste brasileiro entre 2000-2002. Hansen int 2006; 31 (2):21-8.
14 Vieth H, Saloti SRA, Passearotti S. Guia de prevenção ocular em hanseníase, Talmilep, Teaching and learning materials in leprosy. 1994; 54p.
15 Opromolla, DVA. Hanseníase após a cura. 1998; Hansen. Int., 23(1/2):1-2.
16 World Health Organization (WHO/OMS). Guia para la eliminacion de la lepra como problema de salud publica. WHO/Programa de Acción para la Eliminación da la Lepra, Genebra, 1995.
17 Virmond M, Vieth H. Prevenção de Incapacidades em Hanseníase: Uma análise crítica. Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: HANSENÍASE. 1997; 358-363.
18 Taylor MA, Amir N. Sinister psychotics. Left-handedness in schizophrenia and affective disorder. J Nerv Ment Dis. 1995; 183:9-13.
19 Garbino J.A. Manejo clínico das diferentes formas de comprometimento da neuropatia hanseniana. Hansen. Int., p.9399,1998. Número especial.
20 Stump PRNAG, Garbing JA, Zulian EA. Reabilitação em hanseníase. In: Lianza S. Medicina de reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1984. p.355-65

Downloads

Publicado

30-11-2011

Como Citar

1.
Dias AM, Magalhães FAP, Pereira ECL. Impacto da prevenção de incapacidades em hanseníase: correlação entre diagnóstico e alta. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2011 [citado 16º de julho de 2024];36(2):37-42. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/hansenologia/article/view/36209

Edição

Seção

Artigos originais